Mercado fechará em 4 mins
  • BOVESPA

    111.496,94
    +824,18 (+0,74%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.349,70
    -53,00 (-0,10%)
     
  • PETROLEO CRU

    84,25
    +1,29 (+1,55%)
     
  • OURO

    1.787,20
    +16,70 (+0,94%)
     
  • BTC-USD

    66.493,13
    +3.005,72 (+4,73%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.550,72
    +69,91 (+4,72%)
     
  • S&P500

    4.537,12
    +17,49 (+0,39%)
     
  • DOW JONES

    35.618,86
    +161,55 (+0,46%)
     
  • FTSE

    7.223,10
    +5,57 (+0,08%)
     
  • HANG SENG

    26.136,02
    +348,81 (+1,35%)
     
  • NIKKEI

    29.255,55
    +40,03 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    15.367,75
    -30,75 (-0,20%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4522
    -0,0440 (-0,68%)
     

Como minerar bitcoin: suas principais dúvidas respondidas!

·16 minuto de leitura
Como minerar bitcoin: suas principais dúvidas respondidas!
Como minerar bitcoin: suas principais dúvidas respondidas!

O bitcoin, tema recorrente em manchetes globais muito em virtude das suas altas e baixas no mercado, é o terceiro investimento preferido dos brasileiros, segundo um levantamento realizado pela FGV em parceria com a gestora de fundos de criptoativos Hashdex.

Considerado por muitos como a moeda digital do futuro, seu nome costuma estar ligado a operações financeiras de grande porte.

O ativo digital, inclusive, despertou interesse até de figuras importantes como Elon Musk, CEO da Tesla e da SpaceX.

Bitcoin é considerada a moeda digital do futuro
Momento atual no mundo das criptomoedas é de euforia. Imagem: rzoze19/Shutterstock

E não por menos: de início, saiba que o momento atual no mundo das criptomoedas é de euforia. Prova disso é a Coinbase, uma das principais bolsas de criptomoedas da atualidade, ter registrado lucro trimestral bilionário, de ​​US$ 1,6 bilhão.

No mês de março de 2021, por exemplo, o setor de mineração movimentou US$ 1,5 bilhão (quase R$ 8 bilhões na conversão direta atual), segundo dados do estudo do The Block Research.

Para se ter ideia, o bitcoin sozinho atingiu a marca de US$ 898,1 bilhões em capitalização em setembro de 2021. Isso é um pouco abaixo dos US$ 1 trilhão que o recurso atingiu no início do mesmo ano, mas vale dizer que o fato não fez a moeda ser menos valiosa aos olhos de investidores.

A criptomoeda mais badalada possui como um de seus principais atrativos a acessibilidade, já que qualquer pessoa pode investir uma quantidade mínima de dinheiro nela, ou mesmo decidir apostar na mineração do ativo por conta própria.

Se você quiser tentar a sorte nessa segunda opção, contudo, é preciso entender – antes de mais nada – quais os requisitos e os problemas que você provavelmente irá enfrentar no meio do caminho ao optar por minerar bitcoins.

A seguir, você poderá ver que, além de dispositivos caros, a mineração de criptomoedas pode consumir muita energia elétrica.

Assim, antes de colocar a mão na massa, separe um tempo para dar uma olhada no nosso conteúdo e avalie os prós e os contras dessa atividade e se vale mesmo a pena investir na ideia.

Mas, antes de explicar sobre o que você precisa para minerar bitcoins, vamos voltar um pouco.

O que é minerar bitcoin?

A mineração consiste, de forma bastante resumida, em um problema matemático que o computador (ou qualquer máquina montada com essa finalidade) trabalha para encontrar o resultado. A recompensa para os mineradores que conseguirem resolver essa equação é uma fração de bitcoin. Esse princípio é o mesmo para outras criptomoedas também.

Na mineração de criptomoedas, os mineradores usam dispositivos capazes de resolver várias equações por segundo, para que os ganhos sejam maiores.

Na prática, após a validação de um bloco minerado, o minerador é recompensado. Mas, para isso, ele também precisa ser o primeiro de todos a chegar na solução de um problema numérico.

Leia também:

Como minerar bitcoin?

Por se tratar de uma corrida para ver quem resolve o problema matemático primeiro – quem resolve antes é quem pode embolsar a fração de bitcoin -, os dispositivos utilizados para minerar bitcoin precisam atender a um requisito básico: ter muito poder de processamento.

Como essas máquinas ficam trabalhando o dia todo, morar em um local com energia barata também ajuda. No Brasil, por exemplo, tenha em mente que o lucro da operação pode não ser o suficiente nem para cobrir os gastos com energia elétrica, por isso é importante avaliar cada caso com cautela.

Por fim, muitos mineradores também optam por locais com clima mais frio, já que as temperaturas mais baixas evitam que equipamentos de mineração superaqueçam. Com isso, o risco de alguma coisa queimar diminui e também não será preciso gastar com algum tipo de sistema de refrigeração extra.

1. Tenha os equipamentos corretos

Antes de começar a minerar, é preciso investir na aquisição de um equipamento apropriado para essa operação. Há alguns anos, quando o ativo digital começou a ganhar espaço no mercado, bastava um computador comum equipado com algumas placas de vídeo.

Hoje, no entanto, você não conseguirá grandes resultados minerando desse jeito. Dá até para ganhar alguma coisa, mas a fração será tão pequena que, no fim, não valerá a pena.

Atualmente, para “extrair” bitcoins com mais eficiência, o minerador precisa de um hardware especial que pode custar até dezenas de milhares de reais.

Equipamento para mineração de criptomoeda ASIC
Conjunto de equipamentos de mineração ASIC. Imagem: Artie Medvedev/Shutterstock

Um equipamento que tem essa função e é um dos mais conhecidos no mercado chama-se ASIC. Dispositivos dessa categoria consomem menos energia e conseguem minerar mais bitcoins do que um computador normal.

2. Tenha uma carteira de criptomoedas

A próxima etapa, quando o assunto é minerar bitcoins, é configurar a sua carteira de criptomoedas. É por lá que você receberá os criptoativos após entregar o seu trabalho, que é a resolução da equação que falamos anteriormente.

Essas carteiras virtuais também permitem gerenciar o seu “endereço de bitcoin”. Cada endereço possui duas chaves: uma pública e outra privada.

Uma chave pública é composta por uma combinação de letras e números e se parece basicamente com isso: “18ukxpD1eqnVjux13ehEz8r4d8py1dSdzw”.

Você consegue rastrear todas as transações que passaram por um endereço público. Já a chave privada, serve apenas para enviar ativos nas transações.

Vale uma ressalva importante: se perder ou esquecer a sua chave privada, você também perderá o acesso aos seus bitcoins para sempre!

Como veremos à frente, existem vários tipos de carteiras, desde carteiras online até carteiras offline. Cada uma tem as respectivas vantagens e desvantagens.

3. Participe da cooperação entre os mineradores

Mesmo investindo em um dispositivo ASIC, hoje em dia é quase impossível ganhar bitcoins minerando sozinho, já que uma única máquina não consegue bater de frente com as grandes fazendas de mineração que existem espalhadas pelo mundo.

Para contornar esta situação, você pode se unir aos chamados “pools de mineração”.

Por lá, os mineradores oferecem seu poder de processamento extra para outros grupos. Quando uma determinada quantia de bitcoins é extraída, o ganho final é dividido entre os membros de um pool.

4. Conte com um programa de mineração de bitcoin no seu computador

Teoricamente, agora que você já investiu no hardware, configurou a sua carteira de criptomoedas e já ingressou em um pool de mineração, é preciso instalar um software de mineração no seu computador para fazer a ponte. É esse programa que vai te conectar à rede blockchain e, consequentemente, aos valiosos bitcoins.

Adiante, veremos alguns exemplos de softwares que, além de monitorar as atividades, também mostram estatísticas de temperatura e velocidade média da mineração.

A boa notícia é que existem várias opções de programas gratuitos para minerar bitcoins que podem ser executados em diversos sistemas operacionais.

5. Tudo pronto para começar a minerar

Para começar a minerar, basta ligar a sua máquina e acessar o software de mineração.

Após preencher os dados sobre a sua carteira e o pool de mineração, basta selecionar o seu dispositivo ASIC e deixar a operação em andamento.

Como minerar bitcoin: programas de mineração

Se chegou até aqui e já tem pelo menos uma carteira para guardar os seus ativos em segurança, é uma boa ideia avaliar algumas opções de softwares de mineração.

Além de funcionarem como uma ponte entre o seu hardware (seja um dispositivo ASIC ou o seu computador) e a rede blockchain, muitos softwares oferecem estatísticas sobre os rendimentos médios e o processamento utilizado.

Veja a seguir quatro exemplos de programas para minerar bitcoins:

CGMiner

Este é um dos softwares mais antigos de mineração e, por isso, é compatível com a maioria dos hardwares. O programa funciona com uma única linha de comando e traz recursos como: controle de refrigeração, monitoramento de desempenho e capacidades de uso remoto.

BFGMiner

A segunda alternativa possui compatibilidade com hardwares ASIC e traz opções completas de monitoramento. Ele é conhecido pelo foco na eficiência e em permitir ajustes finos em todas as etapas do processo de mineração.

EasyMiner

O Easyminer é um programa opensource que aposta em uma interface intuitiva. Com suporte para diversas modalidades de mineração, o software permite customização caso você queira minerar sozinho ou em um pool.

Awesome Miner

Por fim, o Awesome Miner é uma boa opção para quem tem mais de um dispositivo dedicado à mineração de bitcoin.

O programa, compatível com Windows e Linux, também possui uma interface que pode ser acessada via celular, tablets e outros gadgets.

Carteiras de bitcoin

Para investir em bitcoins, o recomendado é escolher uma entre as diversas carteiras digitais disponíveis no mercado para proteger seus ativos.

As carteiras para criptomoedas podem ser divididas em duas categorias: online e offline. As carteiras online funcionam por meio de conexão à internet. Já as carteiras offline, como o nome indica, não precisam estar sempre conectadas.

A vantagem da carteira online (também chamada de carteira quente) é que as transferências podem ser realizadas rapidamente. Essas carteiras, geralmente, são usadas pelas pessoas que realizam muitas transações.

Talvez a principal desvantagem é que elas são mais vulneráveis a ataques de cibercriminosos. Já a carteira offline (as carteiras frias), apesar de não proporcionarem tanta facilidade na transferência de ativos, são teoricamente mais seguras, já que não ficam conectadas o tempo todo.

Enfim, ao escolher uma carteira, leve em consideração seus objetivos. Se você pretende investir no longo prazo, as carteiras frias podem ser uma opção mais interessante. No entanto, se a ideia é ter os ativos sempre disponíveis para negociação, as carteiras quentes são as mais indicadas.

Como minerar bitcoin pela nuvem?

A nuvem é outra opção que pode facilitar o processo de mineração. Enquanto alguns preferem investir em hardware próprio para minerar bitcoins, na computação em nuvem você não precisa se preocupar em comprar dispositivos caros para minerar.

Nesse caso, mesmo com um computador mais antigo, o usuário consegue minerar bitcoins. Para isso, basta contratar um provedor de mineração na nuvem (a maioria deles permite que você invista o seu dinheiro nos fundos de mineração).

Esse dinheiro resulta em recompensas pelo seu investimento. Portanto, quanto mais investir, mais recompensas serão oferecidas.

Além disso, essas plataformas já têm fazendas de mineração de criptomoedas estabelecidas. Tudo o que eles precisam é de investimento, usado para pagar a manutenção e os custos operacionais da mineração.

Quais equipamentos preciso para minerar?

Como vimos antes, no caso do bitcoin, já não basta ter apenas um computador de última geração e algumas placas de vídeo para ter lucro (ou mesmo para conseguir iniciar um processo de mineração).

O ideal é, de fato, adquirir um dispositivo ASIC, mas que tem como uma das principais desvantagens o seu preço final: no Brasil, algumas versões do equipamento chegam a custar até R$ 75 mil.

Mesmo consumindo menos eletricidade, investir um valor desses logo de cara pode levar meses minerando para recuperar o investimento.

Como minerar bitcoin pelo celular?

Se considerarmos que temos cada vez mais smartphones poderosos no mercado, é quase inevitável não pensar em como os celulares de ponta se saem na mineração de bitcoins, não é mesmo?

O procedimento até funciona, mas além de ser mais complicado, exige aplicativos específicos. No caso dos iPhones, é preciso um passo extra que é estar cadastrado como um desenvolvedor Apple para o processo funcionar.

Vale destacar que existem diversos apps que supostamente servem para minerar, mas a maioria deles pode vir recheado de adwares ou ser tão complicado de usar que não vale a pena continuar.

Por fim, estimativas indicam que deixar um iPhone moderno minerando bitcoins por 24 horas, daria em um mês cerca de 0,000852 bitcoin — atualmente, isso equivale a cerca de R$ 200.

No fim, não vale a pena arriscar a integridade do seu celular com um retorno tão baixo.

Quanto tempo demora para minerar 1 bitcoin?

Mineração de bitcoin é trabalhoso e é difícil fazer sozinho
Minerar uma unidade de bitcoin sozinho é quase impossível. Imagem: kitti Suwanekkasit/Shutterstock

A mineração de um único bitcon feita por um único minerador pode levar anos para ser concluída. E, hoje, essa possibilidade poderia ser inviável ou até quase impossível devido ao índice de concorrência cada vez maior.

Vale lembrar que existem centenas de milhares de mineradores na rede, cada um deles competindo para adivinhar o chamado “hash”, uma combinação hexadecimal composta por 64 dígitos.

Qualquer pessoa pode minerar bitcoin?

A resposta mais curta para essa pergunta é: sim! No entanto, como visto anteriormente, a concorrência pode fazer com que a mineração de bitcoins não seja lucrativa, já que para ganhar em eficiência será necessário investir pesado em dispositivos com alto poder de processamento.

Tenha em mente que a mineração é uma competição. No fim, quem tiver o hardware mais poderoso conseguirá obter os melhores resultados.

E considerando o cenário atual de crise energética no Brasil, essa atividade é ainda mais onerosa por conta do alto custo de energia no fim do mês – para não dizer antiética.

Atenção para o consumo de energia

Falando em grandes gastos de energia, segundo a Cambridge Bitcoin Electricity Consumption Index, toda a rede de mineração de bitcoins do mundo consome mais energia elétrica por ano do que toda a Argentina.

Esse é um dos problemas vitais das criptomoedas: para manter o processo funcionando, inevitavelmente é preciso gastar energia elétrica. Com o aumento da mineração, essa atividade ainda pode se tornar um dos grandes vilões em outro aspecto: no impacto ao meio ambiente.

Outro estudo, dessa vez da revista Nature, concluiu que a mineração de bitcoins na China vai gerar 130,5 milhões de toneladas métricas de carbono na atmosfera até 2024.

Para tentar mitigar o alto consumo energético, algumas pessoas recorrem até ao aluguel de geradores para viabilizar o processo de mineração.

Quanto ganha um minerador de bitcoin?

O minerador também é recompensado com a chamada “taxa de transação” em troca de serviços de validação de transações. Essa taxa, que varia de bloco para bloco, pode chegar até 6,25 bitcoins — o que equivale a quase R$ 1,6 milhão na cotação atual.

No entanto, validar transações não significa ganhar essa bolada automaticamente, para receber a quantia é necessário sorte e velocidade. Ele ainda precisa ser o mais ágil – afinal, como dissemos no começo do texto, ser minerador requer agilidade.

Vale destacar que essa recompensa em bitcoin é reduzida pela metade de quatro em quatro anos. A última alteração, inclusive, foi feita em maio de 2020.

Como curiosidade: em 2009, ano em que a mineração de bitcoin começou, essa recompensa era de 50 bitcoins (mais de R$ 12,5 milhões).

Como minerar bitcoin de graça?

Alguns sites e aplicativos distribuem pequenas frações da criptomoeda gratuitamente. Já vimos que um bitcoin equivale a uma grande quantia, no entanto, o ativo pode ser fracionado em satoshis (um bitcoin vale 100 milhões de satoshis). São eles que são distribuídos por aí de graça.

O Freebtico.in, uma espécie de loteria virtual, oferece bônus em bitcoins por hora. No site, há a possibilidade de multiplicar as moedas adquiridas em um jogo de cassino ou comprando bilhetes. Outro serviço semelhante é o 777Bitco.in, uma plataforma que distribui até 11 milhões de satoshis em um esquema semelhante.

Também existem serviços como o Paidbooks, em que o usuário recebe 150 satoshis a cada 10 minutos por ler livros. O Bitvisitor, por sua vez, oferece bônus em bitcoins a cada cinco minutos, caso o usuário visite uma certa quantidade de sites.

Existem vários games e serviços que oferecem recompensas dessa forma, no entanto, o valor ínfimo não vale a pena quando a ideia é investir no mercado de bitcoins para lucrar.

Leia mais:

Como saber se meu PC está minerando bitcoin?

Também é importante descobrir se alguém está usando os recursos do seu computador para minerar criptomoedas em segredo. O site The Pirate Bay, por exemplo, já foi flagrado usando o processador dos visitantes para minerar criptomoedas.

Saiba que existem algumas maneiras de identificar esses casos. Uma delas é abrir o gerenciador de tarefas no seu computador e verificar o gráfico de uso do processador (CPU). Caso note algo fora do normal, pode ser que tenha algo “sugando” o poder da sua máquina.

Um pico de processamento ao visitar um determinado site também é um sinal de alerta que a página pode estar executando uma tarefa que usa o seu processador em segundo plano.

Além disso, se fechar todas as janelas e o uso da CPU ainda estiver alto, você pode ter um problema de malware relacionado à mineração. Também já foram registrados casos em que anúncios infectados resultaram nesse mesmo comportamento.

Uma solução para resolver o problema é abrir o Gerenciador de Tarefas, identificar o processo que está consumindo esses recursos e encerrá-lo.

Dificuldade de minerar bitcoin: hashrate

Como observamos nos tópicos anteriores, a probabilidade de um minerador ser o primeiro a descobrir a solução de um problema é medida pelo seu poder de mineração em relação à rede blockchain.

Antes de mais nada, é preciso entender dois conceitos: o que é poder computacional e hashrate? O poder de processamento de um computador é referente à quantidade de problemas que ele consegue resolver por segundo. Essa divisão por tempo é chamada de hashrate (taxa de mineração).

Os processadores usados para mineração têm um hashrate na casa dos terabytes por segundo (T/s), o que corresponde a trilhões de hashes por segundo — trilhões de tentativas por segundo para encontrar a solução da blockchain.

Para ser competitivo, é preciso ter um alto hashrate, já que quanto maior o hashrate de uma rede, mais difícil se torna o processo de mineração.

Vale a pena minerar por conta própria?

Como dito anteriormente, embora minerar criptomoedas em casa não seja impossível, você vai enfrentar uma concorrência que torna a atividade praticamente inviável financeiramente falando.

Minerar bitcoin é crime?

Não. A verdade é que o bitcoin criou uma situação nova no mercado: a primeira moeda digital e descentralizada do mundo.

À medida que o ativo está se popularizando, as autoridades fiscais e os reguladores em todo o mundo estão quebrando a cabeça de onde exatamente ela poderia se encaixar nos regulamentos existentes.

Conclusão

Agora que você chegou até aqui e já sabe o que é preciso para minerar bitcoins, é hora de avaliar as vantagens e desvantagens do processo antes de investir o seu dinheiro.

Mesmo que tenha os recursos necessários, não vale a pena seguir em frente se no fim a mineração vai resultar em prejuízo.

Por fim, ainda é preciso levar em conta que atualmente o bitcoin não é lucrativo para os mineradores iniciantes. A mineração da criptomoeda virou um negócio de proporções gigantescas, em que empresas sozinhas podem superar 400 pontos de hashrate (velocidade com a qual dispositivos conseguem processar dados).

Dessa forma, outras alternativas podem ser mais interessantes para quem deseja ingressar no mercado de criptoativos como, por exemplo, investir em empresas especializadas que realizam todo esse processo.

Também vale a pena dar uma olhada em outras criptomoedas, como Ether, ZCash, Monero, as quais permitem usar hardwares mais modestos na mineração e podem representar um investimento mais atraente, dependendo do seu perfil.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos