Mercado fechado

Como investir dinheiro: conheça modalidades e objetivos

Felipe Blumen
·4 minuto de leitura
Como investir dinheiro: conheça modalidades e objetivos
Saber como investir dinheiro depende de duas coisas: do tipo de investidor que você é e do investimento ideal para esse tipo.

Se seu objetivo é fazer um investimento financeiro, aplicando uma quantia para ter um bom retorno no futuro, o primeiro passo é saber como investir dinheiro. E isso dependerá de duas coisas: do tipo de investidor que você é e do investimento ideal para esse tipo.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Finanças no Google News

Descobrindo que tipo de investidor você é

Você precisa estar confortável ao investir. Não adianta comprar ações se isso for tirar seu sono, nem passar o dia sofrendo por achar seu rendimento baixo demais. Descobrir seu perfil de investidor é importante para saber que modalidade de aplicação financeira é a mais adequada.

Considera-se de perfil conservador aqueles investidores que não querem riscos nem perder patrimônio e não gostam de lidar com as flutuações do mercado. É o perfil de quem tem objetivos no curto e no médio prazos, e investe para construir uma reserva de emergência ou alcançar metas menores.

Leia também

Já o investidor moderado é aquele que topa riscos, desde que sejam controlados. Incrementar o patrimônio a longo prazo é o objetivo, combinando formas de investir conservadoras, como aplicações em renda fixa, com outras mais arrojadas, como fundos de investimento.

Por fim, o investidor com perfil agressivo é conhecido por preferir retornos maiores, mesmo que isso signifique riscos de igual tamanho. É o tipo de investidor que não se importa de perder dinheiro, desde que isso seja recompensado no futuro. Logicamente, é quem mais aposta em ações na bolsa e operações em moeda estrangeira, por exemplo.

Os tipos de investimento financeiro

Sabendo mais ou menos de que tipo lhe parece o melhor, o investidor procura as principais modalidades de aplicações para ver qual se encaixa nas suas fontes de renda, dívidas e despesas fixas. A boa notícia é que, independentemente de qual seja a escolha, nem sempre é preciso de muito dinheiro para começar.

  • Tesouro Direto (linkar “Como investir no tesouro direto em quatro passos”): basicamente, você empresta dinheiro para o governo. Os títulos públicos negociados no Tesouro Direto são emitidos pelo Estado para captar recursos e financiar atividades governamentais. Quem compra algum deles tem a promessa de receber o dinheiro de volta em um prazo determinado, acrescidos juros, inflação e outras e correções. É um investimento muito seguro, com chances quase inexistentes de dar errado e que rende mais que a poupança. Desde que você esteja de olho em aplicações de médio e longo prazos.

  • CDB (Certificado de Depósito Bancário): funciona de forma parecida, mas aqui você empresta dinheiro para os bancos. Também é um título de renda fixa, com um prazo determinado e já sabendo quanto vai receber no futuro.

  • LCI (Letras de Crédito imobiliário): são títulos emitidos por um banco baseados em empréstimos imobiliários - a garantia são empréstimos de bancos destinados ao setor imobiliário. A renda aqui também é fixa, já que a rentabilidade do título segue o indexador CDI (Certificado de Depósito Interbancário). Ele garante as operações no mercado interbancário e sua taxa segue sempre a taxa básica de juros da economia, a SELIC.

  • Fundos de investimento (linkar “Como investir em fundos de investimento? Tire suas dúvidas”): são um tipo de união de recursos de diversos investidores. Cada um possui uma cota de um montante que é administrado por uma empresa, geralmente. Ela estabelece uma estratégia para fazer o dinheiro render e aplica os recursos de maneira variada entre opções conservadoras, como renda fixa, ousadas, como ações, ou em ambas. Boa opção para quem quer rentabilidade sem precisar se preocupar ou entender muito sobre diferentes tipos de investimentos. Em contrapartida, fundos de investimento costumam apresentar riscos maiores e custos mais elevados, já que precisam pagar muitas taxas e tributos.

  • Ações (linkar: “Como investir na bolsa de valores e ações em 4 passos”): quando você compra as menores partes de uma empresa de capital aberto, está investindo em ações. Quem investe nelas coloca o seu capital pendente dos riscos dessa empresa e vai ganhar ou perder dinheiro acompanhando o desempenho dela. É um investimento de renda variável, então sua rentabilidade vai variar de acordo com o mercado, podendo dar lucro ou prejuízo. O retorno vem quando se compra uma ação por um preço baixo e se vende por mais, ou ganhando dividendos e distribuição de lucros por parte da empresa. Mas atenção, é preciso estar ciente dos riscos, conhecer o mercado e ter uma quantia razoável de dinheiro disponível.