Mercado fechado
  • BOVESPA

    114.647,99
    +1.462,52 (+1,29%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.798,38
    +658,14 (+1,26%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,66
    +1,35 (+1,66%)
     
  • OURO

    1.768,10
    -29,80 (-1,66%)
     
  • BTC-USD

    60.682,76
    -1.341,41 (-2,16%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.464,06
    +57,32 (+4,07%)
     
  • S&P500

    4.471,37
    +33,11 (+0,75%)
     
  • DOW JONES

    35.294,76
    +382,20 (+1,09%)
     
  • FTSE

    7.234,03
    +26,32 (+0,37%)
     
  • HANG SENG

    25.330,96
    +368,37 (+1,48%)
     
  • NIKKEI

    29.068,63
    +517,70 (+1,81%)
     
  • NASDAQ

    15.144,25
    +107,00 (+0,71%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3297
    -0,0741 (-1,16%)
     

Como identificar a manipulação psicológica por trás do “dark design”

·2 minuto de leitura

Hoje em dia, a grande maioria dos sites recebe os visitantes com um popup. Este impedimento na navegação é chamado de “cookie banner” e existe para garantir o consentimento do usuário, de acordo com as leis de privacidade online, para que sites retenham informações sobre as visitas.

O cookie banner oferece uma escolha: consentir apenas os cookies essenciais que ajudam a manter a funcionalidade de navegação ou aceitar todos — incluindo cookies que rastreiam o histórico de navegação para vender para empresas de publicidade direcionada. Como esses cookies adicionais geram receita extra para os sites, os cookie banners costumam ser projetados para induzir as pessoas a clicar em “aceitar todos”.

O comissário de Informação do Reino Unido recentemente pediu aos países do G7 que resolvam esse problema, destacando como usuários cansados ou desatentos estão concordando em compartilhar mais dados pessoais do que gostariam. Mas, na verdade, os cookie banners são apenas um exemplo do que é chamado de “dark design” — a prática de criar interfaces que são intencionalmente desenvolvidas para confundir ou enganar as pessoas.

Cookie banners continuam sendo a forma mais óbvia de “dark design”. Note como o botão “aceitar tudo” é grande e destacado, atraindo o clique do cursor em uma fração de segundo assim que entra em um site. Em contrapartida, os botões de “confirmar escolhas” ou “gerenciar configurações” — aqueles por meio dos quais pode-se proteger a privacidade – são menos proeminentes e exigem uma atenção maior do usuário. Basta experimentar o Cookie Consent Speed-Run, um jogo online que mostra como é difícil clicar no botão correto quando estamos diante de um dark design.

Sites de e-commerce também costumam utilizar estes dark patterns. Digamos que você encontrou um produto com preço atraente que gostaria de comprar. Você cria uma conta, seleciona as especificações do produto, insere as informações de entrega, clica na página de pagamento e descobre que o custo final, incluindo a entrega, é misteriosamente mais alto do que você tinha visto anteriormente. Esses “custos ocultos” não são acidentais: o site espera que você confirme o pedido mesmo assim, em vez de gastar ainda mais tempo repetindo o mesmo processo em outra plataforma.

O post Como identificar a manipulação psicológica por trás do “dark design” apareceu primeiro em Fast Company Brasil | O Futuro dos Negócios.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos