Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.036,79
    +2.372,44 (+2,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.626,80
    -475,75 (-1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,74
    -1,49 (-1,83%)
     
  • OURO

    1.668,30
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    19.249,98
    -225,94 (-1,16%)
     
  • CMC Crypto 200

    443,49
    +0,06 (+0,01%)
     
  • S&P500

    3.585,62
    -54,85 (-1,51%)
     
  • DOW JONES

    28.725,51
    -500,10 (-1,71%)
     
  • FTSE

    6.893,81
    +12,22 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    17.222,83
    +56,96 (+0,33%)
     
  • NIKKEI

    25.937,21
    -484,84 (-1,83%)
     
  • NASDAQ

    11.058,25
    -170,00 (-1,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3079
    +0,0099 (+0,19%)
     

Como funciona a Xyloband, a pulseira do Coldplay no Rock in Rio

O Coldplay trouxe uma novidade tecnológica interessante para o Rock In Rio 2022: a pulseira iluminada responsável por um dos momentos mais icônicos da edição. Os acessórios foram distribuídos na entrada do festival e serviram como um complemento para quem curtiu o show da banda britânica.

A pulseira possui 7 luzes de LED e foi feita de plástico sustentável de origem vegetal. Elas são compatíveis apenas com a tecnologia usada durante o show, por isso nem adianta levar para casa — inclusive, a equipe dos músicos pede que seja devolvida ao final da apresentação.

Mesmo com o aviso escrito em inglês, muita gente acabou levando a pulseirinha para casa — de propósito ou sem querer. Ela não vai ter utilidade nenhuma no dia a dia, mas servirá como recordação para os fãs.

Aliás, essa não foi a primeira vez que o Coldplay faz essa brincadeira com o público. O recurso está presente nas apresentações há quase uma década, desde a turnê Mylo Xyloto. A banda gosta do belíssimo efeito criado pelo mar de gente com as luzes acessas, um interessante completo ao setlist famoso.

Como funciona a pulseira do Coldplay?

Chamado de Xyloband, o acessório é controlado por infravermelho à distância pela produção da banda. Transmissores à prova d'água foram espalhados na área do Palco Mundo para possibilitar a comunicação com a pulseira.

A tecnologia de comando é praticamente a mesma de um controle de remoto de TV. Durante o show, a produção programa o sinal para acender, piscar e mudar de cor conforme o ritmo da música. Nem é preciso dizer que o público do Rock In Rio ficou encantado com o brinquedinho, né?

A versão usada no Brasil foi inteiramente feita de um material originário da cana-de-açúcar, com ela sendo considerada a primeira pulseira de plástico compostável (ou seja, que se degrada rapidamente no meio ambiente) à base de plantas do mundo. Isso faz com que o material tenha um impacto ambiental, mensurado em pegada de carbono, 400% menor que o plástico PET, usado em garrafas de refrigerante.

Quem criou a pulseira Xyloband?

Jason Regler é o inventor responsável pela pulseira de LED que roubou a cena no RiR 2022. Segundo o próprio, a música "Fix You", um dos maiores sucesso do Coldplay, foi a inspiração para a criação do acessório. Ele é fã da banda e começou a desenvolver o protótipo em 2005, quando os britânicos participaram do Glastonbury Festival.

Desde então, a inovação já foi usada em shows de outras bandas, principalmente no mundo do K-Pop, eventos esportivos, grandes festivais e festas privadas. Porche, Redbull, Coca-cola, Nike, Vodafone, Heineken e MTV são alguns dos clientes mais famosos que usam o acessório brilhante.

Na apresentação realizada em 2017, no Alianz Parque Arena, em São Paulo, a banda já havia usado a band iluminada, embora fosse um modelo diferente. Em show realizado no mês passado em Paris, o Coldplay usou o acessório em um estádio lotado em Paris, na França. O resultado é ainda mais bonito que Rock In Rio, porque o público estava menos disperso:

Dá para acender a pulseira do Coldplay depois do show?

Não. até o momento, não se conhece uma maneira de fazer a pulseirinha funcionar no dia a dia, já que ela é controlada apenas por infravermelho. Além disso, o revestimento em plástico precisaria ser rasgado para os testes, o que nenhum fã provavelmente vai querer.

Os modelos antigos, de shows realizados entre 2015 e 2018, foram abertos por curiosos e algumas pessoas conseguiram um modo de fazê-la acender — embora não fosse possível controlar os LEDs. Resta saber se os brasileiros, os reis da gambiarra, vão conseguir fazer a pulseira do Coldplay funcionar fora do show.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: