Mercado abrirá em 7 h 52 min
  • BOVESPA

    110.925,60
    -1.560,41 (-1,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.457,55
    -227,31 (-0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,32
    +0,10 (+0,12%)
     
  • OURO

    1.812,10
    -3,10 (-0,17%)
     
  • BTC-USD

    16.899,92
    -252,29 (-1,47%)
     
  • CMC Crypto 200

    400,38
    -5,77 (-1,42%)
     
  • S&P500

    4.076,57
    -3,54 (-0,09%)
     
  • DOW JONES

    34.395,01
    -194,76 (-0,56%)
     
  • FTSE

    7.558,49
    -14,56 (-0,19%)
     
  • HANG SENG

    18.631,44
    -105,00 (-0,56%)
     
  • NIKKEI

    27.714,80
    -511,28 (-1,81%)
     
  • NASDAQ

    12.022,75
    -40,00 (-0,33%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4655
    +0,0001 (+0,00%)
     

Como funciona o IPCA, o principal índice de inflação

Você pode não saber exatamente o que é o IPCA, mas aqui vai uma dica: ele está em tudo. Nas suas compras do supermercado, na roupa que você veste, nos cursos que você consome ou até mesmo naquela ida rápida até a farmácia. Entender mais sobre o índice, a sua composição e o impacto no seu cotidiano e nos investimentos faz toda a diferença. Preparamos um pequeno guia para responder as principais perguntas sobre um dos indicadores mais importantes do Brasil.

O que é o IPCA?

IPCA é o Índice de Preços ao Consumidor Amplo. Ele foi criado em 1979 para medir o nível de preços de bens e serviços disponíveis na nossa economia. Em outras palavras: ele é um índice de inflação que acompanha o preço daquilo que as famílias brasileiras compram e consomem.

Qual o valor do IPCA hoje?

Atualmente, o IPCA está em 1,06%. No dia 11 de maio, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou o IPCA de abril de 2022, que fechou o mês com variação de 1,06%. Em março, o índice ficou em 1,62%. No acumulado de 12 meses até abril, o IPCA ficou em 12,13%.

Como ele é calculado?

O índice é medido e calculado pelo IBGE todos os meses. Para chegar ao valor, o IBGE faz uma pesquisa de preços em estabelecimentos comerciais e prestadoras de serviços nas principais áreas urbanas do país. A pesquisa é feita todos os dias, considerando o valor à vista dos itens. O levantamento inclui cerca de 400 mil preços de 30 mil estabelecimentos. O “recheio” é variado: são analisados desde itens básicos, como arroz e feijão, até mensalidade escolar, consulta médica e atividades de lazer.

Atualmente, 377 itens têm seus preços coletados todos os meses, divididos em nove grupos: alimentação e bebidas; habitação; artigos de residência; vestuário; transportes; saúde e cuidados pessoais; despesas pessoais; educação e comunicação. Cada categoria e região do país tem um peso no resultado final. Itens de alimentação, por exemplo, costumam ter um peso maior que vestuário. Essa coleta de preços é repetida mês a mês, com comparativos que mostram se a inflação aumentou ou diminuiu.

Por que o IPCA sobe ou desce?

Geralmente, os preços de uma economia se ajustam pela oferta e demanda. Ou seja, o preço de um produto ou serviço tende a subir quando a procura aumenta e a oferta permanece igual ou diminui. O contrário também pode acontecer. Mas, outros fatores também contribuem para a variação da inflação, como, por exemplo, os resultados das safras de alimentos, preço do dólar e gastos públicos.

Um ponto importante: a redução do IPCA não significa que os preços gerais diminuíram. Nesse caso, eles aumentaram menos do que no mês anterior. A deflação, que é a queda dos preços, só acontece se o IPCA for negativo.

Como o IPCA impacta o seu bolso?

Se a inflação sobe, significa que as coisas estão ficando mais caras. “Geralmente, a variação do IPCA é positiva, o que significa que os bens e serviços estão subindo de preço. Quando os preços sobem durante muitos meses, como tem sido atualmente, o salário das pessoas não aumenta na mesma velocidade. Ou seja, elas acabam perdendo poder de compra”, explica Gabriel Ferreira, especialista em investimentos e sócio-diretor da gestora de recursos Komatu.

E os investimentos?

Geralmente, a inflação alta faz com que o Banco Central aumente a Selic para conter a pressão sobre os preços. Com juros mais altos, alguns títulos de renda fixa tendem a se beneficiar. “Nos últimos dois anos, vimos a Selic subir de 2% para quase 13% ao ano. Ou seja, o Tesouro Selic, que é atrelado à taxa básica de juros, está remunerando seis vezes mais”, ressalta Komatu. A Selic também é usada como indexadora de outros investimentos, como LCIs e LCAs, CDBs e CDIs. No fim das contas, o IPCA também impacta, mesmo que indiretamente, a rentabilidade desses papéis.

Acesse a plataforma Inteligência Financeira e conheça conteúdos de notícias e análises, nos formatos de texto, vídeos e podcasts. Inteligência Financeira é para quem quer investir melhor.