Mercado abrirá em 1 h 38 min
  • BOVESPA

    110.611,58
    -4.590,65 (-3,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.075,41
    +732,87 (+1,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,84
    +0,79 (+1,21%)
     
  • OURO

    1.702,70
    +24,70 (+1,47%)
     
  • BTC-USD

    54.174,39
    +4.096,66 (+8,18%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.093,84
    +69,63 (+6,80%)
     
  • S&P500

    3.821,35
    -20,59 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    31.802,44
    +306,14 (+0,97%)
     
  • FTSE

    6.760,94
    +41,81 (+0,62%)
     
  • HANG SENG

    28.773,23
    +232,40 (+0,81%)
     
  • NIKKEI

    29.027,94
    +284,69 (+0,99%)
     
  • NASDAQ

    12.571,00
    +273,75 (+2,23%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,9968
    +0,0370 (+0,53%)
     

Como funciona o bot do Twitter que publica vagas de emprego na área de TI

Rui Maciel
·6 minuto de leitura

Visto como o futuro (ou o presente) do atendimento e de outros processos dentro das empresas, os robôs (popularmente conhecidos como bots) já conseguem quebrar alguns galhos e vem ganhando corpo junto aos usuários.

Um levantamento recente feito pelo Grupo Sercom / Instituto de pesquisas Qualibest aponta que o chat e o WhatsApp são os canais preferidos pelos consumidores quando eles precisam contatar os serviços de atendimento (SAC) das empresas. O chat é o meio preferido dos consumidores, com 51% das preferências, seguido pelo WhatsApp, com 49%. O e-mail leva a "medalha de bronze", na terceira colocação (47%), com o telefone perdendo cada vez mais força, com 43%, ficando na quarta colocação.

Só que, em meio a essa evolução, há um gap: quando questionados se já tiveram uma necessidade solucionada por um robô, 57% dos entrevistados da pesquisa do Grupo Sercom afirmam que não. Já 39% dizem que sim e 5% dizem que nunca foram atendidos por um robô. Além disso, 65% revelam que o bot não entendeu a solicitação e que foi preciso a transferência para um atendente humano, enquanto 35% dizem que o robô entendeu a demanda.

Ou seja, ainda há um longo caminho para que os bots sejam considerados, de fato, eficientes.

Mas, felizmente, há exceções, que podemos chamar de "robôs do bem". E um deles atende pelo simpático nome de Vi Uma Vaga. Trata-se de um bot do Twitter, que divulga, diariamente, vagas de emprego na área de Tecnologia e outras relacionadas, como Marketing Digital, UX, Produto, Inteligência Artificial, entre outros.

Criado pelo desenvolvedor Vinícius Lourenço, o perfil já conta com mais de 3.800 seguidores no Twitter até a publicação desta matéria. E ele tem planos de expandir o bot com novas funcionalidades.

Em uma entrevista para o Canaltech, Lourenço fala como o bot funciona e que novos recursos ele pode trazer no futuro.

Vinícius Lourenço, criador do bot "Vi Uma Vaga" (Imagem: Arquivo Pessoal / Linkedin)
Vinícius Lourenço, criador do bot "Vi Uma Vaga" (Imagem: Arquivo Pessoal / Linkedin)

Confira como foi o papo:

Canaltech - De forma geral, como funciona o bot do Eu Vi Uma Vaga?

Vinícius Lourenço: O bot funciona com um algoritmo que fica "escutando" a busca da menção"@viumavaga" utilizando os recursos de API que o Twitter fornece. Quando detecta, são executados os comandos programados. Dentre alguns filtros, atualmente é realizado o retuíte da vaga/job marcando quem viu e quem postou.


CT - Quantas vagas o bot vem divulgando diariamente? Você já soube de pessoas contratadas a partir de vagas visualizadas no perfil?

V.L.: Isto depende: há dias que são 7, 10 e até 20 exibições. Eu colocaria aí uma média de 10 vagas diárias, tanto que depois que as pessoas começaram a conhecer o bot, não me lembro de ter passado um dia sequer sem pelo menos uma vaga. Todo dia há anúncios. Sobre pessoas contratadas: sei de várias que fizeram entrevistas, e uma que foi contratada. Fiquei sabendo disso em janeiro, depois que postei perguntando.

As pessoas não falam, mas eu costumo perguntar, tweetando sobre isso. Mas pretendo criar alguma interação que faça com que as pessoas falem, marquem o perfil, ou algo do tipo, para podermos celebrar juntos com esse pessoal. O mérito de quem consegue a vaga é inteiramente da pessoa, mas saber que tive uma pequena participação positiva neste processo e, consequentemente, na vida de alguém, é algo que me deixa muito feliz e realizado.

Neste processo fiz amizade com diversos recrutadores e, para alguns, pedi que, se for possível, perguntassem se os candidatos vieram pelo bot. Creio que daqui em diante terei mais informações sobre isso.


CT - Você planeja algum tipo de monetização a partir do bot? Ou, dependendo do sucesso dele, há planos de criar algum produto que gere receita nesse setor?

V.L.: Ele surgiu de uma ideia de ferramenta que eu já vinha pensando desde 2018, fruto de ver muitas vagas diariamente nas redes sociais e querer juntar isso de maneira fácil. E o bot foi e está sendo um teste que, felizmente, tem se demonstrado bem aceito e bastante utilizado.

A proposta também é para deixar em evidência que dá para usar as APIs de redes sociais para fazer muita coisa útil, inclusive desmistificar o termo "bot" só para coisas ruins, ainda mais no Twitter. O bot, atualmente, é um projeto paralelo que tenho tocado no meu tempo livre, existem sim planos de monetizá-lo. Desta maneira consigo dedicar ainda mais tempo e recursos.

Pretendo ter uma extensão dele fora do Twitter, sempre visando uma maneira fácil para as pessoas compartilharem as vagas que veem por ai.


CT - Como funciona a newsletter do Vi Uma Vaga?

V.L.: É a curadoria das vagas da semana, basicamente coleto tudo que foi postado e envio por e-mail aos sábados (Nota da redação: clique aqui para assinar a newsletter)


CT - Você planeja - ou há formas - de aperfeiçoar o bot nos próximos meses? Há maneiras de inserir novos recursos nele?

V.L.: Sim, há como fazer muita coisa. Basta programar as funcionalidades no script e também ver o que está de acordo com as possibilidades da API do Twitter. Tenho diversas ideias, quero testar aos poucos, como, por exemplo, alguns comandos ao marcar a vaga, tais como palavras-chave da oportunidade, e também um filtro que capture as informações para quando não marcarem com comandos ou não for muito utilizado.


CT - Há planos para expandir o uso do bot para divulgar vagas em outras áreas? Ou você prefere ficar mais restrito a TI e setores relacionados?

V.L.: Por enquanto, a ideia é ficar no raio da área de TI, justamente por ser uma das áreas que as pessoas usam ativamente as redes sociais para publicação de vagas. Mas penso em fazer um teste, sim, com outras áreas, uma vez que o perfil atrai muitos recrutadores. Sendo assim, poderia informá-los e estimulá-los a usar o bot para outros setores.


CT - Você já recebeu algum contato de empresas interessadas em divulgar suas vagas por meio do bot?

V.L.: Ainda não. Mas, por enquanto, também não fui atrás. Vou aguardar um pouco para, quem sabe, ter essa iniciativa. Mas, quem quiser entrar em contato, estou aberto para discutir parcerias.


CT - Na sua visão, qual a vantagem do uso de bots se compararmos, por exemplo, a redes sociais ou sites de empregos? É possível usar seu bot também em outras redes sociais?

V.L.: Dado que boa parte das pessoas gasta um tempo considerável de seu dia-a-dia em redes sociais, é uma boa ter esse tipo de informação por lá, sem ter que sair para ir para outro site, por exemplo. Mas uma coisa não exclui a outra, penso que elas se complementam. Inclusive, tenho a ideia de ter um site por trás di "Vi Uma Vaga", com mais informações e/ou serviços específicos.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: