Mercado fechará em 5 horas 1 minuto
  • BOVESPA

    100.819,53
    +2.147,27 (+2,18%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.765,66
    +24,16 (+0,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    109,07
    +1,45 (+1,35%)
     
  • OURO

    1.826,40
    -3,90 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    20.756,64
    -666,36 (-3,11%)
     
  • CMC Crypto 200

    452,16
    -9,63 (-2,09%)
     
  • S&P500

    3.918,89
    +7,15 (+0,18%)
     
  • DOW JONES

    31.549,86
    +49,18 (+0,16%)
     
  • FTSE

    7.255,26
    +46,45 (+0,64%)
     
  • HANG SENG

    22.229,52
    +510,46 (+2,35%)
     
  • NIKKEI

    26.871,27
    +379,30 (+1,43%)
     
  • NASDAQ

    12.109,75
    -30,75 (-0,25%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5279
    -0,0245 (-0,44%)
     

Como funciona o boleto bancário?

Todo brasileiro já ouviu sobre ou usou o boleto bancário, modalidade de pagamento que, através de um código de barras ou a representação numérica dele, permite o envio de dinheiro a empresas ou comércios. A categoria financeira, exclusiva do Brasil, existe desde 1980, embora só tenha assumido a forma conhecida hoje em 1993.

Mas como funciona o boleto bancário, além da descrição básica do pagamento através do código de barras? Para entender, é necessário primeiro saber o contexto no qual ele surgiu, cerca de 40 anos atrás.

A criação do boleto bancário

<em>O código de barras começou a fazer parte do boleto bancário em 1993. (Imagem: Reprodução/Barcode.tec)</em>
O código de barras começou a fazer parte do boleto bancário em 1993. (Imagem: Reprodução/Barcode.tec)

Na década de 1960, os bancos brasileiros se tornaram responsáveis por receber o pagamento de serviços públicos como água e luz, por consequência do aumento de agências bancárias no país. Cerca de 10 anos depois, as instituições também começaram a receber o pagamento de títulos referentes a órgãos privados, aumentando exponencialmente o número de transações — e, com isso, uma forma de automatizar o processo, para aliviar a carga dos atendentes e melhorar a organização começou a ser estudada.

Foi então no início dos anos 1980 que surgiu o boleto bancário, mas ainda sem o código de barras, que só apareceria em 1993 e permitira que os pagamentos pudessem ser realizados em qualquer banco independentemente da instituição que deveria o receber.

A popularização do boleto, além da facilidade de pagamento, também ocorreu por conta que desde 1980 até hoje o Brasil contar com grande parcela da população desbancarizada, ou seja, sem vínculos com banco - segundo o IBGE, em 2021 eram 16,7 milhões de pessoas nessa situação. Como a modalidade de pagamento não exige contas ou qualquer outro serviço das instituições financeiras para poder ser pago, ele acabou virando o método preferido dessa parcela dos habitantes do país.

Como funciona o boleto bancário

Explicado a história e o contexto da criação do boleto bancário, agora é a hora de entender como a modalidade funciona. Basicamente, ele é um método de pagamento em que o processo é feito ativamente pelo cliente, e não por solicitação do recebedor, que só identifica a requisição do cliente e emite um documento, com prazo (a data de validade) para receber o pagamento.

Esse documento tem em seu corpo o recibo do pagador, que serve como as informações do pagamento para ciência do cliente, e a ficha de compensação, que fica sobre posse do banco.

Isso gera um documento, com formato padronizado pela Febraban, que conta com duas grandes áreas: o recibo do pagador e a ficha de compensação. O recibo vai ser a parte que vai ser entregue para o cliente após o pagamento e a ficha é a que vai ficar com a instituição bancária.

O pagamento, após realizado, é enviado para a conta do recebedor, com crédito em prazo pré-estabelecido pelo banco (com o padrão sendo três dias úteis). Além disso, o próprio sistema conta, para as empresas, com informações sobre os documentos emitidos, pagos e que já tiveram o valor depositado nas contas, para melhor organização das cobranças.

Boleto também tem riscos de segurança

<em>O PIX é utilizado junto do boleto bancário em certas fraudes. (Imagem: André Magalhães/Canaltech)</em>
O PIX é utilizado junto do boleto bancário em certas fraudes. (Imagem: André Magalhães/Canaltech)

Sendo algo tão veterano no meio de pagamentos, o boleto também conta com seus riscos de segurança, propagados por agentes mal-intencionados na intenção de roubar dinheiro de desavisados.

O principal dos golpes é o do boleto falso, em que criminosos coletam informações dos alvos para enviar comunicações, por e-mail ou SMS, se passando por empresas com serviços contratados pelos usuários. Essas mensagens informam de cobranças, e anexado normalmente está um documento com o CPF da vítima e outros indicadores que passam confiabilidade — e, quando pago, faz com que o dinheiro vá para a conta do fraudador.

Ainda dentro do golpe do boleto falso, uma vertente mais recente, que envolve até mesmo o PIX, sistema de pagamento instantâneo do Banco Central, também está surgindo. Esses documentos falsos contam tanto com o código de barras dos boletos quanto QR Code do PIX, e a fraude em geral ocorre do mesmo jeito, e envolvendo engenharia social e citação a dados das vítimas em potencial para gerar confiabilidade.

Para evitar esses golpes, as seguintes dicas são recomendadas:

  • Atenção ao destinatário. O endereço em geral é genérico e não tem relação com as empresas.

  • Atenção aos dados pessoais. Na fatura falsa não há a informação do nome do cliente, apenas o código do assinante, um número que poucos se lembram. Além disso, a identificação do cliente é diferente. Existe um número na mensagem e outro na fatura.

  • Fique de olho no código de barras. Contas de consumo (gás, energia, telefonia) sempre começam com o número 8. Por se tratar de uma fatura falsa, o código de barra começa com o número da instituição financeira na qual a fatura foi gerada ilegalmente.

  • Visite o site oficial das empresas que supostamente emitiram o boleto. Se não encontrar a página online, ainda é possível entrar em contato com a companhia pelos canais oficiais. Nunca use os contatos informados no e-mail ou SMS, pois eles também podem ser falsos.

  • Confirme os dados do destinatário antes de concluir o pagamento via boleto ou Pix. Como em todos os esquemas fraudulentos, os criminosos usam nomes de laranjas para receber o dinheiro dos golpes. Apenas pagamentos legítimos mostrarão os nomes corretos das empresas e sua razão social.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos