Mercado fechado

Como foi a Invasão Secreta nos quadrinhos e como ela é diferente no MCU?

A divulgação do primeiro teaser de Invasão Secreta, nova série do Universo Cinematográfico da Marvel (MCU, na sigla em inglês), plantou a desconfiança no mundo dos heróis. O seriado chega ao Disney+ somente em 2023, mas já mostrou de antemão que não devemos confiar em ninguém e que qualquer um pode ser um skrull disfarçado.

Esse clima conspiratório de dúvida e desconfiança é o mesmo que a editora plantou nos quadrinhos quando a saga Invasão Secreta foi lançada originalmente. Embora não seja um dos momentos mais brilhantes da Marvel, fazendo parte de um período bastante enrolado da cronologia em que uma mega saga se conectava a outra, a revelação de que os heróis foram enganados pelos aliens por anos pegou muita gente de surpresa.

Como a gente já se acostumou a ver, é claro que o MCU vai seguir por um caminho próprio que nem sempre é igual ao que às HQs apresentaram, mas saber como a invasão skrull aconteceu nos gibis pode dar um bom norte do que está por vir na TV e nos cinemas e, principalmente, indicar o que deve vir da nova série do Disney+.

A HQ trabalhou a ideia de que é impossível confiar em qualquer pessoa (Imagem: Reprodução/Marvel Comics)
A HQ trabalhou a ideia de que é impossível confiar em qualquer pessoa (Imagem: Reprodução/Marvel Comics)

Entendendo o contexto

Como dito, Invasão Secreta acontece em um momento em que a Marvel se empolgou com suas grandes sagas. Publicada entre junho de 2008 e janeiro de 2009, ela vem na sequência de sucessos como Dinastia M e Guerra Civil, o que justifica a empolgação da editora com mais um evento que mexesse outra vez com o status quo de seus heróis.

Essas duas sagas anteriores são particularmente especiais tanto para a história quanto para entender o entorno dela. Além da própria justificativa editorial e financeira que impulsiona a Marvel a partir para um crossover assim, os acontecimentos dessas fases vão impactar no que a gente vê em Guerra Civil: esse é um período em que a quantidade de mutantes foi reduzida dentro da Terra-616 e que os heróis estavam divididos por causa do Ato de Registro de Super Humanos.

O clima de paranoia da HQ tem um pano de fundo bem real (Imagem: Reprodução/Marvel Comics)
O clima de paranoia da HQ tem um pano de fundo bem real (Imagem: Reprodução/Marvel Comics)

Outro ponto importante é entender o espírito da época em que essas revistas são publicadas. Invasão Secreta chega às bancas americanas em uma época em que a desconfiança e as incertezas estavam em alta na crescente guerra ao terror.

Enquanto Guerra Civil reflete justamente o debate sobre o cerceamento de certas liberdades em prol desse bem maior da segurança nacional, Invasão Secreta retrata essa desconfiança com o outro que toma conta do país depois do 11 de Setembro. Assim, olhar para a história sob esse viés ajuda bastante a entender o rumo que as coisas tomaram.

Preparando o terreno

Voltando para a fantasia da Marvel, os acontecimentos de Invasão Secreta começam a ser plantados muito tempo antes pelo roteirista Brian Michael Bendis em sua fase dos Novos Vingadores e também em algumas sagas que aconteciam em paralelo. Exemplo disso é o evento Aniquilação, que mexeu bastante com o universo cósmico da editora.

Nessa saga, o planeta Ternax IV é destruído por Galactus e os skrulls perdem seu mundo. A partir disso, há toda uma disputa política entre os aliens verdes de queixo enrugado que passa por questões ideológicas e até religiosas — guarde bem essa informação. Assim, temos uma facção mais extremista que acredita que a Terra é um planeta prometido para seu povo e que eles precisam conquistar.

A Rainha Veranke é fundamental nessa briga toda (Imagem: Reprodução/Marvel Comics)
A Rainha Veranke é fundamental nessa briga toda (Imagem: Reprodução/Marvel Comics)

Essa disputa é centrada na figura do Imperador Dorrek e da Rainha Veranke. É ela a líder desse grupo mais radical que, após conseguir chegar ao poder, dá início ao plano de invasão.

O grande ponto que dividiu a opinião dos leitores na época é sobre como esse ataque foi arquitetado. Segundo foi apresentado, o ataque dos skrulls à Terra é algo já bastante antigo e que teve início logo depois da Guerra Kree-Skrull — publicada originalmente na década de 1970 —, quando os heróis formaram os Illuminati e decidiram fazer um ultimato aos aliens transmorfos de não se aproximar de nosso planeta.

O problema é que essa tentativa de intimidação não dá muito certo. Nesse retcon, é mostrado que o grupo é capturado pelos skrulls e eles passam a ser estudados, revelando desde a natureza de seus poderes até questões como comportamento e estratégias. Foi a partir daí que eles começaram a trabalhar com a ideia de infiltrar aliens em meio aos heróis humanos até que fosse chegada a hora do ataque — e foi isso que fez muita gente torcer o nariz para a saga.

A ideia dos skrulls era simples: sabendo que a Terra era fortemente protegida por superseres, fazer uma investida direta contra o planeta era inútil. Assim, a melhor estratégia era atacar de dentro para fora, implodindo as defesas humanas. E é o que eles fazem por décadas até que, com a destruição de Ternax IV e a ascensão da Rainha Veranke, eles começam a fazer.

E começa a Invasão

A história de fato começa quando Tony Stark descobre que alguns heróis e vilões foram substituídos por skrulls. Em um combate dos Novos Vingadores com o Tentáculo, Elektra é morta e a ninja revela ser um alien verde com o queixo estranho. Isso acende um alerta na cabeça do Homem de Ferro, que identifica ali o que parece ser o início de uma invasão.

Tudo começa quando os heróis descobrem que Elektra era um skrull o tempo todo (Imagem: Reprodução/Marvel Comics)
Tudo começa quando os heróis descobrem que Elektra era um skrull o tempo todo (Imagem: Reprodução/Marvel Comics)

A partir disso, a história parte para um verdadeiro thriller conspiratório em que é realmente impossível saber quem é quem. O herói tenta se aconselhar com Nick Fury, que está desaparecido, e divide sua preocupação com alguns aliados, como Reed Richard, Mulher-Aranha e Hank Pym. E ele descobre da pior maneira que alguns deles já são skrulls infiltrados.

Ao longo da saga, a gente descobre que personagens como a própria Mulher-Aranha e Pym eram aliens disfarçados, assim como Raio Negro, Capitão Marvel e Visão, Wolverine, Luke Cage e Mulher-Invisível.

A coisa é tão caótica que, logo no início da saga, uma nave skrull cai no meio da Terra Selvagem e revela vários heróis que estavam desaparecidos ou variações daqueles que estavam em atividade. Assim, começa a plantar a grande dúvida de quem é quem no meio dessa bagunça toda.

Um ponto que gerou bastante confusão e incomodou alguns leitores mais conservadores foi que alguns desses skrulls infiltrados passaram por uma lavagem cerebral para realmente acreditarem serem super-heróis humanos, sendo ativados para sua programação original apenas a partir do chamado da Rainha Veranke. Basicamente, era a Marvel dizendo que nada daquilo que a gente leu nos últimos anos valia de alguma coisa.

Hank Pym era um dos skrulls infiltrados (Imagem: Reprodução/Marvel Comics)
Hank Pym era um dos skrulls infiltrados (Imagem: Reprodução/Marvel Comics)

De qualquer forma, o que importa é que o plano dos skrulls começa a dar certo, principalmente quando alguns dos agentes infiltrados começam a neutralizar a força dos heróis humanos — como quando Jarvis-Skrull implanta um vírus na armadura do Homem de Ferro ou quando uma falsa Mulher-Invisível praticamente destrói o Edifício Baxter com um portal para a Zona Negativa. A S.H.I.E.LD. também foi tomada pelos ETs.

Em resumo, o que acontece são várias grandes batalhas entre heróis, atentados terroristas comandados por skrulls em todo o mundo e os próprios heróis incapazes de fazer frente a esses ataques. O plano dos vilões era se infiltrar em cada uma das equipes existentes na Terra e, com isso, neutralizá-los antes que pudesse reagir à invasão.

Além disso, é revelado também que foram os skrulls os grandes responsáveis pelas sagas anteriores, como a Guerra Civil e até a Hulk Contra o Mundo — tudo planejado para ir minando o poder dos superseres da Terra.

Resolução improvável

Diante de tantas reviravoltas e de aliados se revelando aliens infiltrados, Invasão Secreta obviamente termina em uma mega batalha com heróis e skrulls caindo na porrada pelo destino da Terra. É o tipo de saída clássica de qualquer evento de quadrinhos, mas que aqui ganhou contornos ainda mais grandiosos por colocar até criminosos para lutar pelo planeta.

Logo de cara, ninguém sabe quem é quem nessa bagunça (Imagem: Reprodução/Marvel Comics)
Logo de cara, ninguém sabe quem é quem nessa bagunça (Imagem: Reprodução/Marvel Comics)

É diante desse quadro que há a grande reviravolta. Enquanto os skrulls tentam usar um equivalente alienígena de um homem-bomba para acabar com o conflito e ganhar a guerra, ninguém menos do que Norman Osborn surge para salvar o dia.

O velho vilão do Homem-Aranha já liderava nessa época os Thunderbolts e tentava limpar seu nome trabalhando para o governo. E numa virada inesperada de imagem, ele é o responsável por matar a Rainha Veranke, colocando um ponto final nos planos skrulls e encerrando a invasão.

Essa conclusão é mais importante pelas consequências do que pelo ato em si. Isso porque Osborn passou a ser encarado a partir de então como alguém de muito prestígio dentro do universo Marvel. De repente, ele deixa de ser o vilão psicótico que atormentava Nova York para se tornar o novo líder de segurança que cuidava da Terra.

Obviamente, tudo termina em uma mega batalha de página dupla (Imagem: Reprodução/Marvel Comics)
Obviamente, tudo termina em uma mega batalha de página dupla (Imagem: Reprodução/Marvel Comics)

Como a S.H.I.E.L.D foi considerada incapaz de identificar e neutralizar uma invasão dessas proporções — e até foi tomada pelos aliens —, uma nova agência global é fundada, a MARTELO, comandada pelo próprio Osborn. De quebra, ele ainda se tornou secretário de Defesa dos EUA e passou a comandar a equipe dos Vingadores Sombrios, adotando a alcunha de Patriota de Ferro.

Esse foi o ponto de partida de outra mega saga da Marvel, Reinado Sombrio, e cujos efeitos ainda são sentidos em algumas histórias atuais.

Invasão Secreta no MCU

A gente já sabe que o MCU planeja trazer a Invasão Secreta para as telas, embora o fato de a história chegar em série e não em um filme já mostra que o escopo e o impacto vão ser bem menores do que os quadrinhos apresentaram.

A Marvel confirmou que esse personagem é o líder rebelde Gravik, seja lá o que isso significa (Imagem: Divulgação/Marvel Studios)
A Marvel confirmou que esse personagem é o líder rebelde Gravik, seja lá o que isso significa (Imagem: Divulgação/Marvel Studios)

O importante aqui é que devemos ver alguns dos eventos das HQs sendo replicados. Isso inclui a tal cisão dentro dos próprios skrulls, algo que já vinha sendo cogitado desde Capitã Marvel, quando os aliens foram apresentados como bonzinhos. Assim, tudo indica que a mesma briga ideológica e religiosa que dá início à saga nos quadrinhos deve se apresentar por aqui com o surgimento de uma facção extremista.

A grande dúvida é como a Invasão Secreta vai impactar no MCU. Como a trama vai ser muito mais centrada em Nick Fury (Samuel L. Jackson) e no que restou da S.H.I.E.L.D., dificilmente vamos ver uma história com heróis sendo substituídos por aliens e esse grande clima de desconfiança em que ninguém sabe quem é quem. No máximo, devemos ver um ou outro personagem-chave se revelando vilão, como Maria Hill (Cobie Smulders) e o Máquina de Combate (Don Cheadle).

Assim, é muito mais provável que a adaptação siga por um caminho mais de espionagem com um tom mais conspiratório do que essa coisa megalomaníaca que vimos nos quadrinhos. E a dúvida é como isso vai impactar o restante do universo ou se vai ser algo mais isolado — o que tira um pouco o impacto do nome invasão.

Invasão Secreta chega ao Disney+ em 2023.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: