Mercado fechará em 4 mins
  • BOVESPA

    109.048,80
    +2.752,62 (+2,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.851,94
    -37,72 (-0,07%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,52
    -0,24 (-0,29%)
     
  • OURO

    1.809,20
    +12,90 (+0,72%)
     
  • BTC-USD

    63.049,32
    +2.967,48 (+4,94%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.509,50
    +1.266,82 (+522,02%)
     
  • S&P500

    4.568,92
    +24,02 (+0,53%)
     
  • DOW JONES

    35.748,85
    +71,83 (+0,20%)
     
  • FTSE

    7.222,82
    +18,27 (+0,25%)
     
  • HANG SENG

    26.132,03
    +5,10 (+0,02%)
     
  • NIKKEI

    28.600,41
    -204,44 (-0,71%)
     
  • NASDAQ

    15.513,50
    +172,50 (+1,12%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4450
    -0,1358 (-2,06%)
     

Como a Evergrande, gigante imobiliária que tem de carro elétrico a time de futebol, virou uma dor de cabeça para a China?

·6 minuto de leitura

NOVA YORK — Em meio ao temor de um calote, as ações da gigante do setor imobiliário chinesa Evergrande chegaram a cair 19% e fecharam em queda de 10% nesta segunda-feira (dia 20) em Hong Kong, derrubando a Bolsa local e levando turbulências aos mercados globais.

Com mais de US$ 300 bilhões em dívidas, a Evergrande é a segunda maior incoroporadora imobiliária da China e o temor é de que um colapso na empresa afete o setor financeiro chinês e também a indústria da construção civil no país.

Isso poderia causar um efeito cascata afetando não só a China, mas todo o mercado financeiro e de crédito mundial. Por essa razão, as Bolsas de vários países, inclusive o Brasil, despencaram nesta segunda-feira.

Mas, como a Evergrande se tornou tão grande e por que entrou em crise? Entenda, abaixo, como a empresa virou uma dor de cabeça para Pequim:

A Evergrande é a incorporadora mais endividada do mundo e, na semana passada, sinalizou a seus credores que talvez não conseguisse honrar seus débitos.

Os próximos dias serão decisivos. A empresa tem um pagamento de US$ 83,5 milhões em juros de dívida a honrar na quinta-feira. Nesta segunda, um débito menor, cujo valor não foi informado, também venceria, mas com prazo de carência até terça-feira. E, segundo fontes da Bloomberg, autoridades chinesas já alertaram aos credores que não devem esperar este pagamento.

O problema é que o timing não poderia ser pior: comemora-se um feriado nacional nestas segunda e terça-feira, o Festival da Lua, e os mercados estarão fechados na China continental, porém abertos em Hong Kong. Na quarta-feira, os mercados reabrem na China, mas fecham em Hong Kong. Investidores tentam assim se posicionar para não serem pegos de surpresa após os feriados.

Ao todo, a empresa tem US$ 669 milhões em juros a pagar até o fim do ano, segundo dados compilados pela Bloomberg. A agência de classificação de risco Fitch já rebaixou todos os vencimentos da empresa para este mês como "junk", ou seja, com risco provável de calote.

Alguns desses papéis estão sendo negociados no mercado secundário por apenas 30% de seu valor de face - num forte sinal de que os investidores não esperam reaver seu dinheiro.

Diante da incerteza sobre como Pequim vai atuar para lidar com a crise, muitos investidores partiram para a estratégia “vender primeiro e perguntar depois”.

O presidente Xi Jinping terá que atuar num equilíbrio difícil entre reduzir o elevado nível de endividamento das incorporadoras chinesas e, ao mesmo tempo, garantir sua estratégia de oferecer moradia a preço acessível para os chineses. E fazer tudo isso sem provocar um grande estrago no mercado financeiro chinês.

- É o que os chineses iriam descrever como tentar escapar de um tigre – resume Justin Tang, chefe de pesquisas sobre a Ásia no United First Partners.

A incorporadora já construiu mais de 1.300 projetos em 280 cidades chinesas. É a segunda maior do setor na China, com receita anual de US$ 73,6 bilhões.

Com sede na cidade de Shenzhen, no sul da China, a empresa foi fundada por Hui Ka Yan, até hoje seu maior acionista e presidente, em 1996, em Guangzhou, e cresceu baseada em empréstimos volumosos.

Hoje é um conglomerado, com atuação vai bem além do setor imobiliário, com negócios tão diversificados como carros elétricos (Evergrande New Energy Auto), internet e mídia (HengTen Networks), parques temáticos (Evergrande Fairyland) e uma empresa de comida e água mineral (Evergrande Spring).

Em 2010, comprou um time de futebol, o Guangzhou Evergrande, que construiu o que se acredita ser a maior escola de futebol do mundo, a um custo de US$ 185 milhões para o conglomerado.

Atualmente, participa da construção do maior estádio de futebol do mundo, que espera que esteja concluída no próximo anos. O estádio de US$ 1,7 bilhão terá o formato de uma flor de lótus gigante e terá capacidade para 100 mil pessoas.

Atualmente, participa da construção do maior estádio de futebol do mundo, que espera que esteja concluída no próximo anos. O estádio de US$ 1,7 bilhão terá o formato de uma flor de lótus gigante e terá capacidade para 100 mil pessoas.

De origem humilde, filho de um lenhador, Hui é membro do Partido Comunista há 35 anos. E investe em setores considerados estratégicos por Pequim, como carros elétricos e medicina tradicional chinesa.

O empresário é também um proeminente filantropo. E seu investimento num time de futebol mostra que ele compartilha com Xi a paixão pelo esporte.

Em 14 de setembro, a Evergrande anunciou que havia contratado consultores financeiros para ajudar a avaliar a situação e buscar todas as soluções viáveis o miais rápido possível. No entanto, ainda não conseguiu encontrar compradores para peças de seus veículos elétricos e negócios de serviços imobiliários, como não fez progressos em busca de investidores.

A empresa também está tentando vender sua torre de escritórios em Hong Kong, que comprou por cerca de US$ 1,6 bilhão em 2015, mas ainda não obteve sucesso neste sentido.

Os problemas de Evergrande espalharam-se pelas ruas na semana passada, quando os protestos irromperam em sua sede em Shenzhen se espalharam por cidades em toda a China.

Já os acionistas estão cautelosos há meses: as ações caíram mais de 80% de seu valor este ano. Nesta segunda-feira, os papeis da Evergvrande chegaram a cair 19% e fecharam em queda de 10% em Hong Kong.

No início deste mês, as agências de classificação de risco Fitch e a Moody's rebaixaram as notas de crédito da Evergrande, citando seus problemas de liquidez.

A resposta do governo chinês até agora tem se limitado em grande parte à atuação do Banco Popular da China, que injetou 90 bilhões líquidos de yuans no sistema bancário na sexta-feira. E outros 100 bilhões de yuans no sábado.

O governo central e a província de Guangdong poderiam forçar uma reestruturação da empresa. Segundo interlocutores locais, Pequim teria instruído as autoridades de Guangdong a criar um plano de renegociação de dívidas para a Evergrande, o que incluiria uma ação coordenada com potenciais compradores de ativos da empresa.

Mas há dúvidas se o governo poderia fazer um socorro direto. Apoiar a Evergrande com recursos públicos poderia incentivar uma estratégia de negócios imprudente que já deixou em apuros contras gigantes como o grupo HNA e o Anbang.

Acabar com o “risco moral” - termo usado para definir as decisões de investidores que apostam pesado contando com um resgate estatal caso tudo dê errado — também poderia deixar o setor financeiro mais resiliente a longo prazo. Mas deixar uma gigante como a Evergrande ir à lona teria efeitos dramáticos no sistema financeiro chinês e afetaria centenas de mutuários da casa própria no país.

Seria um risco político e de descontentamento social que talvez o Partido Comunista não esteja disposto a correr.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos