Mercado abrirá em 2 h 36 min
  • BOVESPA

    110.611,58
    -4.590,65 (-3,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.075,41
    +732,87 (+1,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,75
    +0,70 (+1,08%)
     
  • OURO

    1.700,00
    +22,00 (+1,31%)
     
  • BTC-USD

    54.187,24
    +4.429,17 (+8,90%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.094,49
    +70,28 (+6,86%)
     
  • S&P500

    3.821,35
    -20,59 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    31.802,44
    +306,14 (+0,97%)
     
  • FTSE

    6.760,37
    +41,24 (+0,61%)
     
  • HANG SENG

    28.773,23
    +232,40 (+0,81%)
     
  • NIKKEI

    29.027,94
    +284,69 (+0,99%)
     
  • NASDAQ

    12.543,50
    +246,25 (+2,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,9831
    +0,0233 (+0,33%)
     

Como era o clima antigo de Marte? Talvez parecido com a Islândia, sugere estudo

Daniele Cavalcante
·4 minuto de leitura

O clima antigo de Marte é um dos quebra-cabeças que cientistas planetários tentam desvendar há um bom tempo. A boa notícia é que estamos cada vez mais perto de saber como nosso planeta vizinho era há bilhões de anos. Há sinais muito evidentes de deltas de rios e bacias hidrográficas na superfície marciana, indicando que havia muita água líquida por lá. Mas como era exatamente o clima marciano de antigamente? Talvez como a Islândia.

Se a água era líquida, a tendência é imaginarmos um clima relativamente tropical, ao menos nas regiões equatoriais. Os polos norte e sul certamente eram congelados — aliás, há muito gelo ali até hoje —, mas se estamos falando de rios e encontrando evidências de linhas costeiras oceânicas, significa que a atmosfera do Planeta Vermelho era densa. E se era densa, o calor do Sol era retido, de modo que deveria haver um ciclo da água, talvez semelhante ao nosso.

Mas é preciso calma ao tirar conclusões, pois Marte é um planeta um tanto quanto esquisito. No polo sul, por exemplo, há uma série de depósitos em camadas, uma enorme região onde água gelada quase pura, misturada com poeira e areia, foi depositada gradualmente, há muito tempo. A erosão esculpiu esse monte de gelo e pó em formatos bizarros, com padrões estranhos, repletos de sulcos, canais entrelaçados, e… bem, cenários peculiares.

A cratera Gale (Imagem: Reprodução/NASA)
A cratera Gale (Imagem: Reprodução/NASA)

Os polos são realmente cheios de gelo. Na região norte, dióxido de carbono congelado se acumula no inverno e é sublimado completamente no verão, enquanto a região polar sul possui uma cobertura permanente de gelo seco de oito metros de espessura. No passado, enormes geleiras podem ter sofrido um processo chamado deslizamento basal, que é quando uma geleira acaba deslizando sobre suas bases e derrete, abrindo canais abaixo delas.

Evidências após evidências, os cientistas montam o quebra-cabeças e encontram partes do cenário marciano, como essas descrições acima. Todos esses cenários sugerem que o planeta era quente, mas também há evidências recentes de que Marte era congelado e frio. Então, como era esse clima, afinal? Bem, uma nova pesquisa trouxe resultados de uma análise dos sedimentos observados pelo rover Curiosity, sugerindo que o clima marciano era algo entre o quente e o frio.

De acordo com o estudo, Marte poderia ser um planeta com clima parecido com o da Islândia. Não é quente, mas também não é frio demais. De algum modo, era o suficiente para abrigar formas de vida. Para chegar a essa conclusão, a equipe composta por Michael T. Thorpe e seus colegas analisou argilitos (rochas sedimentares maciças e compactas) na cratera Gale, onde está o Curiosity. Trata-se de uma grande cratera de impacto com 150 km de diâmetro, formada há cerca de 3.5 mil anos.

Gale tem uma enorme montanha chamada Aeolis Mons (apelidada de Mt. Sharp) no centro. Ao redor dos flancos dessa montanha estão camadas de rochas sedimentares, sugerindo que Gale era, na verdade, um lago que durou bastante tempo, sendo alimentado pela água que fluía de altitudes mais elevadas ao seu redor. Os sedimentos dessa área contém grãos minerais altamente afetados pelas mudanças químicas causadas pelas águas que fluíam por lá. Em outras palavras, esse sedimento é um registro histórico valioso.

O volume de água congelada na camada de gelo do polo sul poderia cobrir toda a superfície do planeta a uma profundidade de 11 metros (Imagem: Reprodução/ESA/DLR/FU Berlin/Bill Dunford
O volume de água congelada na camada de gelo do polo sul poderia cobrir toda a superfície do planeta a uma profundidade de 11 metros (Imagem: Reprodução/ESA/DLR/FU Berlin/Bill Dunford

Esse registro histórico surpreendeu os cientistas ao revelar que as rochas sedimentares mais recentes encontradas naquele local têm cerca de 3 bilhões de anos ou mais. Ou seja, são mais antigas do que as rochas sedimentares mais antigas que conhecemos na Terra. Outra curiosidade é que os minerais mostraram pouquíssima evidência de alterações. Isso significa que não havia muita água fluindo naquela área ao longo das eras.

Se essas informações estiverem corretas, fica mais difícil imaginar aquele cenário de um clima tropical em Marte. Mas se havia água, mesmo que parada ou congelada, deve haver um lugar na Terra que se compare ao antigo clima marciano. Os cientistas analisaram amostras de vários lugares do nosso planeta para ver quais tinham características minerais semelhantes às encontradas em Gale e descobriram que o mais parecido era o da Islândia. Eles também descobriram que em tempos ainda mais antigos, Marte foi muito mais frio, talvez parecido com a Antártica.

Mas estamos falando da cratera Gale, que não fica exatamente nas regiões polares. Podemos descobrir mais sobre outras áreas em breve, quando o rover Perseverance pousar no planeta dentro de algumas semanas. Ele estudará a cratera de Jezero, que tem características de fluxo de água bem aparentes, incluindo um grande delta de rio. Quando soubermos como era o clima nessa região, teremos mais uma parte do quebra-cabeças revelado.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: