Mercado fechará em 24 mins
  • BOVESPA

    108.368,56
    -33,71 (-0,03%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.278,88
    -75,98 (-0,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    90,79
    +0,03 (+0,03%)
     
  • OURO

    1.812,00
    +6,80 (+0,38%)
     
  • BTC-USD

    23.066,33
    -851,00 (-3,56%)
     
  • CMC Crypto 200

    535,45
    -21,90 (-3,93%)
     
  • S&P500

    4.124,86
    -15,20 (-0,37%)
     
  • DOW JONES

    32.792,82
    -39,72 (-0,12%)
     
  • FTSE

    7.488,15
    +5,78 (+0,08%)
     
  • HANG SENG

    20.003,44
    -42,33 (-0,21%)
     
  • NIKKEI

    27.999,96
    -249,28 (-0,88%)
     
  • NASDAQ

    13.050,25
    -133,00 (-1,01%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2439
    +0,0345 (+0,66%)
     

Como as atualizações do Instagram podem impactar na saúde mental dos usuários?

·2 min de leitura

Assim como diversos elementos que fazem parte da vida contemporânea cotidiana, as redes sociais estão passando por atualizações a todo momento. O Instagram, por exemplo, acaba de colocar em teste o recurso de ‘assinaturas’ que visa fornecer ferramentas exclusivas para que os criadores de conteúdo possam se diferenciar dos outros perfis e ter renda financeira através da plataforma.

Entre os benefícios do "novo Instagram" estão a possibilidade de criar stories e lives exclusivos, bem como a obtenção de um selo de verificação, que já é almejado por diversos influenciadores e personalidades no mundo digital. De acordo com o neurocientista, PhD, antropólogo e biólogo, Fabiano de Abreu, as atualizações das redes sociais podem esconder um perigo preocupante. “Já somos reféns, dependentes dessas redes sociais e isso é perigoso. Com esta nova atualização, mais pessoas vão investir seu capital na esperança de obter o selo e estratégias para chamar a atenção, aumentando ainda mais o narcisismo que já é patológico em nossa sociedade”, explica.

Abreu afirma que as redes sociais são, inicialmente, uma ferramenta de alívio rápido para a ansiedade, pois, os likes e compartilhamentos, são uma maneira que o cérebro encontra para liberar o neurotransmissor dopamina e provocar uma sensação de bem-estar já. O problema é que a dopamina é viciante e, o bem-estar provocado por ela, eventualmente não é mais suficiente, gerando uma espécie de ciclo vicioso que acaba por trazer mais ansiedade.

Logo, estimular pessoas a passarem mais tempo se dedicando às redes sociais pode agravar este cenário. “Quanto maior a ansiedade e mais duradoura, maior a procura pela rede social na esperança de ter boas sensações já que a ansiedade leva a uma atmosfera negativa. Sendo que as boas sensações também aumentam a ansiedade para que as tenha mais vezes”, pontua.

O neurocientista acredita que o recurso fará sucesso entre os usuários do Instagram por conta do glamour em torno da vida dos influenciadores, principalmente em países como o Brasil, onde há diversas questões econômicas preocupando a população. “A maioria dos casos não haverá uma melhora financeira e sim gastos que elevam mais ainda a ansiedade e o estresse”, alerta.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos