Mercado fechado
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,45 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,09 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,22
    -0,28 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.782,10
    +21,40 (+1,22%)
     
  • BTC-USD

    49.093,05
    +1.692,96 (+3,57%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.367,14
    -74,62 (-5,18%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,71 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -6,89 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    23.766,69
    -22,24 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    28.029,57
    +276,20 (+1,00%)
     
  • NASDAQ

    15.687,50
    -301,00 (-1,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3953
    +0,0151 (+0,24%)
     

Como alguém no polo sul da Lua veria a Terra e o Sol? Este vídeo te mostra!

·2 min de leitura

A NASA segue se preparando para levar astronautas novamente à superfície lunar através do programa Artemis e, se tudo correr conforme o planejado, a primeira mulher e a primeira pessoa negra podem caminhar na Lua em 2024. Enquanto isso não acontece, podemos especular algo interessante que os futuros astronautas poderão observar durante as missões lunares: como será ver a Terra e o Sol estando na superfície da Lua?

Para ajudar a responder esta pergunta, o Scientific Visualization Studio, da NASA, produziu um modelo computacional que nos ajuda a visualizar como seria ver os movimentos da Terra e do Sol se estivéssemos no polo sul lunar — ou, mais especificamente, perto da cratera de Shackleton, o local escolhido para posicionar a câmera virtual do vídeo. A simulação mostra três dias lunares (um pouco mais de três meses, já que cada dia e cada noite lunar duram cerca de duas semanas terrestres) em apenas dois minutos de animação.

Veja abaixo:

O vídeo começa com o Sol se movendo pelo horizonte, nunca além de 0º de longitude, enquanto a Terra vai para cima e para baixo do campo de visão da câmera. Você perceberá que nosso planeta parece estar de cabeça para baixo, mas isso se deve à visão do polo sul da Lua. Foi possível produzir a cratera e outras características da superfície da Lua graças aos dados do orbitador Lunar Reconnaissance Orbiter (LRO), que já estuda a Lua há mais de uma década.

Repare também que, como o Sol passa por um ângulo bem próximo do horizonte lunar, as sombras produzidas ficam alongadas. Com isso, ocorre um eclipse cuja classificação vai depender do referencial que considerarmos. Se pensarmos no ponto de vista de quem está na Terra, o fenômeno em questão será um eclipse lunar total, causado pela Lua passando pela sombra projetada pelo nosso planeta; por outro lado, uma pessoa na superfície lunar veria um eclipse solar acontecendo.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos