Como abrir um negócio na internet

Conheça histórias de quem é sucesso na rede e veja dicas de como empreender em negócios on-line

Quem é que nunca aproveitou algum desconto de um produto em algum site? Quem é que já teve dificuldades em encontrar um serviço oferecido pela internet, a distância de apenas uns poucos cliques? Pois bem, devido a essas e outras aberturas no mercado eletrônico que empreendedores perceberam que poderiam tornar suas ideiais em um negócio na internet. E você? Já imaginou algo super bacana, gostaria de torná-lo realidade e colocá-lo na rede? Conheça histórias de sucesso que podem te servir de inspiração, veja orientações de quem já está trabalhando online e confira também quatro dicas de como abrir uma loja virtual.

No ano de 2006, Pedro Eugenio trabalhava como superintendente de marketing de um grupo de empresas, onde era responsável por 12 negócios. Naquela época, ele tinha como hobby juntar cupons de descontos que encontrava em jornais, revistas e internet. Como todo mundo sempre pedia dicas a ele, então decidiu abrir um blog para colocar ali todas as suas "descobertas". Nascia o Busca Descontos.

O número de acessos foi aumentando bastante e no ano de 2010, quando tudo não passava ainda de um passatempo e sua esposa estava grávida de gêmeos, teve de tomar uma decisão importante na vida: largar o emprego fixo ou investir naquilo que tanto estimava. "A maioria dos meus amigos me chamou de louco, mas eu pensei bastante e decidi largar meu emprego para tocar o Busca Descontos. Eu acreditava muito no projeto e sabia que ele poderia crescer muito se eu me dedicasse mais" diz ele.

E cresceu mesmo. Atualmente, o portal que reúne preços mais baixos de produtos do Walmart, Netshoes, Dafiti, Extra, Ponto Frio, Saraiva, Casas Bahia, Compra Fácil, Magazine Luiza e outros é o 3º maior gerador de vendas da internet brasileira. O negócio é tocado por Pedro Eugenio e ele conta com uma equipe de 30 funcionários. São 12 milhões de usuários cadastrados e 1 milhão de visitas mensais. O portal é o responsável pelo Black Friday Brasil, Boxing Day e Dia do Frete Grátis.

Se o sucesso é grande, uma dica do CEO Pedro Eugenio pode ser interessante para quem pretende empreender na rede. "A internet é um setor em crescimento e expansão, sofre mutação frequentemente e os visionários devem aproveitar o momento do Mobile por exemplo. O e-commerce cresceu 20% em 2012 e tem carência de bons profissionais, assim como os aplicativos mobile. O comércio via celular é a tendência mais próxima no momento, quem souber aproveitar pode ter muito sucesso.Também há carência de negócios focados em Behavior target - comportamento do consumidor", aconselha ele.

E os números do comércio eletrônico não param de crescer no Brasil. Segundo previsão da e-bit, empresa especializada em informações do setor, o e-commerce por aqui continuará crescendo neste ano. A previsão é de um incremento de 25%, o que significa um faturamento de R$ 28 bilhões. De acordo com a diretora de negócios da entidade, Cris Rother, essa tendência de melhoria em relação a 2012 tem a ver com o aumento de vendas de dispositivos móveis e retomada do crescimento econômico. Outro motivo é o consumo cada vez maior da classe C pela internet.

Segundo a e-bit, as novas lojas que ingressaram no país foram de pequenas empresas, sendo elas responsáveis por aproximadamente 20% do faturamento do setor.

E se você gostou do que leu até aqui e quer empreender no universo online, mais especificamente abrir uma loja virtual, o diretor da Universidade Buscapé Company, Daniel Cardoso, recomenda se ater a quatro questões, que são resultados de sua experiência em trabalho com consultoria e treinamento em e-commerce.

Teste ao máximo sua ideia no papel. É muito comum encontrar empresários que têm consciência que devem fazer um plano de negócios, mas a ansiedade de botar a mão na massa acaba atropelando o exercício de afiar o machado antes de sair cortando árvores. A boa notícia é que existem hoje métodos mais fáceis e rápidos de sanalisar se a ideia é realmente uma oportunidade de negócios, como por exemplo, o Business Model Canvas. O BMC é uma ferramenta estratégica criada por Alexander Osterwald, que consiste num mapa visual dividido em nove blocos que preenchidos com post-its (sim você leu corretamente), dão uma ideia clara da consistência do novo negócio;

Não subestime o trabalho que uma uma loja virtual pode dar. Parece óbvio, mas assim como no exemplo anterior, vejo muitos empresários querendo abrir mais de uma loja virtual por vez (sem terem experiência) e ter dedicação parcial do tempo (sem largar o emprego atual). Outra muito comum (quando já se tem loja física) , é dividir o trabalho entre pessoas que já têm responsabilidades na empresa. Não significa que seja impossível levantar uma loja virtual nas maneiras citadas, mas as chances diminuem drasticamente comparado com aqueles que se dedicam integralmente em um projeto de e-commerce ou contratam pessoas só para cuidarem disto;

Capacite-se em cursos especializados, o retorno do investimento é certo. Este espaço ficaria realmente pequeno se fôssemos citar quantos erros podem ser evitados fazendo cursos especializados antes de começar um negócio online. Desde aprender a lidar com pedidos fraudulentos, escolha da plataforma (sistema da loja virtual) adequada e como atingir seu público-alvo;

Não subestime o investimento em marketing: a velha história de que muitos acreditam que para vender basta estar na web, infelizmente ainda é verdade para muitos marinheiros online de primeira viagem. Estes, muitas vezes, investem 80% da sua verba total em uma plataforma cara e depois não têm orçamento para divulgá-la . Mais ou menos como comprar um carrão e ficar sem dinheiro para a gasolina.

Para abrir o seu negócio, busque sempre se informar para sair na frente. "Seguindo estes quatro tópicos, com certeza você já estará em vantagem em relação a muitos possíveis concorrentes que terão que perder tempo e dinheiro extra para descobrir como implementar corretamente um e-commerce " aconselha Cardoso.

Mas ter um empreendimento na internet, não significa apenas vender produtos, é perfeitamente possível oferecer serviços. Uma grande necessidade é que motivou Guilherme Pizzini, fundador do YepDoc, a ingressar na rede mundial de computadores. Durante anos, ele trabalhou na área comercial da indústria farmacêutica e tinha contato direto com médicos e outros profissionais da saúde. Por essa proximidade, notou que esses profissionais tinham um problema em comum: a dificuldade em administrar a agenda do consultório. "Quando me aprofundei no assunto, descobri que nos Estados Unidos, por mês, mais de 1 milhão de consultas são agendadas pela internet. Como este tipo de serviço não existia no Brasil, resolvi montar o negócio" conta ele.

Iniciou o projeto com um sócio e em abril de 2012 o site já estava no ar. O empreendimento virtual recebeu investimento da Rocket Internet, um fundo de investimentos alemão. "Desde o início tivemos um crescimento contínuo na quantidade de acessos, resultado do aumento da disponibilidades de horários e de profissionais que utilizam nossa ferramenta" afirma ele.

Na opinião de Pizzini, os negócios na internet carecem de quem ofereça serviços. "Acho que há muito espaço na área de serviços. As pessoas já se acostumaram a comprar produtos pela internet, mas, quanto a serviços, o mercado ainda tem muito mais espaço para crescer", opina ele.

Que tal agora usar esses cases e dicas para tirar sua ideia do papel?

Carregando...