Mercado fechado
  • BOVESPA

    107.249,04
    -1.819,51 (-1,67%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.078,70
    +352,74 (+0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,79
    -0,22 (-0,31%)
     
  • OURO

    1.801,30
    +3,30 (+0,18%)
     
  • BTC-USD

    17.220,89
    +384,43 (+2,28%)
     
  • CMC Crypto 200

    405,01
    +10,32 (+2,62%)
     
  • S&P500

    3.963,51
    +29,59 (+0,75%)
     
  • DOW JONES

    33.781,48
    +183,56 (+0,55%)
     
  • FTSE

    7.472,17
    -17,02 (-0,23%)
     
  • HANG SENG

    19.450,23
    +635,41 (+3,38%)
     
  • NIKKEI

    27.574,43
    -111,97 (-0,40%)
     
  • NASDAQ

    11.637,25
    +127,75 (+1,11%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4989
    +0,0325 (+0,59%)
     

Como a pandemia impactou o mercado de locação de bicicletas?

Tembici, do Rio de Janeiro, agora investe em bicicletas elétricas (Foto: Divulgação)
Tembici, do Rio de Janeiro, agora investe em bicicletas elétricas (Foto: Divulgação)

Por Artur Nicoceli

Com o isolamento social, empresas que alugam bicicletas e patinetes tiveram mudanças notáveis no faturamento. Os negócios vão desde falência empresarial até aporte de R$ 47 milhões, durante a quarentena.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Finanças no Google News

Em 2019, as startups Yellow e Grin, líderes em micromobilidade na América Latina, se fundiram sob o nome de Grow. Em junho, devido à pandemia, anunciaram a demissão de metade da equipe brasileira. No dia 29 de julho, entrou com pedido de recuperação judicial, às dívidas somam cerca de R$40 milhões.

Leia também

De acordo com Erick Lima, o cofundador da Emove,Mobi — que vende bicicletas e patinetes para algumas dessas empresas —, o isolamento social fez com que o negócio tivesse a perda de 25% no faturamento, 50% em locações e quase 100% no número de vendas.

"Esse ano, queríamos começar a primeira rodada de investimentos, porém, com o Coronavírus, estamos pensando em retomar no segundo semestre ou ano que vem”, conta.

Bicicletas elétricas ganham espaço

Em junho, a Tembici, que oferece bicicletas compartilhadas, recebeu o aporte de US$ 47 milhões, que será destinado à tecnologia e bikes elétricas. Além de se unirem com a Catho, empresa de vagas de emprego, e criaram o Bike para Entrevista, projeto que tem o objetivo de garantir o transporte gratuito para profissionais que estão procurando se inserir no mercado de trabalho, durante a pandemia.

Já Victor Hugo, CEO da Vela Bikes, startup que vende e aluga bicicletas elétricas, informa que houve um aumento de, aproximadamente, três vezes no número de vendas nos últimos 30 dias, em resultado à flexibilização.

Victor Hugo, CEO da Vela (Foto: Divulgação)
Victor Hugo, CEO da Vela (Foto: Divulgação)

A empresa lançou, há duas semanas, a Vela 2, mais nova geração de bikes motorizadas que custa R$ 6.890. “O momento que estamos passando faz com que nosso item seja extremamente necessário, acredito que o custo seja um investimento do usuário para essa nova fase de mobilidade urbana”, afirma.

Assine agora a newsletter Yahoo em 3 Minutos

Siga o Yahoo Finanças no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube