Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.953,90
    +411,90 (+0,42%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.743,15
    +218,75 (+0,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    108,46
    +0,03 (+0,03%)
     
  • OURO

    1.812,90
    +11,40 (+0,63%)
     
  • BTC-USD

    19.428,69
    +136,88 (+0,71%)
     
  • CMC Crypto 200

    420,84
    +0,70 (+0,17%)
     
  • S&P500

    3.825,33
    +39,95 (+1,06%)
     
  • DOW JONES

    31.097,26
    +321,86 (+1,05%)
     
  • FTSE

    7.168,65
    -0,63 (-0,01%)
     
  • HANG SENG

    21.859,79
    -137,11 (-0,62%)
     
  • NIKKEI

    25.935,62
    -457,38 (-1,73%)
     
  • NASDAQ

    11.610,50
    -0,75 (-0,01%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5574
    +0,0518 (+0,94%)
     

Como a inflação está afetando o dia a dia do brasileiro?

Inflação afeta o dia a dia do trabalhador
Inflação afeta o dia a dia do trabalhador
  • Leite teve um aumento de 10% só no último mês;

  • Restaurantes absorveram a inflação para não perder clientes;

  • Transporte público também sofre com o aumento dos preços.

Matérias sobre a inflação aparecem frequentemente nos jornais, destacando aumentos de mês a mês nos preços. Mas é no dia a dia dos brasileiros que os efeitos podem ser mais sentidos. Um levantamento da CNN, com base nos dados do IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) revelou o reajuste de preço entre os itens mais consumidos no dia a dia dos trabalhadores do Brasil.

Para começar com uma boa notícia, o aumento no preço do café vem desacelerando nos últimos meses, sofrendo uma alta de 2,5% em abril. Por outro lado, nos últimos 12 meses o reajuste já é de 67,53%. O leite, outra bebida tradicionalmente tomada no café da manhã, subiu mais de 10% só no mês passado.

Para completar o café da manhã, tanto o pão francês quanto a manteiga aumentaram de preço, em 4,52% e 2,37%, respectivamente.

Na hora de ir para o trabalho, outro espanto, o transporte público também sofreu um aumento expressivo. Os ônibus, por exemplo, tiveram uma alta de 4,46% nos últimos 12 meses, enquanto o metrô teve uma alta de 3,64% só no último mês.

No almoço, tanto aqueles que almoçam fora quanto para aqueles que cozinham em casa notam o aumento dos preços, mas uma de diferentes magnitudes. Enquanto em abril o preço dos alimentos subiu, em média, 2,59%, o preço nos restaurantes tiveram um reajuste de 0,62%. Segundo a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), isso é um indicativo de que os comerciantes estão tentando conter a escalada de preços na esperança de atrair clientes.

Na volta para casa, se o transporte público não for uma opção, o transporte privado por aplicativo pode parecer uma boa opção. No entanto, a modalidade viu um aumento de 4% no custo só em abril, e já acumula uma alta de 67,18% nos últimos 12 meses.

Confira o reajuste dos itens analisados abaixo:

  • Tomate - 10,18%

  • Leite - 10%

  • Pão francês - 4,52%

  • Corrida por aplicativo - 4%

  • Café 2,5%

  • Frango - 2,39%

  • Manteiga - 2,37%

  • Arroz - 2,22%

  • Ovo - 2,19%

  • Carne bovina - 1,02%

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos