Mercado fechado
  • BOVESPA

    109.828,35
    +2.449,43 (+2,28%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.862,16
    +594,96 (+1,41%)
     
  • PETROLEO CRU

    44,81
    +1,75 (+4,06%)
     
  • OURO

    1.803,00
    -34,80 (-1,89%)
     
  • BTC-USD

    19.195,94
    +743,98 (+4,03%)
     
  • CMC Crypto 200

    380,98
    +11,23 (+3,04%)
     
  • S&P500

    3.633,91
    +56,32 (+1,57%)
     
  • DOW JONES

    30.022,39
    +431,12 (+1,46%)
     
  • FTSE

    6.432,17
    +98,33 (+1,55%)
     
  • HANG SENG

    26.588,20
    +102,00 (+0,39%)
     
  • NIKKEI

    26.165,59
    +638,22 (+2,50%)
     
  • NASDAQ

    12.086,00
    +180,75 (+1,52%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3955
    -0,0448 (-0,70%)
     

Como a comunicação não-violenta pode resolver conflitos dentro de casa

Fernando Rocha
·1 minuto de leitura

A comunicação não-violenta pode ser utilizada em todas as relações, especialmente para resolver conflitos dentro de casa, explica Elisama Santos. A escritora e psicanalista é a convidada do ‘É Normal?’ desta semana e diz porque a comunicação é tão importante.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

A profissional exemplifica que nenhuma relação é baseada somente em um sentimento. “Eu tenho direito de ter muitos sentimentos na minha relação enquanto mão, e não só amor. Não é só amor dentro do meu casamento, assim como o outro tem direito de sentir mais do que o amor, do que o sorriso, do que a gratidão”.

Veja também

Para Elisama, o primeiro passo para manter uma relação sem aspectos de violências na comunicação é entender que não existem sentimentos bons e sentimentos ruins. “Sentimento é sentimento e nós sentimos. Ninguém escolhe o momento que vai sentir raiva, frustração”, comenta. Por isso, é preciso ensinar as crianças a identificarem o que estão sentindo. “Não ensinamos as crianças a nomear o que estão sentindo”, diz, reforçando a importância de orientar as crianças também sobre sentimentos.

Assista o vídeo acima e confira a opinião da especialista sobre como sentimentos não conversados podem gerar conflitos na vida adulta.

Assine agora a newsletter Yahoo em 3 Minutos

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube