Mercado fechará em 5 h 25 min
  • BOVESPA

    97.878,79
    -1.742,79 (-1,75%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.291,87
    -769,74 (-1,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    106,47
    -3,31 (-3,02%)
     
  • OURO

    1.814,50
    -3,00 (-0,17%)
     
  • BTC-USD

    18.948,19
    -1.165,41 (-5,79%)
     
  • CMC Crypto 200

    407,20
    -24,27 (-5,62%)
     
  • S&P500

    3.761,87
    -56,96 (-1,49%)
     
  • DOW JONES

    30.608,06
    -421,25 (-1,36%)
     
  • FTSE

    7.117,10
    -195,22 (-2,67%)
     
  • HANG SENG

    21.859,79
    -137,10 (-0,62%)
     
  • NIKKEI

    26.393,04
    -411,56 (-1,54%)
     
  • NASDAQ

    11.394,25
    -296,75 (-2,54%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4654
    +0,0548 (+1,01%)
     

Como é fabricado um pneu? Você não imagina o trabalhão

O pneu é considerado um dos itens de segurança mais importantes na montagem de um carro. Afinal, ele é o único ponto de toda a estrutura que toca diretamente o solo. Em tempos de novas e cada vez mais impressionantes tecnologias, já vimos que alguns pneus usam até 5G para prevenir acidentes. Mas você sabe como é fabricado um pneu?

O processo de fabricação de um pneu é extremamente complexo e, para entender melhor sobre o assunto, o Canaltech foi convidado pela Pirelli para visitar as instalações da empresa. Fomos primeiro aos laboratórios em Santo André, na região do Grande ABC, e depois até Campinas, onde a Pirelli tem uma verdadeira “cidade”. Tudo para dar conta da demanda de pneus que abastecem desde carros, motos e até carros de corrida, das mais diversas categorias.

A visita da reportagem às instalações contou com a companhia de Roberto Falkenstein, Diretor de Pesquisa e Desenvolvimento da empresa, e com os insights de muitos outros importantes executivos e engenheiros envolvidos no processo, desde o “nascimento” dos pneus da marca até o momento da inspeção final, em que o produto ganha o carimbo de qualidade e, enfim, é liberado para ser comercializado.

Entrada da fábrica da Pirelli, em Campinas, não demonstra a "cidade" que há por trás (Imagem: Ivo Meneghel Jr./Canaltech)
Entrada da fábrica da Pirelli, em Campinas, não demonstra a "cidade" que há por trás (Imagem: Ivo Meneghel Jr./Canaltech)

Antes de tudo, um pouquinho de história

Antes de efetivamente detalhar como é fabricado um pneu e o trabalhão que envolve todo o processo, vale contar um pouquinho da história da Pirelli.

Quem construiu a fábrica em Campinas, na verdade, foi outra montadora, a Dunlop. Apenas em 1970 as instalações passaram para as mãos da atual dona. Curiosamente, o endereço permanece fazendo referência à antiga proprietária: Avenida John Boyd Dunlop.

Desde então, a Pirelli se firmou e se expandiu imensamente e, hoje, ocupa uma área impressionante dentro de uma das maiores cidades do interior paulista. Para se ter uma ideia, aqui vão alguns números envolvendo o complexo da Pirelli em Campinas, além de informações a respeito da tecnologia existente e sobre o time que cuida do processo da produção de pneus por lá.

O complexo da Pirelli em Campinas

  • Área total de 110 mil metros quadrados construídos;

  • 7 oficinas dentro da planta e 580 máquinas;

  • 2.800 funcionários, 288 deles exclusivamente focados em manutenção;

  • 1.200 colaboradores terceirizados;

  • Produz cerca de 11 milhões por ano;

  • Funciona em 3 turnos, 7 dias por semana, exceto em alguns feriados específicos.

Como é fabricado um pneu?

Antes de chegar às instalações da fábrica da Pirelli em Campinas, tudo tem início nos laboratórios da marca, em Santo André. Lá, segundo Roberto Falkenstein, a borracha chega “crua”, em seu estado natural, e passa por uma série de análises para que possam ser detectados eventuais problemas de qualidade.

Borracha chega à fábrica da Pirelli em seu estado natural (Imagem: Ivo Meneghel Jr./Canaltech)
Borracha chega à fábrica da Pirelli em seu estado natural (Imagem: Ivo Meneghel Jr./Canaltech)

“O pneu é uma montagem de vários elementos e passa por várias fases, desde a confecção até a vulcanização e o controle final. Primeiro se extrai a água da borracha coagulada nas usinas de beneficiamento, e vem para a Pirelli já como borracha seca. Depois serão adicionados ingredientes. Hoje, em um pneu, aproximadamente 14% são borracha natural e o restante é borracha sintética e outros ingredientes”.

Os compostos passam por uma série de máquinas para testar resistência, qualidade, taxa de elasticidade e compressão. Um dos pontos mais surpreendentes no processo é que os pneus chegam a ser entalhados à mão por um profissional. Ele, literalmente, “constrói” todas as marcas dos pneus, que chegam lisos à sua estação de trabalho, e leva cerca de dois dias para liberar o modelo para outros testes.

Organograma na recepção compara fabricação de um pneu com a de um bolo (Imagem: Ivo Meneguel Jr./Canaltech)
Organograma na recepção compara fabricação de um pneu com a de um bolo (Imagem: Ivo Meneguel Jr./Canaltech)

Por dentro da fábrica

Separadas, testadas e aprovadas as muitas substâncias que compõem um pneu, finalmente é chegada a hora de dar início ao processo em que ele começa, efetivamente, a ser fabricado. A seguir, o Canaltech mostra, passo a passo, como é feito esse processo.

1 Separação e pesagem

A primeira etapa, de um modo simples, envolve a pesagem e a separação das matérias-primas que serão despejadas em uma enorme máquina misturadora que, no caso da fábrica da Pirelli, ocupa “apenas” três andares da instalação.

Depois de pesadas e separadas, substâncias entram na máquina para mistura (Imagem: Ivo Meneguel Jr./Canaltech)
Depois de pesadas e separadas, substâncias entram na máquina para mistura (Imagem: Ivo Meneguel Jr./Canaltech)

“Estas matérias-primas algumas vêm na esteira para serem pesadas. Outras são colocadas direto na máquina e outras pré-misturadas. Há algo em torno de 35, 40 matérias-primas diferentes entre borracha, cera, antioxidantes e muito mais”, explicou Falkenstein, momentos antes de os materiais despencarem pelo enorme túnel. “A massa não é feita em uma misturada só. Muitas vezes em duas ou três, pois os ingredientes são adicionados aos poucos”, completou.

2. Resfriamento

De acordo com o especialista da Pirelli, após a fase inicial, elas são reprocessadas e, só então, entram em um longo túnel de resfriamento. Ao sair de lá, o composto passa a ser analisado pelos técnicos e pelos diversos tipos de máquinas.

Todos os processos de como um pneu é fabricado são acompanhados de perto (Imagem: Ivo Meneguel Jr./Canaltech)
Todos os processos de como um pneu é fabricado são acompanhados de perto (Imagem: Ivo Meneguel Jr./Canaltech)

“São testados 100% dos compostos que foram feitos. Um teste que já vulcaniza isso daí. Provoca uma força para ver se está reagindo conforme o esperado. Se houver problema, detecta onde ocorreu e recomeça o processamento para corrigir o erro”.

3. Banda de rodagem

Nesta fase, as “massas”, como são chamadas as maçarocas que saem uniformemente das máquinas, passam por esteiras chamadas de “formadoras”. Após isso, voltam a passar por um resfriamento, fechando o primeiro ciclo. “Esse é um dos elementos que vai formar a banda de rodagem. Ao todo, são cerca de 15 elementos em um pneu. Esse é um deles”.

Borracha já começa a ganhar "cara" de pneu nesta etapa (Imagem: Ivo Meneguel Jr./Canaltech)
Borracha já começa a ganhar "cara" de pneu nesta etapa (Imagem: Ivo Meneguel Jr./Canaltech)

4. Vulcanização

O processo de vulcanização já é um dos pontos finais antes do pneu estar efetivamente pronto para chegar ao mercado. É nesta etapa que ele ganha a forma que conhecemos, com os sulcos específicos para cada tipo de pneu.

“Um pneu de neve não serve para o barro, e um pneu de barro não serve para a neve”, simplificou Thiago Chiamenti, gerente de Tecnologia e Qualidade da fábrica da Pirelli em Campinas.

"Bolo" no forno para o processo de vulcanização (Imagem: Ivo Meneguel Jr./Canaltech)
"Bolo" no forno para o processo de vulcanização (Imagem: Ivo Meneguel Jr./Canaltech)

O processo de vulcanização, se transferirmos as propriedades para o trabalho de um cozinheiro (como, aliás, mostra a própria Pirelli em um quadro ilustrativo na entrada da fábrica), é similar à entrada de um bolo no forno. É aí que as moléculas sofrem as ações químicas para sair do estado plástico e maleável para o elástico e firme.

5. Uniformidade

Depois de passar pela vulcanização, o “bolo”, ou melhor, o pneu, está praticamente pronto. Faltam, no entanto, algumas etapas: A inspeção visual e a de uniformidade. “A máquina está simulando o asfalto da rodovia para o pneu medir com força. E essas forças são medidas pela máquina”, simplificou Thiago Chiamenti.

6. Inspeção

Os pneus que saem com o “sinal verde” da máquina de uniformidade “aceleram” (desculpem os trocadilhos) para a inspeção visual. Lá, os funcionários, com a ajuda de lasers, detectam possíveis imperfeições nos compostos. O trabalho destes funcionários é tão importante e necessita de tanta atenção que, após um certo período, eles trocam de função até completar a jornada diária.

Parte de inspeção é uma das mais importantes (Imagem: Ivo Meneguel Jr./Canaltech)
Parte de inspeção é uma das mais importantes (Imagem: Ivo Meneguel Jr./Canaltech)

Testes na pista

A reportagem do Canaltech não acompanhou os testes dos pneus na pista própria da fabricante, mas recebeu informações sobre como eles são para averiguar a resistência dos compostos no circuito Pan Americano, localizado em Elias Fausto, interior de São Paulo.

Considerado o campo de provas Pirelli mais avançado do mundo, o complexo inaugurado em agosto de 2020 ocupa uma área de 1.650.000 m² e é formado por sete pistas, que somam 22 km de extensão e permitem a realização de até 15 testes diferentes simultaneamente. As pistas são: Dry Handling, Wet Handling, Steering Pad, Comfort, Testes Especiais, Ruído Externo e um Circuito Off-Road dos mais completos do país.

Pneus Pirelli também são testados na pista à exaustão (Imagem: Divulgação/Fernanda Freixosam, Pirelli)
Pneus Pirelli também são testados na pista à exaustão (Imagem: Divulgação/Fernanda Freixosam, Pirelli)

“O Circuito Pan Americano é maior e mais versátil em relação à antiga pista de provas, graças à estrutura multipista que permite a realização de um número maior e mais sofisticado de testes, otimizando também o tempo de desenvolvimento. A estrutura lança mão da tecnologia de ponta disponível no setor para reforçar o desenvolvimento dos produtos da Pirelli e dos parceiros, em prol do consumidor”, explicou Roberto Falkenstein.

O Circuito Pan Americano conta ainda com auditório, salas de briefing e de reunião, boxes e tudo o que é preciso para dar às marcas interessadas a possibilidade de lançar produtos em um circuito profissional, incluindo eventos do tipo Track Days e de pilotagem.

Gostou de saber como nasce e como é fabricado um pneu? Então vamos dar a última, mas também importante informação. Todo o processo, desde a chegada da borracha crua, lá no início, ainda em Santo André, até os testes finais, de uniformidade e inspeção, leva cerca de 7 dias. E aí: viu como fabricar um pneu dá um trabalhão?

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos