Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.782,15
    -194,55 (-0,18%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.081,33
    -587,31 (-1,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    77,14
    -0,10 (-0,13%)
     
  • OURO

    1.743,40
    +3,10 (+0,18%)
     
  • BTC-USD

    16.255,78
    +110,97 (+0,69%)
     
  • CMC Crypto 200

    381,70
    +1,41 (+0,37%)
     
  • S&P500

    3.963,94
    -62,18 (-1,54%)
     
  • DOW JONES

    33.849,46
    -497,57 (-1,45%)
     
  • FTSE

    7.474,02
    -12,65 (-0,17%)
     
  • HANG SENG

    17.591,81
    +293,87 (+1,70%)
     
  • NIKKEI

    28.041,30
    -121,53 (-0,43%)
     
  • NASDAQ

    11.621,00
    +4,75 (+0,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5557
    +0,0065 (+0,12%)
     

Entenda, afinal, por que os alimentos estão mais caros

Man's cupped hands holding field corn in Millerstown, Pennsylvania, USA
Além da alta no preço do milho, o açúcar ficou 58% mais caro, a soja inflacionou em 37% e o leite passou a custar 21% mais (Getty Image)
  • Alta no preço dos insumos é repassada ao consumidor de produtos industrializados

  • Milho, açúcar e leite são alguns dos produtos que inflacionaram no ultimo ano

  • Menor produção e exportação para outros países são alguns dos fatores que influenciam nos preços

O que o salgadinho, óleo vegetal e até mesmo a cerveja brasileira têm em comum? Todos eles podem ser fabricados a partir do milho. Desde 1950 o alimento é classificado como uma commodity, ou seja, produto de baixo valor agregado que é utilizado como matéria prima para produzir outras mercadorias pela indústria.

Leia também:

Milho, açúcar, cacau: tudo subiu de preço

Apenas no último ano, o preço do milho subiu 74%, conforme dados apurados pela Associação Brasileira da Indústria de Alimentos (Abia). Considerando a importância do alimento para a produção de outros itens, o aumento pode refletir em preços elevados para o consumidor final.

Outros insumos também sofreram reajuste. O açúcar ficou 58% mais caro, a soja inflacionou em 37% e o leite passou a custar 21% mais. Entre agosto de 2020 e agosto de 2021, o produto que sofreu menores variações foi o cacau, que registrou uma alta de 18%.

Além da redução de 25% da produção e da safra, devido ao clima menos favorável, o aumento da demanda de exportação também foi apontado como responsável pela elevação do custo dos produtos. Com a alta do dólar, somada a ausência de políticas para que o agronegócio privilegie o mercado nacional, os produtores preferem lucrar com a exportação do que garantir a alimentação da população local.