Mercado abrirá em 3 h 8 min
  • BOVESPA

    112.764,26
    +3.046,26 (+2,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.853,37
    +392,77 (+0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    88,79
    -3,30 (-3,58%)
     
  • OURO

    1.796,10
    -19,40 (-1,07%)
     
  • BTC-USD

    24.115,61
    -633,21 (-2,56%)
     
  • CMC Crypto 200

    571,98
    +0,70 (+0,12%)
     
  • S&P500

    4.280,15
    +72,88 (+1,73%)
     
  • DOW JONES

    33.761,05
    +424,35 (+1,27%)
     
  • FTSE

    7.501,61
    +0,72 (+0,01%)
     
  • HANG SENG

    20.040,86
    -134,76 (-0,67%)
     
  • NIKKEI

    28.871,78
    +324,80 (+1,14%)
     
  • NASDAQ

    13.504,50
    -73,25 (-0,54%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1906
    -0,0129 (-0,25%)
     

Commodities em alta amparam moedas latino-americanas

Quadro exibe o real brasileiro-dólar americano e outras taxas de câmbio em São Paulo

Por Anisha Sircar

(Reuters) - Algumas das principais moedas latino-americanas ganhavam terreno nesta sexta-feira, a reboque da valorização das matérias-primas, enquanto fora da região o rublo da Rússia estendia as perdas depois que o banco central do país cortou as taxas de juros em 150 pontos-base, mais que o esperado.

O peso mexicano subia 0,4%, o real brasileiro saltava 0,7% --melhor desempenho na região nesta sexta--, e o peso colombiano avançava 0,2%. O peso chileno depreciava 0,4%, enquanto o sol peruano rondava estabilidade.

"No Brasil, que ao lado do México teve a recuperação mais lenta da América Latina até agora, prevemos uma recessão do lado do consumo. Acreditamos que as promessas de ajuda fiscal pré-eleitoral de Bolsonaro (Jair Bolsonaro, presidente brasileiro) criarão um impulso fiscal negativo no início de 2023, quando as taxas reais de juros estarão em seu pico", disse Marcos Casarin, economista-chefe para a América Latina da Oxford Economics.

Os mercados brasileiros de renda fixa estão precificando os níveis de risco mais altos em anos, levantando bandeiras vermelhas entre investidores e autoridades do governo que veem pouco alívio à vista.

No acumulado da semana, as moedas latino-americanas rondavam estabilidade, e as ações subiam quase 2%.

Enquanto isso, o rublo da Rússia depreciou para além de 58 por dólar, indo à mínima do dia logo após o banco central cortar as taxas de juros, pela quarta vez neste ano, em 150 pontos-base (ritmo maior que o esperado), para 8%.

((Tradução Redação São Paulo, 55 11 56447757)) REUTERS JCG

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos