Mercado fechará em 1 h 9 min
  • BOVESPA

    121.016,32
    +1.095,71 (+0,91%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.237,24
    +302,33 (+0,62%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,81
    +0,10 (+0,15%)
     
  • OURO

    1.831,30
    +15,60 (+0,86%)
     
  • BTC-USD

    58.039,97
    +2.307,28 (+4,14%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.499,70
    +63,92 (+4,45%)
     
  • S&P500

    4.230,12
    +28,50 (+0,68%)
     
  • DOW JONES

    34.744,59
    +196,06 (+0,57%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.686,75
    +89,00 (+0,65%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3519
    -0,0147 (-0,23%)
     

Comitê de pessoas da Petrobras sinaliza contra 2 indicados ao conselho

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO (Reuters) - Um Comitê de Pessoas da estatal Petrobras que avalia indicados a posições na companhia manifestou-se de forma inicialmente contrária a dois nomes sugeridos para o conselho de administração, segundo documento divulgado pela empresa durante o final de semana.

Ao citar ligações entre os candidatos e empresas que possuem contratos com a Petrobras, o comitê não reconheceu o cumprimento de todos requisitos previstos em lei e políticas internas por Pedro Rodrigues Galvão de Medeiros e Marcio Andrade Weber.

A Petrobras terá assembleia de acionistas nesta segunda-feira para eleger o conselho de administração. O comitê de pessoas se reuniu na última quinta-feira e divulgou suas conclusões no sábado.

Weber, indicado pelo governo, era até agosto passado diretor da Petroserv, fornecedora e operadora de sondas da Petrobras, enquanto Galvão, nome de acionistas minoritários incluindo Navi Capital e AZ Quest, era até dezembro diretor do Citibank responsável pela abertura e subsequente pulverização do capital da BR Distribuidora.

Em sua análise, o comitê lembrou que a lei das estatais prevê quarentena de três anos antes da possível contratação para cargos no conselho de pessoas vinculadas a partidos políticos ou prestadores de serviços das companhias públicas.

O grupo destacou, no entanto, que o órgão regulador SEST já teria apontado após consultas anteriores que candidatos ao colegiado podem ser eleitos mesmo com essas restrições, desde que aprovados pela asssembleia de acionistas.

Assim, caberá à assembleia de acionistas analisar se Weber e Galvão podem ser nomeados a posições no conselho "no interesse da companhia", definiu o comitê.

O comitê interno analisou 11 indicações ao conselho, incluindo nomes do governo e de acionistas minoritários, assim como indicados ao conselho fiscal.

(Por Luciano Costa)