Mercado fechará em 3 h 25 min
  • BOVESPA

    108.862,80
    +1.483,88 (+1,38%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.604,58
    +337,38 (+0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    44,82
    +1,76 (+4,09%)
     
  • OURO

    1.799,90
    -37,90 (-2,06%)
     
  • BTC-USD

    19.278,12
    +826,15 (+4,48%)
     
  • CMC Crypto 200

    380,52
    +10,77 (+2,91%)
     
  • S&P500

    3.610,16
    +32,57 (+0,91%)
     
  • DOW JONES

    29.961,93
    +370,66 (+1,25%)
     
  • FTSE

    6.418,62
    +84,78 (+1,34%)
     
  • HANG SENG

    26.588,20
    +102,00 (+0,39%)
     
  • NIKKEI

    26.165,59
    +638,22 (+2,50%)
     
  • NASDAQ

    11.911,50
    +6,25 (+0,05%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4001
    -0,0402 (-0,62%)
     

Comitê do governo decide manter mais usinas térmicas ligadas por falta de chuva

Por Luciano Costa
·2 minuto de leitura
.
.

Por Luciano Costa

SÃO PAULO (Reuters) - O Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE), formado por autoridades e técnicos da área de energia do governo, decidiu manter a possibilidade de acionamento de mais usinas térmicas devido à falta de chuvas na região das hidrelétricas, principal fonte de geração do país, disse o Ministério de Minas e Energia em nota na noite de quarta-feira.

O uso adicional das térmicas, cujo custo de operação é maior que outras fontes, teve início a partir de meados de outubro, em meio a preocupações com o nível dos reservatórios hídricos e à retomada do consumo de eletricidade no país apesar da crise do coronavírus.

Especialistas já haviam dito à Reuters que o regime diferenciado de operação das térmicas provavelmente continuaria após as chuvas fracas de outubro, consideradas as piores do histórico para as usinas do Sudeste e do Centro-Oeste e a segunda pior marca para a região Sul.

O Ministério de Energia destacou "a importância da medida, especialmente diante do cenário de poucas chuvas verificado no mês de outubro".

A pasta também disse que, durante reunião do CMSE na quarta-feira, a estatal Petrobras <PETR4.SA> foi convidada a participar e apresentou "medidas em curso que visam a maior disponibilização de combustível" para que usinas térmicas possam atender a necessidade de geração indicada pelo Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS).

Procurada, a Petrobras não respondeu de imediato um pedido de comentários sobre a situação da oferta de gás.

Boletim divulgado pelo ministério nesta semana mostrou "aumento acentuado na demanda térmica" por gás a partir da decisão do CMSE de ligar as usinas termelétricas, da ordem de 30%, seguido por nova expansão de 23% na semana seguinte, de 24 a 30 de outubro.

Esse movimento aconteceu justamente pelo acionamento das usinas de energia, uma vez que a demanda não-térmica por gás continuou estável, segundo os dados do governo.