Mercado abrirá em 5 h 40 min
  • BOVESPA

    113.430,54
    +1.157,53 (+1,03%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.564,27
    +42,84 (+0,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,08
    +0,21 (+0,27%)
     
  • OURO

    1.925,70
    -3,80 (-0,20%)
     
  • BTC-USD

    23.119,00
    +319,94 (+1,40%)
     
  • CMC Crypto 200

    524,33
    +5,54 (+1,07%)
     
  • S&P500

    4.076,60
    +58,83 (+1,46%)
     
  • DOW JONES

    34.086,04
    +368,95 (+1,09%)
     
  • FTSE

    7.771,70
    -13,17 (-0,17%)
     
  • HANG SENG

    21.991,16
    +148,83 (+0,68%)
     
  • NIKKEI

    27.346,88
    +19,77 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.105,50
    -46,50 (-0,38%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5208
    +0,0052 (+0,09%)
     

Comitê de ato pró-democracia defende Josué na Fiesp e diz que afastamento causa indignação

SÃO PAULO/SP BRASIL. 21/11/2013 -  Entrevista Josué Gomes da Silva, empresario e filho de José Alencar, vice de Lula. Filiou-se ao PMDB recentemente.(foto: Zanone Fraissat)
SÃO PAULO/SP BRASIL. 21/11/2013 - Entrevista Josué Gomes da Silva, empresario e filho de José Alencar, vice de Lula. Filiou-se ao PMDB recentemente.(foto: Zanone Fraissat)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Membros do comitê que organizou o ato das entidades em defesa da democracia no dia 11 de agosto do ano passado divulgaram nesta quarta-feira (18) uma manifestação de solidariedade ao presidente da Fiesp (Federação das Indústrias do estado de São Paulo), Josué Gomes da Silva, destituído em uma assembleia realizada na última segunda.

A adesão da federação a um dos dois manifestos tornados públicos nos dias que antecederam o ato foi um dos pontos de tensão entre a gestão de Josué e os sindicatos que fazem oposição a ele.

Na nota divulgada pelo comitê, os integrantes dizem que a deliberação pelo afastamento do dirigente causa indignação, e classificam a movimentação como uma "insidiosa tentativa".

Assinam a manifestação de solidariedade o professor a FGV Direito Oscar Vilhena Vieira, o diretor e a vice-diretora da Faculdade de Direito da USP, Celso Campilongo e Ana Elisa Bechara, o economista Arminio Fraga, o sociólogo Caio Magri, do Instituto Ethos, o líder sindical João Carlos Gonçalves, o Juruna, da Força, a socióloga Maria Alice Setubal, a Neca, presidente do conselho da Fundação Tibe Setubal, o sociólogo Clemente Ganz Lúcio, e o presidente da UGT (União Geral dos Trabalhadores), Ricardo Patah.

"Causa particular repulsa o fato de que pese contra a permanência de Josué Gomes na presidência da instituição o seu apoio ao 'Manifesto em Defesa da Democracia e da Justiça'", diz a nota do comitê.

Oscar Vilhena diz que face à importância da participação do presidente da Fiesp na elaboração do manifesto de 2022, o comitê entendeu que era necessário divulgar publicamente seu apoio a Josué.

"A participação de Josué Gomes na defesa da democracia foi essencial para que as eleições de 2022 ocorressem dentro da normalidade, devendo ser motivo de orgulho para a classe empresarial brasileira", afirmam os integrantes do comitê.

"Não se pode admitir, portanto, que um pequeno grupo de pessoas ressentidas com o triunfo da democracia sobre o autoritarismo venha agora, em sintonia com aqueles que vandalizam nossas instituições, retaliar uma liderança empresarial exemplar, que sempre deixou claro ser a democracia o único caminho para que o Brasil supere os seus principais desafios."

Na quarta, o advogado Miguel Reale Jr, que representa o presidente da Fiesp, disse ao jornal Folha de S.Paulo que o resultado da assembleia que decidiu pela destituição é inválida, mas que Josué Gomes ainda não decidiu que tipo de medida vai tomar.