Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.061,99
    -871,79 (-0,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.528,97
    +456,35 (+0,95%)
     
  • PETROLEO CRU

    62,61
    +0,17 (+0,27%)
     
  • OURO

    1.782,20
    +3,80 (+0,21%)
     
  • BTC-USD

    55.521,63
    +578,25 (+1,05%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.275,38
    +40,96 (+3,32%)
     
  • S&P500

    4.134,94
    -28,32 (-0,68%)
     
  • DOW JONES

    33.821,30
    -256,33 (-0,75%)
     
  • FTSE

    6.859,87
    -140,21 (-2,00%)
     
  • HANG SENG

    28.661,58
    -474,15 (-1,63%)
     
  • NIKKEI

    28.564,02
    -536,36 (-1,84%)
     
  • NASDAQ

    13.736,75
    -57,50 (-0,42%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6866
    -0,0159 (-0,24%)
     

Comissão vai investigar possíveis 'omissões' de Bolsonaro durante pandemia

·2 minuto de leitura
(Arquivo) A resposta à tragédia sanitária segue marcada pelas divergências entre prefeitos e governadores, que defendem as medidas de isolamento, e o presidente Jair Bolsonaro, que as rejeita, devido ao impacto econômico negativo

Um juiz do Supremo Tribunal Federal (STF) ordenou nesta quinta-feira ao Senado que instale uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para apurar eventuais omissões do governo de Jair Bolsonaro na luta contra a pandemia. Pelo segundo dia consecutivo, o país bateu o recorde de mortos pela Covid-19.

A investigação irá mirar principalmente nas "ações e omissões do Governo Federal no enfrentamento da pandemia no país, em especial no agravamento da crise sanitária no Amazonas, com a ausência de oxigênio para os pacientes internados", indicou o juiz Luís Roberto Barroso, do STF.

A ordem atende a um pedido de 32 dos 81 senadores e vai de encontro ao presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, que resistia à iniciativa, mas afirmou em entrevista coletiva, minutos após o anúncio, que irá acatar a decisão. "É relevante destacar que, como reconhece a própria autoridade impetrada, a crise sanitária se encontra em seu pior momento, batendo recordes lamentáves de mortes diárias e casos de infecção", justificou o juiz.

O país registrou hoje 4.249 mortos pela Covid em 24 horas, totalizando 345.025, número superado apenas pelos Estados Unidos. Nos oito primeiros dias de abril foram registradas 19.741 mortes, o que faz prever um mês pior do que março, quando houve mais de 66 mil óbitos.

O número de casos da doença chega a 13,2 milhões desde o começo da pandemia, com 86.652 infectados nas últimas 24 horas. A resposta à tragédia sanitária segue marcada pelas divergências entre prefeitos e governadores, que defendem as medidas de isolamento, e o presidente Jair Bolsonaro, que as rejeita, devido ao impacto econômico negativo.

A vacinação avança a passos lentos no país, por falta de insumos. Cerca de 10% da população recebeu a primeira dose e 3%, as duas. A Fiocruz recomendou hoje que sejam prorrogadas as medidas de distanciamento social no Rio de Janeiro, afirmando que "ainda é cedo para se propor qualquer medida de flexibilização".

Em sua transmissão ao vivo semanal, Bolsonaro declarou hoje que "esse clima de pavor pregado junto à sociedade não ajuda a salvar vidas".

js/pr/lb