Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.487,88
    +1.482,66 (+1,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.518,30
    +228,39 (+0,45%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,35
    +0,46 (+0,42%)
     
  • OURO

    1.845,10
    +3,90 (+0,21%)
     
  • BTC-USD

    29.469,15
    +47,23 (+0,16%)
     
  • CMC Crypto 200

    650,34
    -23,03 (-3,42%)
     
  • S&P500

    3.901,36
    +0,57 (+0,01%)
     
  • DOW JONES

    31.261,90
    +8,77 (+0,03%)
     
  • FTSE

    7.389,98
    +87,24 (+1,19%)
     
  • HANG SENG

    20.717,24
    +596,56 (+2,96%)
     
  • NIKKEI

    26.739,03
    +336,19 (+1,27%)
     
  • NASDAQ

    11.838,00
    -40,25 (-0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1528
    -0,0660 (-1,26%)
     

Comissão do Senado aprova convite para presidente da Petrobras explicar preços do gás

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - A Comissão de Serviços de Infraestrutura do Senado aprovou nesta terça-feira (10) requerimento de convite ao novo presidente da Petrobras, José Mauro Ferreira Coelho, para uma audiência sobre a política de preços do gás natural.

Ainda não há data para a realização da audiência, mas os membros do colegiado pretendem unificar esse evento com uma audiência prevista em outra comissão do Senado para discutir a distribuição de dividendos da empresa e os preços dos combustíveis.

No fim de março, os membros da CAE haviam aprovado convite ao então presidente da empresa, o general Joaquim Silva e Luna, para que explicasse a distribuição de R$ 100 bilhões em dividendos aos acionistas da Petrobras como retorno pelos resultados de 2021.

Na sessão desta terça-feira, os senadores aprovaram o requerimento que prevê o convite ao novo presidente da empresa e também para o presidente do Cade (Conselho Administrativo de Direito Econômico), Alexandre Cordeiro Macedo, e o diretor-geral da ANP (Agência Nacional do Petróleo), Rodolfo Henrique de Saboia.

"Essa política de distribuição, fornecimento e preço do gás natural, a qual a Petrobras estabeleceu o reajuste para efetivamente 50%, ou US$ 12 por milhão de BTU para contratos a partir de 1° de janeiro de 2022, impacta diretamente a sociedade e aparenta em muito exceder a obrigação legal de equilíbrio econômico-financeiro dos contratos, bem como suscita questionamentos por parte da sociedade civil em justa cautela, sendo o povo brasileiro acionista majoritário da empresa", afirma o texto do requerimento, de autoria do líder da minoria, Jean Paul Prates (PT-RN).

O senador Esperidião Amin (PP-SC) questionou os novos valores de distribuição de dividendos, criticando que parte desses recursos se dá pela venda de refinarias.

"O senhor vende uma fábrica, uma planta, com o compromisso de montar uma nova mais moderna, mais bem localizada, talvez. Não! Distribui isso na forma de dividendos", afirmou.

Na semana passada, a empresa divulgou seus resultados do primeiro trimestre. Impulsionada pela escalada do preço do petróleo após o início da Guerra da Ucrânia, a Petrobras fechou o período com lucro de R$ 44,5 bilhões. O resultado é o terceiro melhor já registrado por uma companhia aberta no Brasil.

Os elevados lucros da estatal são alvo de críticas na oposição e no próprio governo, diante da alta dos preços dos combustíveis no país. Após a divulgação, o presidente Jair Bolsonaro (PL) classificou o resultado como "estupro" e pediu à empresa para não promover novos reajustes.

As críticas ao lucro da Petrobras são compartilhadas por diversos parlamentares, entre eles o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG).

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos