Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.296,18
    -1.438,83 (-1,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.889,66
    -130,39 (-0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,98
    +1,48 (+1,79%)
     
  • OURO

    1.793,10
    +11,20 (+0,63%)
     
  • BTC-USD

    61.272,15
    -638,20 (-1,03%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.453,34
    -49,69 (-3,31%)
     
  • S&P500

    4.544,90
    -4,88 (-0,11%)
     
  • DOW JONES

    35.677,02
    +73,94 (+0,21%)
     
  • FTSE

    7.204,55
    +14,25 (+0,20%)
     
  • HANG SENG

    26.126,93
    +109,40 (+0,42%)
     
  • NIKKEI

    28.804,85
    +96,27 (+0,34%)
     
  • NASDAQ

    15.324,00
    -154,75 (-1,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5808
    -0,0002 (-0,00%)
     

Comissão aprova projeto de antiterrorismo criticado pela oposição

·1 minuto de leitura

BRASÍLIA (Reuters) - A Comissão Especial da Câmara criada para analisar o projeto da nova lei antiterrorismo aprovou, na noite de quinta-feira, o relatório do deputado bolsonarista Sanderson (PSL-RS), apesar dos protestos da oposição, que vê o texto como uma "licença para matar" e abrangente demais.

De acordo com a agência Câmara, o relatório foi aprovado por 22 votos a favor e 7 contrários, depois de oito horas de obstrução pela oposição, e deve ir agora a plenário.

O relator afirma que a lei apenas cria a possibilidade de ação integrada de unidades militares policiais e de inteligência em ações de contraterrorismo e não criminaliza movimentos sociais, como alega a oposição.

Já o líder da oposição, Alessandro Molon (PSB-RJ), afirmou que o projeto coloca em risco vários direitos fundamentais e ultrapassa limites legais para ampliar o conceito do que pode ser enquadrado como ato terrorista.

O texto aprovado diz que a lei pode ser aplicada para prevenir e reprimir atos que, mesmo que não sejam tipificados como crime de terrorismo, sejam "perigosos para a vida humana ou potencialmente destrutivo em relação a alguma infraestrutura crítica, serviço público essencial ou recurso-chave".

Também poderão ser alvo da lei ações que aparentem "ter a intenção de intimidar ou coagir a população civil ou de afetar a definição de políticas públicas por meio de intimidação, coerção, destruição em massa, assassinatos, sequestros ou qualquer outra forma de violência".

Os dois parágrafos, de acordo com a oposição, permitem qualificar como terrorismo quaisquer manifestações, a depender da subjetividade do agente legal.

O projeto foi apresentado pelo deputado Major Vitor Hugo (PSL-GO), ex-líder do governo, com base em um projeto antigo do presidente Jair Bolsonaro quando era deputado.

(Reportagem de Lisandra Paraguassu)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos