Mercado fechado
  • BOVESPA

    109.068,55
    -1.120,02 (-1,02%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.725,96
    -294,69 (-0,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,56
    +0,55 (+0,76%)
     
  • OURO

    1.799,20
    +1,20 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    16.858,22
    -217,41 (-1,27%)
     
  • CMC Crypto 200

    394,86
    -7,18 (-1,79%)
     
  • S&P500

    3.933,92
    -7,34 (-0,19%)
     
  • DOW JONES

    33.597,92
    +1,58 (+0,00%)
     
  • FTSE

    7.489,19
    -32,20 (-0,43%)
     
  • HANG SENG

    18.814,82
    -626,36 (-3,22%)
     
  • NIKKEI

    27.686,40
    0,00 (0,00%)
     
  • NASDAQ

    11.507,75
    -1,75 (-0,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4684
    +0,0020 (+0,04%)
     

Comida fermentada reduz níveis de estresse

Já está mais do que claro que os alimentos podem trazer diversos impactos positivos ou negativos para a saúde, mas uma pesquisa da APC Microbiome Ireland descobriu que comida fermentada pode reduzir os níveis de estresse. No estudo, os participantes que aderiram a essa dieta por apenas quatro semanas mostraram um efeito significativo na redução dos sinais.

Os pesquisadores ainda não entendem como isso acontece, mas uma teoria para essa ligação pode ser através da relação entre o cérebro e o microbioma, ou seja, as bactérias que vivem no intestino. O eixo intestino-cérebro permite constante comunicação entre os dois órgãos, desencadeando funções essenciais do corpo, como digestão e apetite. Isso também significa que os centros emocionais e cognitivos do cérebro estão intimamente ligados ao intestino.

O estudo contou com a participação de 45 pessoas saudáveis ​​com dietas relativamente pobres em fibras, com idades entre 18 e 59 anos. Os participantes foram divididos em dois grupos e atribuídos aleatoriamente uma dieta a seguir durante as quatro semanas.

Cerca de metade recebeu uma dieta projetada para aumentar a quantidade de alimentos prebióticos e fermentados, o que deveria incluir 6-8 porções diárias de frutas e vegetais ricos em fibras prebióticas (como cebola, alho-poró, repolho, maçã, banana e aveia), 5-8 porções de grãos por dia e 3-4 porções de leguminosas por semana. Eles também foram instruídos a incluir 2-3 porções de alimentos fermentados diariamente (como chucrute, kefir e kombucha).

Comida fermentada reduz níveis de estresse (Imagem: alexandraanschiz/envato)
Comida fermentada reduz níveis de estresse (Imagem: alexandraanschiz/envato)

Enquanto isso, o outro grupo recebeu apenas orientação alimentar geral, baseada na pirâmide alimentar. Conforme conclui o estudo, aqueles que seguiram a dieta psicobiótica relataram sentir menos estresse, ​​em comparação com aqueles que seguiram a dieta controle. Houve também uma correlação direta entre o quão estritamente os participantes seguiram a dieta e seus níveis de estresse.

A qualidade do sono melhorou em ambos os grupos, mas a dieta com comida fermentada foi responsável pelo maior número de relatos de melhorias no sono. Outros estudos também mostraram que os micróbios intestinais estão implicados nos processos do sono, o que pode explicar essa ligação.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: