Mercado fechado

Cometas da Via Láctea orbitam o Sol em dois planos diferentes

Daniele Cavalcante
·3 minutos de leitura

No Sistema Solar, os objetos que giram ao redor do Sol costumam se mover mais ou menos no mesmo plano orbital — exceto os cometas, que geralmente estão livres para ir e vir em várias direções. Entretanto, um novo estudo sugere que os cometas eventualmente tendem a “cair” de volta para o mesmo plano orbital dos planetas em algum momento.

Este plano orbital é conhecido como órbita eclíptica e todos os planetas estão dentro dessa faixa, o que sustenta a teoria de que eles foram formados a partir de uma nuvem de poeira que formava um disco ao redor do Sol. Os cometas, por sua vez, principalmente os de longo período (ou seja, os que levam alguns milhares de anos para completar uma órbita) podem se locomover acima ou abaixo desse alinhamento.

Isso não significa necessariamente que os cometas foram formados a partir de outro plano orbital. Mesmo os de longo período surgiram no mesmo disco que os demais objetos do Sistema Solar, mas foram espalhados em diferentes órbitas devido a interações gravitacionais, em especial com os mundos gigantes como Júpiter, Saturno e Netuno.

Pois bem, a nova pesquisa mostrou que o Sistema Solar parece ter um segundo plano de alinhamento no qual os cometas se movimentam. O estudo revela que mesmo com o espalhamento dos objetos, os afélios dos cometas (o ponto em que eles ficam mais distantes do Sol) tendem a cair perto do plano eclíptico. Entender esse fenômeno não é uma tarefa simples. Afinal, o que faz com que eles se afastem e voltem ao mesmo plano orbital dos planetas?

Impressão artística que mostra a distribuição de cometas de longo período. As linhas convergentes representam os caminhos dos cometas, enquanto o plano da eclíptica é mostrado em amarelo e a recém-descoberta "eclíptica vazia" é azul (Imagem: Reprodução/NAOJ)
Impressão artística que mostra a distribuição de cometas de longo período. As linhas convergentes representam os caminhos dos cometas, enquanto o plano da eclíptica é mostrado em amarelo e a recém-descoberta "eclíptica vazia" é azul (Imagem: Reprodução/NAOJ)

Para compreender, é necessário considerar forças externas influenciando a órbita dos cometas. Por exemplo, a própria Via Láctea exerce alguma influência sobre o Sistema Solar, embora seja muito pequena. Para a professora Arika Higuchi, da University of Occupational and Environmental Health, no Japão, os efeitos da gravidade galáctica em cometas de longo período não é algo que deve ser desprezado.

Higuchi realizou uma pesquisa analítica sobre os movimentos orbitais do Sistema Solar, e mostrou que quando a gravidade galáctica é considerada, os afélios dos cometas de longo período tendem a se agrupar em torno de dois planos distintos. O primeiro deles é a eclíptica, que é o mesmo plano circular dos planetas. E, em segundo lugar, existe uma "eclíptica vazia". Ambas ficam inclinadas em relação ao disco da Via Láctea em cerca de 60 graus, porém em direções opostas.

Essas deduções foram confirmadas através de cálculos numéricos, que por sua vez foram comparados com dados de cometas de longo período listados no banco de dados do JPL Small Body, da NASA. Embora o resultado mostre que as previsões estavam corretas, sugerindo que os cometas de fato se formaram na mesma eclíptica que os planetas, mas se afastam em determinado período, Higuchi avisa que “os picos não estão exatamente nos planos da eclíptica ou da eclíptica vazia, mas perto deles”.

Uma nova pesquisa deve ser realizada para entender melhor a distribuição de pequenos corpos, incluindo muitos novos fatores, como a influência galáctica sobre esses objetos. Esse estudo será de grande importância para melhor compreensão sobre a origem do nosso Sistema Solar.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: