Mercado fechará em 1 min
  • BOVESPA

    111.229,97
    -843,58 (-0,75%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.295,98
    -722,93 (-1,31%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,77
    +0,36 (+0,47%)
     
  • OURO

    1.930,40
    -12,40 (-0,64%)
     
  • BTC-USD

    24.065,85
    +986,71 (+4,28%)
     
  • CMC Crypto 200

    550,67
    +5,36 (+0,98%)
     
  • S&P500

    4.192,81
    +73,60 (+1,79%)
     
  • DOW JONES

    34.073,89
    -19,07 (-0,06%)
     
  • FTSE

    7.820,16
    +59,05 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    21.958,36
    -113,82 (-0,52%)
     
  • NIKKEI

    27.402,05
    +55,17 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    12.891,00
    +476,75 (+3,84%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5021
    -0,0523 (-0,94%)
     

Cometa visto há 50 mil anos se aproxima da Terra — talvez pela última vez

O cometa C/2022 E3 (ZTF) fará sua aproximação máxima do Sol no dia 12 de janeiro, chegando o mais próximo possível da Terra no início de fevereiro, quando ele pode atingir 6º, magnitude, tornando-se visível para nós por meio de um par de binóculos. O problema é que não poderemos vê-lo no hemisfério Sul.

Descoberto em março de 2022, o C/2022 E3 (ZTF) tinha naquela época uma magnitude aparente de 17,3 (muito mais fraco que o atual brilho de magnitude 6), a cerca de 4,3 UA (640 milhões de km) do Sol.

Após a descobertas, os astrônomos achavam que o objeto se tratava de um asteroide, mas não demorou muito para perceberem o coma (uma espécie de nuvem de poeira e gás que surge ao redor do cometa quando ele se aproxima do Sol) muito condensado.

O mais fascinante sobre o C/2022 E3 (ZTF) é que a última vez que ele passeou em nossa vizinhança foi há 50 mil anos, no período Paleolítico Superior. Isso é mais ou menos a época em que os nossos ancestrais começaram a se organizar nos primeiros assentamentos habitacionais.

C/2022 E3 (ZTF) fotografadoem 2 de janeiro de 2023 (Imagem: Reprodução/Stuart Atkinson/SkyatNight)
C/2022 E3 (ZTF) fotografadoem 2 de janeiro de 2023 (Imagem: Reprodução/Stuart Atkinson/SkyatNight)

Tal demora para retornar ao Sistema Solar interno se deve ao fato deste objeto vir da misteriosa Nuvem de Oort — uma região muito ampla e muito afastada, nos confins do Sistema Solar, muito além do Cinturão de Kuiper.

Para se ter noção da distância da Nuvem de Oort, a sonda Voyager 1, após 45 anos de missão, atingiu o espaço interestelar, mas ainda levará 300 anos antes de chegar à borda interna da nuvem e outros 30.000 anos para sair deste anel de rochas gigantes congeladas.

Este cometa também tem uma órbita extremamente alongada e, por ter se encontrado com o Sol pouquíssimas vezes, provavelmente sua química está quase intacta desde a formação do Sistema Solar.

Após passar pela constelação Corona Boreallis, o C/2022 E3 (ZTF) começou a “voar” em direção à Ursa Maior, e nos próximos dias e semanas começará a ganhar velocidade rumo à estrela Polaris. Todos esses nomes são constelações e estrelas localizadas próximo ao polo Norte celeste, ou seja, não visíveis no hemisfério Sul.

Cometa C/2022 E3 ZTF fotografado enquanto se aproxima do Sol (Imagem: Reprodução/The Virtual Telescope/Gianluca Masi)
Cometa C/2022 E3 ZTF fotografado enquanto se aproxima do Sol (Imagem: Reprodução/The Virtual Telescope/Gianluca Masi)

Observadores do Norte devem aproveitar a ocasião, se quiserem ver esse objeto da nuvem de Oort, já que o C/2022 E3 (ZTF) só deve retornar daqui a outros 50 mil anos— ou talvez nunca mais visite as nossas redondezas.

Agora em fevereiro de 2023, quando estiver mais próximo da Terra, o cometa estará a cerca de 43 milhões de km de nós. É improvável que mesmo os habitantes do hemisfério Norte vejam algo espetacular, mas sim uma pequena mancha difusa se usarem binóculos ou telescópios domésticos.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: