Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.247,15
    -2.542,18 (-2,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.394,03
    -1.070,00 (-2,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    109,19
    -0,40 (-0,36%)
     
  • OURO

    1.815,60
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    29.070,67
    -1.381,65 (-4,54%)
     
  • CMC Crypto 200

    650,57
    -20,11 (-3,00%)
     
  • S&P500

    3.923,68
    -165,17 (-4,04%)
     
  • DOW JONES

    31.490,07
    -1.164,52 (-3,57%)
     
  • FTSE

    7.438,09
    -80,26 (-1,07%)
     
  • HANG SENG

    20.644,28
    +41,76 (+0,20%)
     
  • NIKKEI

    26.911,20
    +251,45 (+0,94%)
     
  • NASDAQ

    11.911,75
    -23,75 (-0,20%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2229
    +0,0125 (+0,24%)
     

Cometa que explodiu em 2007 deixou rastro de poeira em formato de ampulheta

O rastro de poeira deixado pelo cometa 17P/Holmes tem um formato de ampulheta, descobriram os cientistas após quase 10 anos de estudo. Eles identificaram o traço incomum formado a partir das partículas emitidas em uma poderosa explosão no cometa em outubro de 2007.

Pesquisadores da Rússia, Finlândia e Canadá estudaram a poeira expelida durante a explosão, com observações reais do cometa usando telescópios instalados na Austrália e nos Estados Unidos. A primeira fase de observações ocorreu entre 2013 e 2015, enquanto a segunda fase durou um ano a partir de setembro de 2020.

(Imagem: Reprodução/Arto Oksanen/Oxford University Press/Royal Astronomical Society/Creative Commons)
(Imagem: Reprodução/Arto Oksanen/Oxford University Press/Royal Astronomical Society/Creative Commons)

Com os dados em mãos, a equipe descobriu que o conjunto de órbitas das partículas do cometa ejetadas pela explosão tem a forma de uma ampulheta. Em lados opostos existem áreas de convergência das órbitas (nós, ou nodos) ao longo das quais as partículas se movem.

O nodo ao norte, está localizado no ponto de erupção do cometa, enquanto o nó ao sul está do outro lado do Sol. As partículas menores têm as maiores órbitas, portanto são as últimas a chegar aos nós; partículas de tamanho médio e grande atingem os nós mais rapidamente, pois seus trajetos são mais curtos.

Para entender melhor a física e a escala da ejeção de partículas na explosão, a equipe desenvolveu “um novo modelo que descreve realisticamente a evolução das trilhas de poeira cometária resultantes", explica Maria Gritsevich, professora assistente da Universidade de Helsinque e líder do projeto.

Este novo modelo contou com a ajuda de outro já existente: um modelo de chuvas de meteoros conhecidas. Com novos modelos precisos da explosão do cometa 17P/Holmes, que também incluem a propagação da poeira resultante, o conjunto resultou em um novo modelo poderoso que pode ser útil para prever a ocorrência e intensidade das futuras chuvas de meteoros.

Resultados da modelagem correspondente a fevereiro de 2013. A codificação de cores utilizada reflete o tamanho das partículas modeladas. As partículas ejetadas em direção ao Sol são marcadas com cruzes (Imagem: Reprodução/Arto Oksanen/Oxford University Press/Royal Astronomical Society/Creative Commons)
Resultados da modelagem correspondente a fevereiro de 2013. A codificação de cores utilizada reflete o tamanho das partículas modeladas. As partículas ejetadas em direção ao Sol são marcadas com cruzes (Imagem: Reprodução/Arto Oksanen/Oxford University Press/Royal Astronomical Society/Creative Commons)

Outra vantagem do novo modelo é que ele considera os efeitos da pressão da radiação solar, distúrbios gravitacionais causados por planetas (Vênus, Terra e Lua, Marte, Júpiter e Saturno), bem como a interação gravitacional das partículas de poeira com 17P/Holmes durante suas órbitas ao redor do Sol. O cometa tem período orbital de 6,9 anos.

Por fim, os resultados da pesquisa ajudam a prever a localização e o comportamento do rastro de poeira do cometa, inclusive no ponto onde ocorreu a explosão em 2007, além de ajudar a calcular o próximo evento explosivo no 17P/Holmes. A pesquisa também prevê que o cometa será visível nos telescópios de astrônomos amadores em 2022.

O artigo descrevendo a pesquisa e seus resultados foi publicado no Monthly Notices of the Royal Astronomical Society.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos