Mercado fechará em 1 h 12 min
  • BOVESPA

    108.984,29
    +1.154,56 (+1,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.740,33
    -595,18 (-1,12%)
     
  • PETROLEO CRU

    77,94
    +0,80 (+1,04%)
     
  • OURO

    1.887,20
    +2,40 (+0,13%)
     
  • BTC-USD

    22.954,00
    -44,86 (-0,20%)
     
  • CMC Crypto 200

    529,26
    -7,63 (-1,42%)
     
  • S&P500

    4.124,61
    -39,39 (-0,95%)
     
  • DOW JONES

    34.006,51
    -150,18 (-0,44%)
     
  • FTSE

    7.885,17
    +20,46 (+0,26%)
     
  • HANG SENG

    21.283,52
    -15,18 (-0,07%)
     
  • NIKKEI

    27.606,46
    -79,01 (-0,29%)
     
  • NASDAQ

    12.572,00
    -204,75 (-1,60%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,6016
    +0,0245 (+0,44%)
     

Comer os alimentos certos pode ajudar a viver mais

Comer os alimentos certos pode ajudar uma pessoa a viver mais. A informação vem de um estudo publicado na revista científica JAMA Internal Medicine. Isso porque, segundo os pesquisadores, a alimentação saudável pode reduzir em quase 20% o risco de morte prematura.

O artigo aponta que o público concentrado em consumir mais grãos integrais, frutas, vegetais, nozes e legumes tem menos probabilidade de morrer de câncer, doenças cardiovasculares e doenças respiratórias e neurodegenerativas. "Temos muita flexibilidade em termos de criar nossos próprios padrões alimentares saudáveis ​​que podem ser adaptados às preferências alimentares individuais, condições de saúde e culturas", afirmam os pesquisadores.

Para chegar a essa descoberta, os especialistas acompanharam os hábitos alimentares de quase 120 mil pessoas, ao longo de 36 anos. Na prática, os participantes preencheram questionários alimentares a cada quatro anos. Com isso, os pesquisadores pontuaram as pessoas referentes aos estilos de alimentação saudável recomendados pelos EUA.

Comer os alimentos certos pode ajudar a viver mais, segundo estudo (Imagem: Jenny Mavimiro/Pexels)
Comer os alimentos certos pode ajudar a viver mais, segundo estudo (Imagem: Jenny Mavimiro/Pexels)

Tendo em mente essa pontuação, as pessoas foram divididas em cinco grupos, do menor índice ao maior índice de adesão à dieta. Uma adesão de 25% ajudou a reduzir o risco de morte por doença cardiovascular em uma faixa de 6% a 13% e morte por câncer em 7% a 18%. Além disso, houve uma redução de até 7% no risco de morte por doenças neurodegenerativas. Mas o grande destaque fica por conta da redução da mortalidade por doenças respiratórias: 35% a 46%.

“Nunca é tarde demais para adotar padrões alimentares saudáveis, e os benefícios de uma dieta saudável podem ser substanciais em termos de redução do total de mortes prematuras e diferentes causas de morte prematura”, concluem os autores do estudo.

Não é de hoje que a ciência vem mostrando a importância de comer os alimentos certos: um estudo já revelou que uma dieta a base de plantas pode ser uma ótima aliada contra doenças do coração em todas as idades, principalmente em jovens adultos e mulheres mais velhas. Além disso, pesquisadores também já descobriram que alimentos muito gordurosos podem despertar Alzheimer, ansiedade e depressão.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: