Mercado fechará em 2 h 21 min
  • BOVESPA

    111.671,83
    +1.953,89 (+1,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.606,02
    +145,47 (+0,30%)
     
  • PETROLEO CRU

    92,11
    -2,23 (-2,36%)
     
  • OURO

    1.815,50
    +8,30 (+0,46%)
     
  • BTC-USD

    24.027,57
    -338,62 (-1,39%)
     
  • CMC Crypto 200

    570,68
    -0,60 (-0,11%)
     
  • S&P500

    4.254,27
    +47,00 (+1,12%)
     
  • DOW JONES

    33.615,47
    +278,80 (+0,84%)
     
  • FTSE

    7.500,89
    +34,98 (+0,47%)
     
  • HANG SENG

    20.175,62
    +93,19 (+0,46%)
     
  • NIKKEI

    28.546,98
    +727,65 (+2,62%)
     
  • NASDAQ

    13.503,75
    +192,50 (+1,45%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2093
    -0,1144 (-2,15%)
     

Comer muita proteína pode transformar o seu xixi em poluente

O modo como nos alimentamos pode ter diferentes impactos na saúde, mas também pode afetar o meio-ambiente. É o que descobriu uma equipe de pesquisadores norte-americanos, após calcular os impactos do xixi, quando a pessoa tem uma dieta rica em proteínas. Basicamente, a urina se torna um poluente para os rios.

Sim, o corpo humano precisa de proteína, mas é relativamente normal que as pessoas ingiram mais destas macromoléculas do que o organismo precisa para o seu funcionamento. Nesses casos, os aminoácidos são quebrados e muito nitrogênio é gerado. Este é excretado pela urina e chega ao esgoto.

Xixi de pessoas que comem muita proteína pode virar poluente de rios (Imagem: GeorgeRudy/Envato)
Xixi de pessoas que comem muita proteína pode virar poluente de rios (Imagem: GeorgeRudy/Envato)

Como o xixi pode ser um poluente?

Como nem sempre as águas residuais são tratadas, o composto chega aos rios. No ambiente aquático, o excesso de nitrogênio é conhecido por acelerar a proliferação de algas tóxicas, criar "zonas mortas" (sem oxigênio) e ainda poluir uma água que poderia ser potável.

“É interessante pensar em possíveis maneiras de reduzir o nitrogênio, além da tecnologias caras”, explica Maya Almaraz, a principal autora do estudo e pesquisadora da Universidade da Califórnia em Davis (UC Davis), nos Estados Unidos. “As mudanças na dieta são uma maneira saudável e barata de fazer isso”, acrescenta Almaraz.

Estudo sobre os impactos da alimentação rica em proteínas

Publicado na revista científica Frontiers in Ecology and the Environment, o estudo da UC Davis sobre os riscos do xixi para o meio-ambiente mira especificamente na realidade dos EUA, mas a situação pode ser desdobrada para outras regiões, onde o consumo de proteína é maior que o recomendado — independente de ser de origem animal ou vegetal.

Se a população norte-americana reduzisse o consumo de proteína ao valor mínimo, este impacto poderia ser medido na natureza. "Mostramos que combinar o consumo de proteína com as necessidades fisiológicas reduziria as perdas hidrológicas em decorrência do nitrogênio nos ecossistemas aquáticos em 12%", afirmam os autores.

Segundo a equipe de cientistas, este é o primeiro estudo a estimar o quanto o consumo de proteína contribui para o excesso de nitrogênio no meio ambiente através dos dejetos humanos. A expectativa é que essas novas descobertas ajudem a conscientizar as pessoas e desenhar novas políticas públicas sobre os impactos da nutrição no mundo.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos