Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.296,18
    -1.438,83 (-1,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.889,66
    -130,39 (-0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,98
    +1,48 (+1,79%)
     
  • OURO

    1.793,10
    +11,20 (+0,63%)
     
  • BTC-USD

    60.179,66
    -1.066,20 (-1,74%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.453,34
    -49,69 (-3,31%)
     
  • S&P500

    4.544,90
    -4,88 (-0,11%)
     
  • DOW JONES

    35.677,02
    +73,94 (+0,21%)
     
  • FTSE

    7.204,55
    +14,25 (+0,20%)
     
  • HANG SENG

    26.126,93
    +109,40 (+0,42%)
     
  • NIKKEI

    28.804,85
    +96,27 (+0,34%)
     
  • NASDAQ

    15.324,00
    -154,75 (-1,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5808
    -0,0002 (-0,00%)
     

Comandante do ELN morre por ferimentos de bombardeio militar, diz Colômbia

·1 minuto de leitura
Rebeldo do ELN em floresta do departamento de Chocó, na Colômbia

Por Luis Jaime Acosta

BOGOTÁ (Reuters) - Um dos principais líderes do grupo rebelde Exército de Libertação Nacional da Colômbia (ELN) morreu nesta terça-feira em decorrência de ferimentos sofridos durante um bombardeio militar no noroeste do país, informou o ministro da Defesa, Diego Molano.

Ángel Padilla Romero, conhecido pelo pseudônimo Fabián, comandava a Frente Ocidental do grupo e morreu em um hospital da cidade de Cali, para onde foi levado depois de ser encontrado ferido nas selvas da província de Choco dez dias depois do bombardeio.

"Aplicamos o maior golpe contra o ELN no decorrer do governo do presidente Iván Duque. Capturamos o chamado Fabián, o líder mais importante do ELN ainda na Colômbia", disse Molano durante uma coletiva de imprensa.

"Nós o capturamos vivo, prestamos primeiros-socorros e ele foi transferido para um hospital de Cali, onde morreu enquanto recebia cuidados médicos", acrescentou Molano, que disse que outros rebeldes também morreram no bombardeio.

Padilla comandava 450 combatentes divididos em seis unidades, disseram fontes de segurança.

Antonio Garcia, que Molano disse estar escondido na Venezuela, é o líder oficial do grupo.

Outros comandantes de alto escalão, incluindo Pablo Beltrán, estão atualmente em Cuba, onde estavam realizando conversas de paz com o governo colombiano até os debates serem suspensos em 2019.

A Colômbia pediu várias vezes para Cuba extraditar os ex-negociadores devido a acusações ligadas ao bombardeio de uma academia de polícia que acabou com as conversas.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos