Mercado abrirá em 9 h 34 min
  • BOVESPA

    116.464,06
    -915,94 (-0,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.053,56
    -72,94 (-0,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,68
    +0,07 (+0,13%)
     
  • OURO

    1.844,20
    -6,70 (-0,36%)
     
  • BTC-USD

    32.248,76
    -96,68 (-0,30%)
     
  • CMC Crypto 200

    648,64
    +1,31 (+0,20%)
     
  • S&P500

    3.849,62
    -5,74 (-0,15%)
     
  • DOW JONES

    30.937,04
    -22,96 (-0,07%)
     
  • FTSE

    6.654,01
    +15,16 (+0,23%)
     
  • HANG SENG

    29.269,59
    -121,67 (-0,41%)
     
  • NIKKEI

    28.593,84
    +47,64 (+0,17%)
     
  • NASDAQ

    13.545,00
    +59,50 (+0,44%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5107
    -0,0001 (-0,00%)
     

Com sessões gratuitas, Curta na Praça leva filmes para espaço cultural no Caju

Regiane Jesus
·2 minuto de leitura

RIO — Uma viagem gratuita pelo Brasil sem sair do Caju. Essa é a proposta do Curta na Praça, que leva ao Galpão Arte Salva Vidas (Rua General Sampaio 74), nestes sábado (5) e domingo (6), uma seleção de curtas-metragens nacionais que abordam temas atuais. As questões raciais estão presentes nos filmes “Delas” e “Lily’s hair”; já a importância da preservação do meio ambiente aparece na produção “As venturas do Chauá”. Com sessões às 18h30m, 19h30m e 20h30m e com capacidade de 150 pessoas por exibição, o projeto, que está em sua sexta edição, tem como objetivo levar cultura e diversão para os moradores do bairro e das adjacências, sem deixar de seguir rígidos protocolos de segurança no combate à Covid-19. Só para se ter uma ideia, a tradicional pipoca não será mais distribuída, como acontecia nas versões anteriores do evento, para que o público não retire a máscara do rosto de jeito nenhum.

Leia mais:Livro de ex-executivo da Farm dá dicas para quem quer ajudar a 'salvar o futuro'

Idealizadora do Curta na Praça, Juliana Teixeira ressalta a importância de realizar o projeto, apesar das dificuldades impostas pela pandemia:

— Depois de tantos meses, achamos que valeria a pena levar o cinema brasileiro para a população. É um respiro para nos ajudar a vencer um ano tão difícil. Um grande desafio foi a adaptação para garantir total segurança à plateia. Abrir mão da distribuição de pipoca foi difícil, mas necessário para que não tirem as máscaras.

O que a atriz e idealizadora do evento não dispensa é levar o público à reflexão por meio da arte.

— O Curta na Praça oferece a chance de se conhecer um pouco mais sobre o nosso país através do cinema. Desta forma, ajudamos na construção do espírito de brasilidade e de identidade do nosso povo. Levar à tela grande, num projeto como este, temas delicados que merecem toda a nossa atenção transforma a sociedade. Ao exibirmos estes curtas, nós incentivamos o aumento da autoestima e apresentamos caminhos e oportunidades. Precisamos diminuir essa desigualdade brutal que existe no nosso Brasil, e isso passa pelo acesso à cultura e também pelo debate, dando visibilidade a assuntos cruciais como preconceito e questões raciais — observa.

Opções de curtas de qualidade não vão faltar no evento. É o que Juliana garante:

— O público pode esperar do Curta na Praça um evento de alto nível para aproveitar com toda a família. Oferecemos um cinema com telão gigante para que todos possam assistir a 24 filmes nacionais incríveis.

SIGA O GLOBO-BAIRROS NO TWITTER (OGlobo_Bairros)