Mercado abrirá em 5 h 54 min
  • BOVESPA

    120.700,67
    +405,99 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.514,10
    +184,26 (+0,38%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,61
    +0,15 (+0,24%)
     
  • OURO

    1.762,80
    -4,00 (-0,23%)
     
  • BTC-USD

    61.379,32
    -1.927,06 (-3,04%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.360,63
    -20,32 (-1,47%)
     
  • S&P500

    4.170,42
    +45,76 (+1,11%)
     
  • DOW JONES

    34.035,99
    +305,10 (+0,90%)
     
  • FTSE

    6.983,50
    0,00 (0,00%)
     
  • HANG SENG

    28.954,29
    +161,15 (+0,56%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    13.977,75
    -36,25 (-0,26%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7152
    -0,0059 (-0,09%)
     

Com salto de elétricas, Ibovespa sobe 1,5%

·3 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O Ibovespa fechou em alta de 1,5%, a a 113.749,90 pontos, nesta quinta-feira (25), com o setor elétrico entre os destaques positivos após a Equatorial divulgar um resultado trimestral robusto e a indicação de um nome considerado técnico pelo mercado para comandar a Eletrobras. Além disso, a Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) avalia vetar corte de energia para baixa renda, mas prevê compensar elétricas. As ações da Equatorial subiram 6,95%, após a empresa divulgar lucro de R$ 1,4 bilhão no quarto trimestre e possível interesse nas privatizações da empresa de saneamento Cedae e da distribuidora de energia elétrica CEEE-D. Já a as ações ordinárias (com direito a voto) da Eletrobras fecharam em alta de 4,96% em meio à indicação do governo federal do atual secretário de Energia Elétrica do Ministério de Minas e Energia e ex-Aneel, Rodrigo Limp, para assumir o comando da estatal. Durante o pregão, chegaram a subir 6,16%. "Apesar de considerarmos o evento extremamente negativo do ponto de vista da governança, fato do novo presidente ter postura pró-privatização e boa circulação política pode mitigar os efeitos negativos provenientes da escolha sumária por parte do Executivo", diz a equipe da Ativa Investimentos em relatório. A Energisa avançou 5,11%. Além disso, declarações do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, trouxeram alívio aos investidores. Campos Neto procurou explicar a "normalização parcial" da política monetária citada pelo Copom (Comitê de Política Monetária do BC) na última decisão sobre o juros, na qual elevou a Selic de 2% a 2,75% ao ano, e que fazer "mais e mais rápido" reduz intensidade do ajuste total. Para o cofundador e presidente-executivo da startup de análises e educação financeira Top Gain, Alison Correia, Campos Neto sinalizou que o BC buscará o controle da inflação, mas sem necessariamente acelerar o ritmo de aperto nas próximas reuniões. "Isso acalmou o mercado", disse. O analista da Clear Corretora Rafael Ribeiro endossou a premissa acrescentando que, pelas palavras de Campos Neto, o BC não subirá a Selic a ponto de deixar de estimular a economia e deu a entender que o mercado está exagerando no ritmo de alta. Correia também citou como fator positivo declarações do ministro da Economia, Paulo Guedes, relacionados a medidas de combate à pandemia de Covid-19, que, segundo ele, costumam agradar investidores porque têm base técnica. Guedes, afirmou nesta quinta que o governo continuará a anunciar medidas de auxílio aos impactos econômicos da crise sanitária da pandemia da Covid-19, dentre as quais o pagamento antecipado do 13º a aposentados e pensionistas. O dólar fechou em alta de 0,56%, a R$ 5,67, impulsionado pelo fortalecimento global da moeda americana, agravamento da pandemia no Brasil e contínuas incertezas fiscais. Em Wall Street, o S&P 500 fechou em alta de 0,52%. Dow Jones subiu 0,62% e Nasdaq, 0,12%, após dados apontarem melhora do mercado de trabalho americano e autoridades do Fed (banco central americano) reforçarem promessa de apoio à economia.