Mercado fechado
  • BOVESPA

    119.371,48
    -690,52 (-0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.092,31
    +224,69 (+0,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,75
    +0,32 (+0,52%)
     
  • OURO

    1.788,20
    +6,20 (+0,35%)
     
  • BTC-USD

    49.996,88
    -4.200,34 (-7,75%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.133,04
    -110,02 (-8,85%)
     
  • S&P500

    4.134,98
    -38,44 (-0,92%)
     
  • DOW JONES

    33.815,90
    -321,41 (-0,94%)
     
  • FTSE

    6.938,24
    +42,95 (+0,62%)
     
  • HANG SENG

    29.054,68
    +299,34 (+1,04%)
     
  • NIKKEI

    28.983,31
    -204,86 (-0,70%)
     
  • NASDAQ

    13.766,50
    +16,25 (+0,12%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5450
    +0,0034 (+0,05%)
     

Com recorde de saques, poupança tem resultado negativo de R$ 3,52 bilhões em março, diz BC

LARISSA GARCIA
·2 minuto de leitura

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Os saques em caderneta de poupança superaram os depósitos em R$ 3,52 bilhões em março, segundo relatório divulgado pelo BC (Banco Central) nesta quarta-feira (7). Este é o terceiro resultado negativo consecutivo depois de uma sequência de números positivos após o início da pandemia de Covid-19. Em março, os brasileiros sacaram da poupança o maior volume da série iniciada em janeiro de 1995, com R$ 321,1 bilhões. Embora a captação líquida (diferença entre entradas e saídas) tenha sido negativa, os depósitos também tiveram patamar elevado, no segundo maior montante da história, com R$ 317,6 bilhões. O recorde de entradas foi alcançado em dezembro do ano passado, com R$ 339,8 bilhões. Naquele mês, os saques somaram R$ 319,2 bilhões e a captação líquida ficou positiva em R$ 20,6 bilhões. Após a chegada do vírus ao país, em março do ano passado, a caderneta registrou valores elevados em captação líquida nos meses seguintes, em comparação ao restante da série. Auxílio emergencial O auxílio emergencial, pago por meio de conta-poupança digital da Caixa Econômica Federal, ajudou a explicar o movimento de alta na captação ao longo de 2020. A primeira rodada do benefício terminou em dezembro e a segunda começou a ser paga nesta terça-feira (6). Em fevereiro, a captação líquida foi negativa em R$ 5,8 bilhões e em janeiro, em R$ 18,1 bilhões, pior valor da série. O saldo, que é todo o montante investido na modalidade, mesmo com captação negativa, permaneceu superior a R$ 1 trilhão no mês. O estoque alcançou a marca pela primeira vez na história em setembro. No ápice da crise, em abril, a captação da poupança bateu recorde, com R$ 30,4 bilhões. O resultado foi superado em maio, com R$ 37,2 bilhões, o maior da série histórica até agora. A poupança rende a TR (Taxa Referencial), hoje zerada, mais 70% da Selic, que está em 2,75% ao ano. A regra prevê que, quando a taxa básica de juros estiver acima de 8,5% ao ano, o rendimento da poupança será 0,50% ao mês, mais a TR. Caso a taxa Selic esteja menor ou igual a 8,5% ao ano, o investimento é remunerado a 70% da Selic, acrescida da TR.