Mercado abrirá em 9 h 37 min
  • BOVESPA

    118.811,74
    +1.141,84 (+0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.352,18
    -275,49 (-0,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    60,05
    +0,35 (+0,59%)
     
  • OURO

    1.734,20
    +1,50 (+0,09%)
     
  • BTC-USD

    60.796,11
    +901,43 (+1,51%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.297,78
    +3,20 (+0,25%)
     
  • S&P500

    4.127,99
    -0,81 (-0,02%)
     
  • DOW JONES

    33.745,40
    -55,20 (-0,16%)
     
  • FTSE

    6.889,12
    -26,63 (-0,39%)
     
  • HANG SENG

    28.819,99
    +366,71 (+1,29%)
     
  • NIKKEI

    29.848,41
    +309,68 (+1,05%)
     
  • NASDAQ

    13.820,50
    +11,75 (+0,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,8199
    -0,0106 (-0,16%)
     

Com quase 100 milhões de doses aplicadas, EUA recruta mais vacinadores contra a covid-19

·1 minuto de leitura
Seringas usadas nas vacinas da Johnson & Johnson para a covid-19

O governo dos Estados Unidos anunciou nesta sexta-feira (12) que vai recrutar dentistas, veterinários e estudantes da área da saúde para fortalecer sua campanha de vacinação contra a covid-19, conforme o país se aproxima de 100 milhões de doses injetadas.

"O Departamento de Saúde e Serviços Humanos lançará um novo portal para ajudar as pessoas a determinar onde podem se inscrever como voluntários para aplicação das vacinas", anunciou Marcella Nunez-Smith, que lidera a equipe governamental de equidade sanitária, a repórteres.

O governo já havia autorizado todos os médicos e enfermeiras ativos ou aposentados nos últimos cinco anos a administrar as vacinas.

Com a nova medida, estão autorizados dentistas, técnicos de emergências médicas, parteiras, optometristas, paramédicos, assistentes médicos, podólogos, terapeutas respiratórios e veterinários, assim como estudantes destas áreas.

Os Estados Unidos, cuja campanha de imunização começou em 14 de dezembro, aplicaram cerca de 2,2 milhões de vacinas por dia, enquanto quase 65% dos americanos com 65 anos ou mais já receberam ao menos a primeira dose.

ia/ec/yo/gma/bn