Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.220,83 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,61 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,66
    -1,87 (-2,94%)
     
  • OURO

    1.733,00
    -42,40 (-2,39%)
     
  • BTC-USD

    43.643,73
    -3.421,61 (-7,27%)
     
  • CMC Crypto 200

    912,88
    -20,25 (-2,17%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,63 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    28.980,21
    -1.093,99 (-3,64%)
     
  • NIKKEI

    28.966,01
    -1.202,29 (-3,99%)
     
  • NASDAQ

    12.905,75
    +74,00 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7636
    +0,0247 (+0,37%)
     

Com pico do petróleo no passado, Shell amplia meta de emissão zero até 2050

Ron Bousso e Shadia Nasralla
·1 minuto de leitura

Por Ron Bousso e Shadia Nasralla

LONDRES (Reuters) - A gigante de energia Shell se comprometeu a eliminar emissões líquidas de carbono até 2050, em meta mais ambiciosa do que as divulgadas anteriormente, à medida que sua produção de petróleo recua em relação ao pico atingido em 2019.

A companhia anglo-holandesa está passando por sua maior reformulação até o momento, preparando-se para expandir seus negócios em energias renováveis e de baixo carbono, diante da crescente pressão de investidores do setor de óleo e gás em favor do combate às mudanças climáticas.

A Shell elaborou no ano passado um plano para chegar ao carbono zero líquido até 2050, em linha com o acordo climático de Paris e com as ambições da União Europeia, mas disse que a meta dependeria de seus clientes.

Nesta quinta-feira, em uma atualização da estratégia, a Shell divulgou planos para reduzir suas emissões por meio do rápido crescimento de seus negócios de baixo carbono, incluindo biocombustíveis e hidrogênio, embora os gastos devam seguir inclinados para petróleo e gás no futuro próximo.

"Usaremos nossos pontos fortes já estabelecidos para construir nosso portfólio competitivo enquanto realizamos a transição", disse em comunicado o CEO da Shell, Ben van Beurden.

Investidores reagiram positivamente à atualização das metas.

"A meta de carbono zero líquido da Shell é pioneira no setor e abrangente, pois cobre todas as suas emissões de carbono", disse Adam Matthews, diretor de Ética e Engajamento do Conselho de Pensões da Igreja da Inglaterra, que liderou o engajamento dos investidores junto à Shell.

Os acionistas ainda terão um voto consultivo sobre o plano de transição da Shell na assembleia geral deste ano, uma inovação no setor, acrescentou Matthews.