Mercado fechado
  • BOVESPA

    115.202,23
    +2.512,05 (+2,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.342,54
    +338,35 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,28
    +2,45 (+3,84%)
     
  • OURO

    1.698,20
    -2,50 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    49.693,27
    +1.187,59 (+2,45%)
     
  • CMC Crypto 200

    982,93
    +39,75 (+4,21%)
     
  • S&P500

    3.841,94
    +73,47 (+1,95%)
     
  • DOW JONES

    31.496,30
    +572,16 (+1,85%)
     
  • FTSE

    6.630,52
    -20,36 (-0,31%)
     
  • HANG SENG

    29.098,29
    -138,51 (-0,47%)
     
  • NIKKEI

    28.864,32
    -65,78 (-0,23%)
     
  • NASDAQ

    12.652,50
    +197,50 (+1,59%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7780
    -0,0079 (-0,12%)
     

Com pandemia, empresas passaram a se preocupar mais com privacidade, diz estudo

Ramon de Souza
·2 minuto de leitura

A pandemia do novo coronavírus (SARS-CoV-2) fez com que as empresas passassem a se preocupar mais com privacidade e proteção de dados. Ao menos é isso que aponta o 2021 Data Privacy Benchmark Study, nova versão do relatório anual produzido pela Cisco. Após realizar uma pesquisa com 4,4 mil profissionais do setor em 25 países diferentes, a companhia constatou algumas estatísticas um tanto animadoras.

O estudo conclui que, no geral, as companhias deixaram de enxergar privacidade como uma simples questão de conformidade com legislações e passaram a encarar tal assunto como um direito fundamental de seus clientes. Porém, 60% delas confessaram que não estavam preparadas para as disrupções causadas pela COVID-19, como a necessidade de implementar acesso remoto seguro para os colaboradores trabalharem de casa.

“A privacidade atingiu a maturidade — reconhecida como direito humano fundamental e elevando-se a prioridade essencial da gestão executiva”, afirma Harvey Jang, vice-presidente e diretor-executivo de Privacidade da Cisco. “E, com a acelerada adoção do trabalho feito de qualquer lugar, a privacidade ganhou mais importância para a promoção da digitalização, da resiliência corporativa, da agilidade e da inovação”, conclui.

Retorno sobre o investimento

Dentre os entrevistados, 90% das empresas reportam métricas de privacidade para executivos da mesa diretora; ademais, 80% dos participantes avaliam que as legislações de proteção de dados (já presentes em 140 jurisdições) possuem um impacto positivo. Falando especificamente do Brasil, 79% dos profissionais acreditam que a Lei Geral de Proteção de Dados pode trazer benefícios para empreendimentos e clientes.

<em>Imagem: Reprodução/Soirmag</em>
Imagem: Reprodução/Soirmag

E para quem achava que investir em privacidade era apenas uma obrigação, é válido ressaltar que mais de um terço das empresas participantes relataram obter benefícios que equivalem a pelo menos o dobro do valor investido. Esses benefícios incluem mitigação de perdas causadas por incidentes de segurança, maior eficiência operacional e maior fidelidade e confiança por parte dos consumidores.

À Cisco, o gerente de privacidade da Uber, Ruby Zefo, afirmou: “Estou muito feliz que os investimentos em privacidade estejam se traduzindo em um maior valor comercial e melhor preparação em uma evolução rápida no cenário regulatório. Projetar e construir proteções de privacidade em produtos não impede a inovação — apenas otimiza a própria”.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: