Mercado abrirá em 5 h 42 min
  • BOVESPA

    125.675,33
    -610,27 (-0,48%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.634,60
    +290,49 (+0,57%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,23
    -0,39 (-0,53%)
     
  • OURO

    1.832,40
    -3,40 (-0,19%)
     
  • BTC-USD

    39.876,68
    -190,68 (-0,48%)
     
  • CMC Crypto 200

    948,09
    +17,73 (+1,91%)
     
  • S&P500

    4.419,15
    +18,51 (+0,42%)
     
  • DOW JONES

    35.084,53
    +153,60 (+0,44%)
     
  • FTSE

    7.023,08
    -55,34 (-0,78%)
     
  • HANG SENG

    25.836,90
    -478,42 (-1,82%)
     
  • NIKKEI

    27.283,59
    -498,83 (-1,80%)
     
  • NASDAQ

    14.833,50
    -204,25 (-1,36%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0237
    -0,0168 (-0,28%)
     

Com pandemia, 7 a cada 10 restaurantes estão endividados

·1 minuto de leitura
A waitress wearing a face mask handing one of her customers some menus in a restaurant.
Em 91,7% das empresas que prestam serviços de alimentação, as dívidas representam entre um mês a mais de um ano de faturamento
  • Cerca de sete em cada dez donos de bares e restaurantes têm dívidas, segundo pesquisa

  • Pelo menos 66% desses negócios não conseguirão enfrentar nova onda de covid-19

  • Empresários pedem linha de crédito ao governo federal

Cerca de 71% dos donos de bares e de restaurantes afirmam ter dívidas, segundo a nova pesquisa da série covid-19, feita pela ANR (Associação Nacional de Restaurantes em parceria com o IFB (Instituto Foodservice Brasil) e com uma consultoria especializada em restaurantes, a Galunion. Entre essas empresas endividadas, 79% dizem dever para bancos, 54% afirmam estar com impostos atrasados e 37% estão devendo para fornecedores. As informações são do Brasil Econômico.

Leia também:

Ajuda do governo

Pelo menos 66% desses estabelecimentos não têm condições de enfrentar novas restrições ou lockdown, já que o capital de giro não deve durar por mais de 30 dias. Portanto, o setor quer que o governo federal forneça uma linha de crédito especial, com grande prazo de carência até o começo do pagamento. 

Em 91,7% das empresas que prestam serviços de alimentação, as dívidas representam entre um mês a mais de um ano de faturamento. 

Apesar de 64% das empresas terem demitido desde o início da pandemia, 48% dos estabelecimentos desejam aderir a programas que permitam a suspensão de contratos trabalhistas, além da redução de salários e expediente dos funcionários. "A pesquisa mostra com muita clareza que o setor chegou ao seu limite. Quem sobreviveu, em sua imensa maioria, está muito endividado", diz o diretor-executivo da ANR, afirma Fernando Blower.

O levantamento foi feito entre 9 de abril e 5 de maio de 2021, com 650 empresas que prestam serviços de alimentação em todo o Brasil

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos