Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.910,10
    -701,55 (-0,62%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.661,86
    +195,84 (+0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,29
    +0,68 (+0,79%)
     
  • OURO

    1.792,30
    -2,70 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    37.533,39
    +569,83 (+1,54%)
     
  • CMC Crypto 200

    863,83
    +21,37 (+2,54%)
     
  • S&P500

    4.431,85
    +105,34 (+2,43%)
     
  • DOW JONES

    34.725,47
    +564,69 (+1,65%)
     
  • FTSE

    7.466,07
    -88,24 (-1,17%)
     
  • HANG SENG

    23.550,08
    -256,92 (-1,08%)
     
  • NIKKEI

    26.717,34
    +547,04 (+2,09%)
     
  • NASDAQ

    14.430,25
    +443,50 (+3,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9813
    -0,0427 (-0,71%)
     

Com novo marco legal, indústria quer 'descarbonizar' geração térmica a carvão

·3 min de leitura
Minério de carvão

Por Letícia Fucuchima

SÃO PAULO (Reuters) - Com a lei que estende a contratação da maior termelétrica a carvão do país até 2040, o setor carbonífero espera atrair investimentos inclusive em iniciativas de descarbonização, disse um representante da indústria, em meio a críticas e pressão pelo abandono da fonte poluente.

A promessa é de que, com um novo marco legal, a indústria carbonífera brasileira vai se modernizar e poderá neutralizar suas emissões de carbono com projetos inovadores, afirmou Fernando Zancan, presidente da Associação Brasileira do Carvão Mineral (ABCM), à Reuters.

"O que estamos fazendo é construir uma indústria de carvão descarbonizada. Para isso, tínhamos que ter um marco regulatório", disse Zancan à Reuters.

Sancionada na quarta-feira, a Lei 14.229 determina que o governo compre, até 2040, energia de reserva de Jorge Lacerda, complexo termelétrico com 857 megawatts (MW) de potência que é movido a carvão nacional, extraído em Santa Catarina.

O texto também cria o "Programa de Transição Energética Justa" (TEJ), com o objetivo de promover uma transição sustentável para o pólo carbonífero do Estado.

Segundo Zancan, a partir da lei, a indústria espera atrair investidores para projetos já em desenvolvimento.

A fonte de recursos para o carvão vem secando com o fortalecimento da agenda de transição energética. No ano passado, o BNDES anunciou que deixaria de investir em térmicas a carvão.

Uma das principais apostas do setor é uma planta piloto de captura, utilização e armazenamento de carbono (CCUS, na sigla em inglês) instalada em Criciúma (SC). Mantido pelo Centro Tecnológico Satc (CTSatc), o projeto estuda a captura de CO2 a partir de um processo de adsorção à zeólita, um mineral sintético produzido com a própria cinza do carvão. Hoje, a tecnologia já é capaz de capturar 50% do carbono emitido. Já foram investidos 11 milhões de reais no projeto por parte de entes públicos e privados.

Para o presidente da ABCM, tecnologias de captura de carbono serão necessárias para perenizar outras fontes além do carvão, como o gás natural. "Vamos ter que ter uma matriz (elétrica) equilibrada, compensando a intermitência (das renováveis)", avalia.

Zancan afirma ainda que a entidade buscará articular com o Congresso legislações semelhantes para outras regiões produtoras de carvão no país, como Rio Grande do Sul e Paraná.

O pólo carbonífero de Santa Catarina é o maior do país, e sua situação começou a ser discutida mais intensamente pelo governo nos últimos anos. Quase toda a produção de carvão da região é direcionada à termelétrica Jorge Lacerda, que, antes da lei, só contava com subsídios da Conta de Desenvolvimento Energético (CDE) para a compra do carvão até 2027.

O município de Capivari de Baixo, onde está instalado o complexo termelétrico Jorge Lacerda --vendida em agosto pela Engie a uma empresa da Fram Capital--, é o maior emissor de CO2 do Brasil por área, com 85.633 toneladas de CO2 por km2, segundo um levantamento do Observatório do Clima.

A lei que estende a contratação de Jorge Lacerda recebeu várias críticas de entidades do setor elétrico e grupos ligados ao meio ambiente.

Contrária à medida, a associação dos grandes consumidores de energia (Abrace) calcula que a compra compulsória da energia proveniente do complexo impõe aos consumidores custos anuais de cerca de 2,24 bilhões de reais.

"Prorrogar a queima do carvão não é uma resposta para o que o próprio título do programa propõe, que é uma 'transição energética'. Transição significa sair de algo para começar outro. E do ponto de vista do setor elétrico, o carvão é uma coisa do passado para o Brasil", afirma Roberto Kishinami, coordenador do portfólio de Energia Elétrica do Instituto Clima e Sociedade.

Para Kishinami, o governo poderia ter remanejado o valor bilionário de subsídios que já estavam previstos para o complexo até 2027 para a estruturação de um programa de realocação de trabalhadores e recuperação ambiental da região, dispensando a recontratação da termelétrica.

(Por Letícia Fucuchima)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos