Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.036,79
    +2.372,44 (+2,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.626,80
    -475,75 (-1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,74
    -1,49 (-1,83%)
     
  • OURO

    1.668,30
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    19.390,94
    -51,38 (-0,26%)
     
  • CMC Crypto 200

    443,49
    +0,06 (+0,01%)
     
  • S&P500

    3.585,62
    -54,85 (-1,51%)
     
  • DOW JONES

    28.725,51
    -500,10 (-1,71%)
     
  • FTSE

    6.893,81
    +12,22 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    17.222,83
    +56,96 (+0,33%)
     
  • NIKKEI

    25.937,21
    -484,84 (-1,83%)
     
  • NASDAQ

    11.058,25
    -170,00 (-1,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3079
    +0,0099 (+0,19%)
     

Com mais de 4 metros, lula-gigante surpreende cientistas na África do Sul

Os cientistas da África do Sul se depararam com uma surpresa na última terça-feira (16): uma lula-gigante de 4,3 metros de comprimento. Foi a segunda vez que um animal da espécie deu as caras em uma praia da região (na costa rochosa de Scarborough Beach, na Cidade do Cabo).

De acordo com o gerente costeiro da Cidade do Cabo, Gregg Oelofse, as amostras coletadas da carcaça da lula-gigante serão estudadas por pesquisadores do Iziko South African Museum. "Não é incomum ter uma lula-gigante, mas não é uma ocorrência diária. A última apareceu em Kommetjie cerca de sete meses atrás. São criaturas que habitam o fundo do oceano que aparecem de tempos em tempos", afirma.

Enquanto isso, o cientista marinho e curador do Iziko South African Museum, Dylan Clarke, confirmou que a lula tinha 4,26 metros de comprimento e pediu a equipe coletasse amostras de tecido, para futuros estudos. Segundo ele, as lulas-gigantes são raras.

"A disponibilidade de informações sobre lulas-gigantes é relativamente pobre e é baseada em animais mortos ou moribundos que foram levados para a praia ou capturados em redes de arrasto comerciais. A literatura também sugere que eles chegam a águas mais rasas porque apresentam um comportamento chamado de migração vertical diária", aponta o curador.

Em outras palavras, esses animais se aventuram em águas mais rasas durante a noite para se alimentar e migrar de volta para águas mais profundas durante o dia. "É perfeitamente possível que essa chegou a águas mais rasas para se alimentar e foi atingido por um navio, mas isso é difícil de provar sem testemunhas", acrescenta.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: