Mercado abrirá em 9 h 22 min
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,69 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,11 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    67,91
    +1,65 (+2,49%)
     
  • OURO

    1.787,10
    +3,20 (+0,18%)
     
  • BTC-USD

    48.824,02
    -207,60 (-0,42%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.254,93
    -186,83 (-12,96%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,72 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -6,89 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    23.532,05
    -234,64 (-0,99%)
     
  • NIKKEI

    27.855,59
    -173,98 (-0,62%)
     
  • NASDAQ

    15.740,75
    +23,00 (+0,15%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3840
    -0,0113 (-0,18%)
     

Com ingresso médio a R$ 50, Corinthians lucra quase R$ 400 mil nos jogos com a volta do público

·3 min de leitura


O Corinthians teve, até aqui, duas partidas com público desde a liberação do 30% de seu estádio pelo Governo do Estado de São Paulo: contra o Bahia e contra o Fluminense. Apesar de ter recebido pouco mais de dez mil torcedores em cada uma delas, os resultados financeiros já foram vistos e tendem a aumentar quando 100% da capacidade da Neo Química Arena estiver liberada.

TABELA
> Veja classificação e simulador do Brasileirão-2021 clicando aqui

> Conheça o aplicativo de resultados do LANCE!

GALERIA
> Veja até quando vai o contrato de cada jogador do Corinthians

Apesar de ficar cerca de um ano e oito meses sem receber torcedores em sua Arena, o Timão não inflacionou o preço médio de seus ingressos. Levando em conta os dois jogos, a renda bruta total (R$ 1.125.456,50) dividida pelo público pagante total (22.362) leva a um ticket médio de R$ 50,33. O valor é menor do que o preço médio do ingresso do clube no Brasileirão-2019: R$ 50,55.

Mesmo sem "sangrar" a torcida com um aumento nas entradas, o Corinthians conseguiu lucrar nos dois duelos e evitou o prejuízo com os altos custos de operação do estádio em dias de jogos. Ao todo, a bilheteria fechou no positivo com R$ 399.318,23, o que representa 35,48% da renda bruta acumulada.

Esse número reflete bem a diferença entre abrir a Neo Química Arena para um público reduzido e para a lotação máxima. No Brasileirão-2019, por exemplo, a bilheteria teve um lucro de pouco mais de 60% do que foi arrecadado com a venda dos ingressos, ou seja, algo em torno de 40% acabou sendo destinado a pagar os custos de operação do estádio, que teve público médio de 32.856.

Somados os jogos contra o Bahia e contra o Fluminense, o valor total das despesas foi de R$ 726.138,27. Cifras bem altas e que exigem uma determinada arrecadação para que bilheteria não feche no vermelho. Algo que deve passar longe de acontecer quando 100% da Neo Química Arena estiver liberada.

Segundo os dirigentes corintianos, eles estão perto de formalizar um acordo com a Caixa por conta da dívida da construção da Arena. Quando as tratativas forem oficializadas, o Timão ficará com 100% do lucro da Neo Química Arena. No momento, o dinheiro arrecadado vai para um fundo que administra o estádio. Desde 2014, o lucro dos jogos nunca foi para os cofres alvinegros.

Confira os números de bilheteria das duas partidas:

Bahia

Público: 10.470 pagantes
Renda Bruta; R$ 520.529,90
Renda Líquida: R$ 168.212,19 (32,3% do total)
Despesas: R$ 352.317,71 (67,7% do total)
Ingresso Médio: R$ 49,72

Fluminense
Público: 11.892 pagantes
Renda Bruta: R$ 604.926,60
Renda Líquida: R$ 231.106,04 (38,2% do total)
Despesas: R$ 373.820,56 (61,8% do total)
Ingresso Médio: R$ 50,87

Total
Público: 22.362 pagantes
Renda Bruta: R$ 1.125.456,50
Renda Líquida: R$ 399.318,23 (35,5% do total)
Despesas: R$ 726.138,27 (64,5% do total)
Ingresso Médio: R$ 50,33

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos