Mercado fechado
  • BOVESPA

    102.224,26
    -3.586,99 (-3,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,15
    -10,24 (-13,06%)
     
  • OURO

    1.788,10
    +1,20 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    54.683,22
    +909,85 (+1,69%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.365,60
    -89,82 (-6,17%)
     
  • S&P500

    4.594,62
    -106,84 (-2,27%)
     
  • DOW JONES

    34.899,34
    -905,04 (-2,53%)
     
  • FTSE

    7.044,03
    -266,34 (-3,64%)
     
  • HANG SENG

    24.080,52
    -659,64 (-2,67%)
     
  • NIKKEI

    28.751,62
    -747,66 (-2,53%)
     
  • NASDAQ

    16.051,00
    -315,00 (-1,92%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3485
    +0,1103 (+1,77%)
     

Com fome de energia, China se volta aos EUA e Europa prepara planos de alívio

·2 min de leitura
Estação de carvão em Xangai, China

Por Chen Aizhu e Jessica Jaganathan e Scott DiSavino

(Reuters) - A crise de energia da China se aprofundou nesta sexta-feira, com os preços do carvão atingindo uma máxima recorde em meio ao clima mais frio e os preços do gás também em alta, levando as principais empresas de energia a procurarem acordos de longo prazo com fornecedores norte-americanos, disseram fontes à Reuters.

A segurança energética atingiu o topo das agendas governamentais na Ásia e na Europa, à medida que a escassez de carvão e os preços do gás em alta provocaram cortes de energia e congestionaram fábricas fornecedoras de grandes marcas como Apple, no momento em que a economia global se recupera das restrições do coronavírus.

Para proteger os consumidores da alta dos preços, conforme o inverno se aproxima, os líderes da União Europeia parecem dispostos a liberar Estados membros a adotar medidas emergenciais, incluindo limites de preços e subsídios, em uma cúpula na próxima semana.

A China, maior exportador mundial, foi particularmente atingida e grandes empresas de energia, como a Sinopec Corp e a China National Offshore Oil Company (CNOOC), estão em negociações avançadas sobre contratos de longo prazo com exportadores de gás natural liquefeito (GNL) dos EUA, disseram fontes à Reuters.

As discussões podem levar a negócios no valor de dezenas de bilhões de dólares que aumentariam as importações de GNL dos Estados Unidos para a China nos próximos anos. Em contraste, no auge das tensões comerciais sino-americanas, em 2019, o comércio de gás entre os dois países foi brevemente suspenso.

"Como empresas estatais, as companhias estão todas sob pressão para manter a segurança de oferta, e a recente tendência dos preços mudou profundamente a imagem da oferta de longo prazo na mente das lideranças", disse um trader de Pequim.

Em um golpe à luta contra o aquecimento global, a China e outros países se voltaram no curto prazo ao carvão. Pequim também tomou uma série de medidas para conter os aumentos de preços, incluindo o aumento da produção doméstica de carvão e o corte de oferta para indústrias demandando energia.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos