Mercado abrirá em 5 h 2 min
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.220,83 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,61 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    62,64
    +1,14 (+1,85%)
     
  • OURO

    1.754,90
    +26,10 (+1,51%)
     
  • BTC-USD

    46.160,31
    +1.418,29 (+3,17%)
     
  • CMC Crypto 200

    921,90
    -11,24 (-1,20%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,63 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    29.432,49
    +452,28 (+1,56%)
     
  • NIKKEI

    29.663,50
    +697,49 (+2,41%)
     
  • NASDAQ

    13.119,75
    +208,75 (+1,62%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7559
    -0,0024 (-0,04%)
     

Com fim do auxílio, poupança tem pior resultado em 26 anos

LARISSA GARCIA
·2 minuto de leitura

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Em janeiro, pela primeira vez desde o início da pandemia de Covid-19, a diferença entre depósitos e saques na poupança foi negativa. Segundo dados do Banco Central divulgados nesta quinta-feira (4), as retiradas superaram as entradas em R$ 18,1 bilhões no período, pior valor da série histórica iniciada em janeiro de 1995. Após a chegada do vírus ao país, em março, a caderneta registrou valores elevados em captação líquida nos meses seguintes, em comparação ao restante da série. O auxílio emergencial, pago por meio de conta-poupança digital da Caixa Econômica Federal, ajudou a explicar o movimento de alta na captação ao longo de 2020. O benefício, no entanto, terminou em dezembro e este é o primeiro mês em que a população não conta com o socorro. Com o retorno do consumo gerado pela flexibilização do isolamento social e a reabertura dos comércios, a população passou a sacar mais recursos da poupança, o que contribuiu para a queda da captação líquida. Os brasileiros depositaram, em janeiro, R$ 244,9 bilhões na caderneta e sacaram R$ 263 bilhões. O saldo, que é todo o montante investido na modalidade, mesmo com captação negativa, permaneceu superior a R$ 1 trilhão no mês. O estoque alcançou a marca pela primeira vez na história em setembro. No ápice da crise, em abril, a poupança bateu recorde, com R$ 30,4 bilhões. O resultado foi superado em maio, com R$ 37,2 bilhões, o maior da série histórica até agora. Em setembro, a parcela do benefício pago pelo governo aos mais pobres foi reduzida de R$ 600 para R$ 300, o que fez os depósitos diminuírem. Em outubro, primeiro mês cheio depois da mudança, o nível de captação voltou aos patamares observados antes da crise sanitária, mas ainda ficou positivo em R$ 7 bilhões. Os brasileiros depositaram, em janeiro, R$ 244,9 bilhões na caderneta e sacaram R$ 263 bilhões. O saldo, que é todo o montante investido na modalidade, mesmo com captação negativa, permaneceu superior a R$ 1 trilhão. O estoque alcançou a marca pela primeira vez na história em setembro. A poupança rende a Taxa Referencial (TR), hoje zerada, mais 70% da Selic, que está em 2% ao ano. A regra prevê que, quando a taxa básica de juros estiver acima de 8,5% ao ano, o rendimento da poupança será 0,50% ao mês, mais TR. Caso a taxa Selic esteja menor ou igual a 8,5% ao ano, o investimento é remunerado a 70% da Selic, acrescida da TR.