Mercado abrirá em 8 h 45 min
  • BOVESPA

    109.786,30
    +2.407,38 (+2,24%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.736,48
    +469,28 (+1,11%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,57
    +0,66 (+1,47%)
     
  • OURO

    1.805,80
    +1,20 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    18.956,11
    -112,38 (-0,59%)
     
  • CMC Crypto 200

    375,25
    +5,50 (+1,49%)
     
  • S&P500

    3.635,41
    +57,82 (+1,62%)
     
  • DOW JONES

    30.046,24
    +454,97 (+1,54%)
     
  • FTSE

    6.432,17
    +98,33 (+1,55%)
     
  • HANG SENG

    26.898,16
    +309,96 (+1,17%)
     
  • NIKKEI

    26.581,98
    +416,39 (+1,59%)
     
  • NASDAQ

    12.159,00
    +83,00 (+0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4038
    +0,0069 (+0,11%)
     

Com fim do auxílio, não há como não votar Renda Brasil até fim do ano, diz Bittar

Fabio Graner
·1 minuto de leitura

Relator das PECs do pacto federativo e emergencial se reuniu com o ministro Paulo Guedes Marcio Bittar (MDB-AC), relator da PEC pacto federativo Divulgação/Twitter Marcio Bittar O relator das Propostas de Emenda constitucional do pacto federativo e emergencial, senador Marcio Bittar (MDB-AC) defendeu hoje a tese de que o novo Renda Brasil precisa ser resolvido ainda este ano. Segundo ele, por ora o programa vai constar do seu relatório, mesmo que seja apenas um comando geral. “Você tem um problema que tem que ser resolvido. Milhões de seres humanos, irmãos nossos, em janeiro, se não se criar um programa novo, não terão como se alimentar. Não é só uma questão de solidariedade humana, mas de convulsão social”, disse, ressaltando que não há contradição entre as agendas liberal e social do governo. “Não há como não votar até o fim do ano”, disse. Bittar não quis entrar em detalhes sobre a reunião que ele teve com o ministro da Economia, Paulo Guedes. Ele disse que Guedes apresentou a eles “novas possibilidades” para o relatório das PECs. Relator do orçamento, Bittar disse que esse tema será discutido na semana que vem. O Renda Brasil vinha sendo desenhado pela equipe econômica como substituto do Bolsa Família e para acomodar os beneficiários que receberam o auxílio emergencial durante a pandemia. As discussões, porém, perderam por ordem do presidente Bolsonaro. Ele rejeitou as propostas em estudo de construir o novo programa a partir da revisão da unificação e remodelação de iniciativas como o abono salarial.