Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.513,62
    +1.085,64 (+0,85%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.558,32
    +387,54 (+0,77%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,33
    +0,25 (+0,34%)
     
  • OURO

    1.775,10
    -8,30 (-0,47%)
     
  • BTC-USD

    34.763,67
    +1.555,20 (+4,68%)
     
  • CMC Crypto 200

    836,10
    +49,48 (+6,29%)
     
  • S&P500

    4.266,49
    +24,65 (+0,58%)
     
  • DOW JONES

    34.196,82
    +322,58 (+0,95%)
     
  • FTSE

    7.109,97
    +35,91 (+0,51%)
     
  • HANG SENG

    28.882,46
    +65,39 (+0,23%)
     
  • NIKKEI

    28.875,23
    +0,34 (+0,00%)
     
  • NASDAQ

    14.359,00
    +96,00 (+0,67%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,8619
    -0,0666 (-1,12%)
     

Com escassez de combustível e comida, população da colombiana Cali pede negociação

·1 minuto de leitura
Prateleiras praticamente vazias em supermercado em Cali, Colômbia

Por Luis Jaime Acosta

CALI, Colômbia (Reuters) - Moradores da cidade colombiana de Cali, o epicentro dos protestos contra o governo do presidente, Iván Duque, estão sofrendo com os bloqueios de rua dos manifestantes, que triplicaram alguns preços de alimentos e tornaram a gasolina escassa.

A cidade amante da salsa teve mais mortes confirmadas do que qualquer outra durante as manifestações, que começaram em abril, além de alguns saques.

Moradores dizem que é urgente que manifestantes e governo cheguem a acordos para que mais remessas de combustível e comida possam chegar à cidade e para encerrar os protestos – os mais prolongados e violentos da história recente da Colômbia.

"Estamos vivendo um momento crítico", disse Andrés Bolaños, de 28 anos, enquanto esperava em uma fila longa para encher o tanque da moto.

"Os dois lados precisam chegar a um acordo para haver um bom corredor humanitário."

Algumas filas de gasolina chegavam a 2 quilômetros, e outros postos de combustível, incapazes de receber suprimentos, estavam fechados.

Os supermercados ainda abertos têm prateleiras conspicuamente vazias, e os produtos alimentícios restantes estão mais caros.

"O impacto é escassez total e aumentos de preço", disse Diana Falla, de 36 anos, dona de um mercado. "Pegamos o que pudemos e trouxemos nós mesmos, porque às vezes os fornecedores não vêm".

Os manifestantes, que inicialmente convocaram marchas contra um plano tributário já descartado, passaram a exigir uma renda básica, o fim da violência policial, educação e empregos para os jovens, entre outras coisas.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos