Mercado fechará em 4 h 16 min
  • BOVESPA

    112.212,77
    +334,24 (+0,30%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    43.674,83
    0,00 (0,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,14
    -0,14 (-0,31%)
     
  • OURO

    1.840,80
    +10,60 (+0,58%)
     
  • BTC-USD

    19.367,64
    +418,39 (+2,21%)
     
  • CMC Crypto 200

    380,80
    +6,39 (+1,71%)
     
  • S&P500

    3.671,57
    +2,56 (+0,07%)
     
  • DOW JONES

    29.981,96
    +98,17 (+0,33%)
     
  • FTSE

    6.463,66
    +0,27 (+0,00%)
     
  • HANG SENG

    26.728,50
    +195,92 (+0,74%)
     
  • NIKKEI

    26.809,37
    +8,39 (+0,03%)
     
  • NASDAQ

    12.496,50
    +42,25 (+0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2706
    -0,0492 (-0,78%)
     

Com entrada de estrangeiros, Bolsa sobe 3,8% na semana

JÚLIA MOURA
·3 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Bolsa de Valores brasileira encerrou sua segunda semana consecutiva de valorização nesta sexta-feira (13), acumulando alta de 3,76%, a 104.723 pontos. No pregão desta sexta, subiu 2,16%, acompanhando os índices de Wall Street. O período foi marcado por um maior otimismo do mercado com a vitória do democrata Joe Biden nas eleições americanas e da notícia de eficácia de mais de 90% da vacina contra a Covid-19 da Pfizer. Com menor aversão a risco, investidores voltaram a países emergentes. Na Bolsa brasileira, novembro tem uma entrada líquida de R$ 15 bilhões de investimento estrangeiro segundo dados da Bolsa até esta quarta (11). Até agora, este é o melhor mês em toda a série histórica da B3, que vai até 2007. Segundo especialistas, é cedo para dizer se os estrangeiros voltaram para ficar e se a tendência é ampliarem os investimentos por aqui. Com o real depreciado e ações longe do preço máximo, o Brasil se mostra como uma boa oportunidade de investimento, mas ainda existem muitos riscos aos olhos do estrangeiro. "Alguns fundos internacionais com desempenho negativo no trimestre precisam de retorno agora porque dezembro eles param e o Brasil está barato e tem acompanhdo o desempenho positivo das Bolsas no exterior", diz José Francisco de Lima Gonçalves, economista-chefe do Banco Fator. "A Bolsa em dólar está barata e, se o Brasil vai bem e o real aprecia, também vale a compra, mas vejo que se trata de um posicionamento e não de um retorno dos estrangeiros às compras", afirma Roberto Dumas Damas, professor do Insper. Apesar de iniciar a semana em forte queda, o dólar acumulou alta de 1,6% na semana, a R$ 5,4740, devolvendo parte do tombo de 6% da semana anterior, quando ocorreram as eleições americanas. Nesta sexta, teve leve queda de 0,18%. O turismo está a R$ 5,627. O pregão desta sexta refletiu a alta volatilidade na semana. Ao longo do pregão, a divisa oscilou entre R$ 5,527 e R$ 5,4470. O real viu elevação de volatilidade implícita na semana, saindo de 16,6% para 18,2%. Dentre as principais divisas emergentes, apenas a combalida lira turca exibiu maior instabilidade. O real caiu cerca de 1,6% ante o peso mexicano apenas nesta sessão e, na semana, recuou 2,75%. A comparação da moeda brasileira com a mexicana é vista como um bom termômetro da avaliação de investidores internacionais sobre o câmbio doméstico. O real segue próximo de mínimas em mais de 16 anos contra o peso. Um dos pontos cruciais contra o câmbio é de ordem fiscal, com o mercado ainda receoso sobre o futuro do teto de gastos e frustrado com a lentidão da agenda de reformas econômicas. Citando justamente problemas relacionados às contas públicas, o Itaú Unibanco elevou nesta sexta de R$ 4,50 para R$ 5 o prognóstico para a taxa de câmbio nominal ao fim de 2021. Estudo da FGV (Fundação Getulio Vargas) mostrou que o desalinhamento negativo da taxa de câmbio no Brasil voltou a aumentar no fim do terceiro trimestre e a ficar entre os maiores já vistos nos últimos anos. "A persistência do desalinhamento frente a uma melhora consistente dos fundamentos ao longo de 2020 nos leva a reiterar que a desvalorização do real tem sido ocasionada principalmente por fatores de risco relacionados tanto à pandemia quanto à situação fiscal", disse Emerson Marçal, coordenador do Centro de Macroeconomia Aplicada da FGV e um dos autores do estudo, de divulgação trimestral. Além do tema fiscal, a pressão sobre o câmbio tem se mantido diante da demanda por dólares decorrente de ajustes no "overhedge" -proteção cambial adicional adotada por bancos e cuja eficiência foi colocada em xeque diante de mudanças, anunciadas neste ano, em regras tributárias. Essa correção pode implicar compra de no mínimo US$ 15 bilhões até o fim do ano, segundo cálculos de algumas instituições financeiras. Nesta sexta, o S&P 500 subiu 1,36%, Dow Jones teve alta de 1,37% e Nasdaq, de 1%.