Mercado fechado
  • BOVESPA

    101.259,75
    -657,98 (-0,65%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.707,72
    +55,53 (+0,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    39,78
    -0,86 (-2,12%)
     
  • OURO

    1.903,40
    -1,20 (-0,06%)
     
  • BTC-USD

    12.973,72
    -338,40 (-2,54%)
     
  • CMC Crypto 200

    260,05
    -1,40 (-0,54%)
     
  • S&P500

    3.465,39
    +11,90 (+0,34%)
     
  • DOW JONES

    28.335,57
    -28,09 (-0,10%)
     
  • FTSE

    5.860,28
    +74,63 (+1,29%)
     
  • HANG SENG

    24.918,78
    +132,65 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    23.516,59
    +42,32 (+0,18%)
     
  • NASDAQ

    11.669,25
    +19,50 (+0,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6639
    +0,0538 (+0,81%)
     

Com domingo de sol, pessoas ignoram as regras do uso de máscaras e praias ficam cheias no Rio

Amanda Pinheiro
·2 minutos de leitura
Grupo se reuniu na areia e sem máscara - o que ainda não é permitido -, mas disse ser contra a flexibilização nesse momento da pandemia
Grupo se reuniu na areia e sem máscara - o que ainda não é permitido -, mas disse ser contra a flexibilização nesse momento da pandemia

Com temperatura máxima registrada de 37,5 graus pelo sistema Alerta Rio, da prefeitura, o domingo ensolarado fez com que muitas pessoas saíssem de suas casas e fossem aproveitar o dia nas ruas, sobretudo os banhistas que, apesar do decreto municipal que proíbe a permanência na areia, mais uma vez ignoraram a determinação e lotaram as praias do Rio.

No decorrer da orla, diversas pessoas praticaram exercícios, se bronzearam, jogaram altinha na beira do mar ou apenas permaneceram sentadas na calçada, já que algumas vias foram interditadas para lazer. No entanto, apesar do decreto que obriga o uso das máscaras, muitos não utilizavam o acessório ou usavam de forma indevida.

— Não consegui me acostumar. Aperta demais e me atrapalha para respirar. Por mais que a gente faça alguns ajustes, fica difícil usar — disse uma senhora que caminhava pela praia do Leme e não quis se identificar.

Não muito longe dela, um grupo se reuniu na areia — o que ainda não é permitido —, distante da maior aglomeração à beira mar. Para Lucimar Fernandes, de 44 anos, que estava com essas pessoas, a decisão de afrouxar as medidas de isolamento social foi precipitada

— Eu respeitei a quarentena desde o início e só me permiti sair de casa agora. Mas acredito que ainda está muito cedo para reabrir os estabelecimentos. Aqui na praia, por exemplo, as pessoas não respeitam nada. Estão se aglomerando, parece que não existe mais a doença e que as pessoas não estão morrendo — afirmou ela.

Também acompanhada do grupo, Cíntia Almeida, de 38 anos, é mineira de Juiz de Fora, e disse que quando chegou ao Rio, na última sexta-feira, se assustou com o que viu.

— Sinceramente, fiquei surpresa. Eu via algumas notícias, estava acompanhando a situação antes de chegar, mas não achei que as pessoas estivessem abusando tanto — declarou.

Apesar de discordarem da flexibilização do distanciamento social, todas as pessoas do grupo estavam sem as máscaras.

— Nós viemos de máscara e só tiramos quando chegamos aqui na praia para beber e conversar, senão fica complicado (risos) — disse Lucimar.