Mercado fechado

Espanha decreta estado de emergência e fecha escolas até abril

Valor

País tem 4.209 casos confirmados de coronavírus, o segundo pior quadro da Europa O primeiro-ministro da Espanha, Pedro Sánchez, anunciou nesta sexta-feira que o país decretará estado de emergência a partir de amanhã para conter o avanço do novo coronavírus (covid-19).

A medida, que permite limitar a movimentação da população, ficará em vigor por 15 dias. Todas as escolas do país ficarão fechadas até 5 de abril, ampliando determinação já adotada por algumas das províncias.

Turistas com máscara em frente à Sagrada Família, em Barcelona, na Espanha - coronavírus, Espanha, Europa

AP Photo/Joan Mateu

“Estamos só na primeira fase de combate ao vírus. Semanas muito duras nos esperam. Não podemos descartar que tenhamos 10 mil infectados na próxima semana”, afirmou Sánchez em pronunciamento.

Segundo o último boletim divulgado pelo Ministério da Saúde, a Espanha tem 4.209 casos confirmados da covid-19, com 120 mortes. Os números deixam o país atrás apenas da Itália na Europa.

O aguardado anúncio coloca a Espanha em um caminho similar ao já adotado pelos italianos, em quarentena completa desde o início da semana.

Antes de Sánchez falar à nação, as regiões de Madri e Catalunha já haviam proibido o comércio de funcionar – apenas supermercados e farmácias poderão abrir. O País Basco decretou estado de emergência, e Murcia confinou cidades litorâneas.

A rápida propagação do vírus fez os governos regionais adotarem medidas mais drásticas para restringir a movimentação da população. Nas províncias de Madri e Catalunha, apenas supermercados e farmácias poderão funcionar a partir de sábado. Murcia confinou sete cidades litorâneas, e outras regiões proibiram que as pessoas frequentem a praia. O País Basco decretou estado de emergência.

A doença, inclusive, chegou ao coração do governo ontem. O vice-premiê, Pablo Iglesias, foi colocado em quarentena depois de sua esposa, a ministra Irene Montero, testar positivo. Todo o alto escalão passou por exames, inclusive o rei Felipe IV e rainha Letizia. A Casa Real informou hoje que ambos não contraíram o vírus, mas a monarca ficará em isolamento como medida de precaução.

Por todo mundo, crescem as medidas de restrição impostas por países na medida em que as confirmações de positivos também avançam. A Ucrânia confirmou nesta sexta-feira a primeira morte provocada por coronavírus (covid-19) no país. Para impedir o avanço da doença, o governo anunciou planos para banir a entrada de estrangeiros por duas semanas e fechar 70% das passagens fronteiriças.

“Em 48 horas, nosso país fechará as fronteiras para estrangeiros por duas semanas. As viagens dos ucranianos para o exterior também serão limitadas”, anunciou o diretor de Segurança Nacional, Oleksiy Danilov.

As medidas drásticas foram adotadas apesar de a Ucrânia ser um dos países com menos casos confirmados do coronavírus na Europa. Até o momento, apenas três pessoas foram diagnosticadas com a doença. No entanto, o governo local é alvo de muitas críticas por só ter realizado 55 testes desde o início da crise.

Desde a semana passada, escolas foram fechadas e eventos cancelados. Além disso, exportações de equipamentos médicos de proteção, como máscaras e luvas, estão proibidas.

Escolas

Os governos de Croácia, Estônia e Paquistão anunciaram nesta sexta-feira o fechamento das escolas como parte do esforço para impedir a propagação do novo coronavírus (covid-19).

Na Croácia, o primeiro-ministro do país, Andrej Plenkovic, disse que escolas e universidades ficarão fechadas por duas semanas. Já a Estônia decidiu suspender as aulas e proibir todos os eventos em todo o território nacional até o dia 1º de maio.

O fechamento de escolas e universidades vai até 5 de abril no Paquistão, que faz fronteira com China e Irã, dois dos países mais afetados pela pandemia.