Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.933,78
    -180,15 (-0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.072,62
    -654,36 (-1,34%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,47
    +0,09 (+0,14%)
     
  • OURO

    1.771,10
    +0,50 (+0,03%)
     
  • BTC-USD

    56.206,11
    +79,11 (+0,14%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.273,66
    -25,30 (-1,95%)
     
  • S&P500

    4.163,26
    -22,21 (-0,53%)
     
  • DOW JONES

    34.077,63
    -123,04 (-0,36%)
     
  • FTSE

    7.000,08
    -19,45 (-0,28%)
     
  • HANG SENG

    29.106,15
    +136,44 (+0,47%)
     
  • NIKKEI

    29.685,37
    +2,00 (+0,01%)
     
  • NASDAQ

    13.907,50
    +10,25 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6768
    -0,0093 (-0,14%)
     

Com discussão sobre Orçamento e queda da Indústria, Bolsa cai e dólar sobe

·3 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A discussão em torno do Orçamento de 2021 e a queda da produção industrial em fevereiro levaram o mercado brasileiro a um pregão negativo nesta quinta-feira (1º), na contramão de Wall Street. O Ibovespa caiu 1,18%, a 115.253 pontos. Na semana, o índice teve leve alta de 0,4%. O dólar teve alta de 1,45%, a R$ 5,7110, após cair mais de 2% na véspera. Na semana, a moeda caiu 0,5%. Com receio de um processo de impeachment, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) tem buscado uma saída jurídica na discussão orçamentária que não crie um novo mal-estar com o Congresso Nacional. Para não correr o risco de cometer crime de responsabilidade ao sancionar a proposta, o presidente foi orientado pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, a fazer vetos ao texto, que é tratado por parte do governo como inexequível. A possibilidade, no entanto, enfrenta forte resistência na cúpula do Poder Legislativo. A discussão em torno do Orçamento e receios fiscais levaram a ação do Bradesco a cair 3,66% e a do Itapu, 3,06%. As ações ampliaram as perdas no final do pregão após ruídos sobre medidas de tributação que afetem o setor, incluindo mudanças nas regras nesse sentido em relação a fundos de investimento, tributação sobre lucros e dividendos. Nesta quinta, o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) divulgou que a indústria nacional interrompeu nove meses de ganho, com uma inesperada queda em fevereiro. Pesaram as perdas na produção de veículos automotores e indústrias extrativas, em meio à piora da pandemia de Covid-19 e restrições cada vez mais rigorosas. A produção da indústria registrou queda de 0,7% na comparação com janeiro, contra ganho de 0,4% esperado em pesquisa da agência de notícias Reuters. Em Nova York, o S&P 500 renovou seu recorde histórico, acima dos 4.000 pontos, impulsionado por Microsoft, Amazon e Alphabet, além de otimismo sobre a recuperação norte-americana com o novo pacote de Joe Biden. O índice subiu 1,18%. O Dow Jones teve alta de 0,52% e o Nasdaq, de 1,76%. Na Bolsa brasileira, a Qualicorp recuou 4,42%, mais uma vez entre as maiores perdas, ainda na esteira do resultado trimestral divulgado na noite de terça-feira, que mostrou queda em receitas, desempenho operacional e margens. Para o BTG Pactual, além de números poluídos no quarto trimestre, a parte recorrente dos resultados ainda mostra perspectivas pouco claras. Braskem fechou em alta de 2,19%, tendo renovando cotação recorde intradia a R$ 41,17. Nessa semana, analistas do Santander Brasil reiteraram recomendação de 'compra' para a ação e elevaram o preço-alvo de R$ 28 para R$ 47, avaliando que a petroquímica continua bem posicionada para aproveitar a sólida demanda por produtos petroquímicos. M.Dias Branco, que não está no Ibovespa, caiu 6,19%, após queda no lucro do quarto trimestre, pressionado por maiores custos com trigo e câmbio e recuo da demanda interna recuou. A Mirae Asset destacou que, no geral, o desempenho operacional foi mais fraco do que o esperado, e que o resultado só não foi pior em razão do aumento de preços no período.